Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Zé Eduardo’

Por: Erik Rodrigues

Na Vila Belmiro, Santos e Vitória disputaram a partida de ida da final da Copa do Brasil. O Peixe voltou da parada da Copa do Mundo sem apresentar o excelente futebol do primeiro semestre. Ganhou apenas uma partida e perdeu as outras três pelo Brasileirão. Já o time baiano voltou embalado, apesar de vencer apenas um jogo e empatar três no torneio nacional.

A partida começou com o Santos mostrando o ímpeto ofensivo do primeiro semestre, com Neymar, Ganso, Robinho e André se movimentando muito e confundindo a defesa adversária. Tanto que Schwenck e Anderson Martins levaram cartão amarelo com dez minutos. Aos 12, foi da vez de Ganso acertar a trave em cobrança de falta. Com a pressão aumentando, o gol saiu logo em seguida. Pará avançou pela direita e cruzou na medida para Neymar que, meio de peito e de barriga, empurrou para o fundo da rede. Foi o 11º gol dele na competição, artilheiro isolado.

O Peixe manteve-se no ataque e criou outras ótimas chances para ampliar. Aos 17 minutos, Alex Sandro cruzou e Robinho mandou para fora. Percebendo que seria massacrado se continuasse na defensiva, o Vitória adiantou a marcação no meio campo e conseguiu equilibrar um pouco a partida. O técnico Ricardo Silva teve que trocar Rafael Cruz, lesionado, por Bida. O time baiano conseguiu chegar ao gol santista, mas sem levar muito perigo. Antes do fim da primeira etapa, André ainda perdeu boa oportunidade.

No segundo tempo, o panorama não mudou. Os donos da casa continuaram no ataque, sem dar chances ao rubro-negro. Neymar e Ganso perderam chances claras de gol, praticamente dentro da pequena área. Acuado, o Vitória trocou o experiente Ramon por Renato Cajá, na tentativa de explorar os contra-ataques. Mas a troca não deu certo e o Peixe continuava mandando no jogo. Esse domínio teve resultado aos 28, quando Neymar pedalou dentro da área e foi derrubado por Wallace. Pênalti que o próprio Neymar cobrou, com cavadinha, para defesa tranquila do goleiro Lee. Alguns torcedores passaram a vaiar o atacante quando ele tocava na bola.

O técnico Dorival Junior mexeu no time e tirou Robinho e Ganso, para as entradas de Zé Eduardo e Marquinhos. E alguns torcedores gritaram “burro” para o treinador quando Ganso deixou o campo. Mas Marquinhos mostrou que poderia corresponder e marcou o segundo gol santista, aos 38 minutos, em bela cobrança de falta. Com a vantagem, o Santos passou a administrar o jogo e o Vitória não levou perigo ao gol de Rafael. Fim de jogo e vitória merecida do time da Vila, pois apresentou mais uma vez um futebol ofensivo e ousado, sempre em busca do gol e que dá gosto de ver. Na próxima quarta-feira (04/08), os dois times voltam a se enfrentar no Barradão, em Salvador, e o Peixe pode até perder por um gol de diferença que ficará com o título inédito da Copa do Brasil.

Anúncios

Read Full Post »

Os dois jogos que decidiram o Campeonato Paulista de 2010 foram realmente sensacionais. Santos e Santo André fizeram jus ao torneio mais disputado do país e empolgaram o público, até mesmo os torcedores de outras equipes. Depois de vencer o primeiro jogo por 3 a 2 e ampliar a vantagem, o Santos perdeu hoje por 3 a 2 para o Ramalhão e mesmo assim conquistou o 18º título estadual de sua história.

O jogo no Pacaembu começou quente. Aliás, muito quente. Logo aos 30 segundos do primeiro tempo, o atacante Nunes abriu o placar para o Santo André, depois de ótimo passe de Branquinho para o lateral Cicinho, que driblou Felipe e tocou para o artilheiro marcar o gol. Foi uma pequena mostra que do que o time do ABC faria no jogo.

Entretanto, o Santos não tem o melhor ataque do mundo em 2010 à toa. Aos sete minutos, Marquinhos achou Robinho dentro da área e o ‘Rei das Pedaladas’ deu um incrível passe de letra no alto para Neymar. O jovem atacante recebeu, driblou toda a zaga adversária e fez um belo gol, empatando o jogo.

A partida era disputada de uma forma rápida, com ataques para os dois lados. E por pouco o Santo André não ampliou o placar aos 16 minutos, quando Branquinho arriscou um chute e a bola caprichosamente explodiu na trave.

Os comandados de Sérgio Soares estavam impossíveis e partiam para cima do adversário. Tanto que no minuto seguinte marcaram o segundo gol após Carlinhos cruzar para a área e Rodriguinho fazer de cabeça. Porém, a auxiliar Maria Elisa ergueu a bandeira e anotou impedimento inexistente. Prejuízo para o time do ABC.

O erro da arbitragem não abalou o Ramalhão. Bruno César, de novo ele, cobrou escanteio e o volante Alê mandou de cabeça para a rede aos 20 minutos.

A partida pegou fogo de vez aos 22 minutos, quando Neymar cavou mais uma falta e Alê repreendeu o jovem santista. O tumulto se generalizou, empurra daqui, empurra dali e todos querendo falar mais alto que o árbitro. Nunes e Léo bateram boca e se xingaram na lateral do campo, ampliando a discussão. Para não perder as rédeas do jogo, o juiz Sálvio Spinola expulsou os dois.

Emocionante, o jogo prosseguiu alguns minutos depois. Mas o incêndio estava instaurado. Para melhorar ainda mais, o Peixe buscou o empate novamente. Robinho tocou para Ganso, que maravilhosamente deu um passe de letra milimétrico para Neymar, sozinho, marcar o segundo santista. Foi o centésimo gol dos ‘Meninos da Vila’ na temporada, em apenas 30 jogos disputados. Uma maravilha!

Aos 39 minutos, o meia Marquinhos perdeu a cabeça e deu uma dura entrada por trás em Branquinho, lance que ocasionou a expulsão do jogador santista. Agora eram 9 contra 10 e o jogo estava empatado. Era a hora do Santo André atacar e fazer jus ao homem a mais que tinha em campo.

Determinada, a equipe fez o que dela se esperava. Bruno César fez uma linda jogada no meio-campo, puxou o contra-ataque, tabelou com o lateral Carlinhos e deixou Branquinho livre para marcar o terceiro do Ramalhão, aos 43 minutos.

O primeiro tempo terminou e a vantagem era andreense. Depois de um grande jogo na primeira etapa, os 45 minutos finais tinham tudo para confirmar um jogo épico num Pacaembu lotado por mais de 36 mil torcedores.

O segundo tempo começou da mesma forma que terminou o primeiro, com o Santo André melhor em campo e o Santos tentando parar os rápidos contragolpes do adversário. Logo aos cinco minutos, Bruno César deu uma caneta no meio-campo e fez um precioso lançamento para Rodriguinho, que driblou o goleiro e chutou fraco para o gol, dando a chance de Arouca conseguir salvar o quarto tento dos visitantes.

Mesmo melhor em campo, a equipe do ABC não conseguia traduzir em gol as chances criadas. O destino e os ‘Deuses do Futebol’ reservaram a segunda etapa para Paulo Henrique Ganso, sem dúvidas o melhor jogador de toda a competição. Um leão em campo, Ganso, de apenas 20 anos, parecia um lorde em campo. Segurava a bola, dava dribles de efeito e não se intimidava com as duras chegadas dos zagueiros do Santo André.

Em uma das raras vezes neste ano, Dorival Júnior tirou um atacante e colocou um volante para segurar o ímpeto do adversário. Saiu Neymar e entrou Roberto Brum. O volante ficou pouco em campo, mais precisamente oito minutos. Depois de dar um carrinho por trás, Sálvio Spinola expulsou o jogador e deixou o Peixe com oito jogadores em campo.

Em total desvantagem numérica, Dorival tratou de colocar o zagueiro Bruno Aguiar no jogo. O escolhido para sair, erroneamente, foi Paulo Henrique Ganso. Porém, antes do treinador fazer a substituição errada, Ganso se recusou a sair e, como um maestro, sugeriu que treinador tirasse o atacante André. Dorival seguiu a opção de Ganso e sacou André. Outro lance genial do jogador, dessa vez sem a bola no pé. Mesmo jovem, Ganso mostrou personalidade e chamou a responsabilidade, demonstrando ser um jogador pronto e maduro, que se não for convocado para a Copa do Mundo, será uma injustiça das mais tremendas.

O Ramalhão foi para o tudo ou nada. Um gol daria o título e por pouco, muito pouco, o Santo André não fez história. Rodriguinho chutou uma bola na trave aos 45 minutos da etapa final e assustou o Pacaembu.

Mas nada, NADA, tiraria esse título do Santos. O árbitro terminou o jogo e o Peixe conquistou o 18º título de sua história.

De fato os jogos finais foram emocionantes. Mostraram um Santo André determinado, altamente competitivo e com muitos jogadores qualificados que reforçarão outros clubes brasileiros nos próximos dias. O goleiro Júlio César, os meias Branquinho e, principalmente, Bruno César, além dos atacantes Nunes e Rodriguinho cumpriram muito bem seus papéis no torneio. Não levaram a taça, mas perderam de cabeça erguida e jogando um ótimo futebol. Entretanto, o técnico Sérgio Soares merece os parabéns por ter montado uma bela equipe e por se mostrar um grande talento a beira do gramado.

Já o Santos mereceu completamente a conquista. Todo o grupo, todos os jogadores. Passearam e deram show com a bola nos pés. Encantaram e acabaram com todos os adversários. Um ataque magnífico e uma defesa que, se não é brilhante, também conseguiu ajudar o time. Dorival Júnior também merece destaque por ter regido a ‘orquestra’ santista. Porém, Neymar e Ganso sobraram no Paulistão-10. A jovem dupla foi muito importante na conquista e mostrou que o futebol truculento não tem vez quando a habilidade e a ousadia brasileira estão em campo. Se Dunga tiver um mínimo de juízo, não hesitará em convocá-los para o mundial daqui a nove dias.

Felipe, Pará, Wesley, Durval, Edu Dracena, Léo, Germano, George Lucas, Arouca, Marquinhos, Robinho, Neymar, André, Paulo Henrique Ganso, Mádson, Bruno Aguiar, Rodrigo Mancha, Giovanni, Zé Eduardo, Marcel, Maikon Leite e Dorival Júnior. Todos os ‘Meninos da Vila’ merecem os parabéns pela conquista.

Parabéns, Santos Futebol Clube! E como diz o hino do clube: “Glorioso alvinegro praiano, campeão absoluto desse ano”.

Read Full Post »

A semifinal do Campeonato Paulista de 2010 entre São Paulo e Santos prometia ser eletrizante. E foi até mais do que se imaginava. Em um jogo muito disputado na tarde deste domingo no estádio do Morumbi, o Peixe conseguiu a vitória por 3 a 2 e ampliou a vantagem que já tinha, agora poderá perder por até um gol de diferença que mesmo assim chegará à final da competição estadual.

Em dois tempos distintos, o Santos não apresentou o futebol convincente das últimas rodadas, tomou um grande sufoco, mas no final conquistou o objetivo e deixou o São Paulo em condição muito difícil no Paulistão.

O São Paulo começou melhor o jogo, marcando em cima e não deixando espaços para os ágeis santistas. Mas, aos poucos, o Santos melhorou dentro de campo e tomou conta da partida. Tanto que, aos 26 minutos, em investida pela esquerda, Neymar passou a bola para Léo que chutou cruzado para o meio da área. A bola caprichosamente bateu no lateral Júnior César e traiu Rogério Ceni. 1 a 0 para o Peixe. O gol mexeu com o jogo. O alvinegro cresceu ainda mais enquanto o São Paulo sentiu o baque e se recuou, chamando o adversário para cima. Porém, as coisas pioraram para o Tricolor quando o meia Marlos, aos 32, foi expulso de campo após já ter tomado cartão amarelo erroneamente minutos antes. O primeiro amarelo deveria ser aplicado no lance da expulsão. Atordoado, não demorou muito para o São Paulo sofrer o segundo gol. Novamente pela esquerda, novamente através de Neymar, que deu um lindo passe de três dedos para o atacante André ampliar a vantagem e marcar seu 12º no Paulistão.

Não havia cenário pior para a equipe de Ricardo Gomes. Jogando em casa e precisando do resultado, tomou dois gols ainda no primeiro tempo e ficou com um jogador a menos. Todos, até mesmo os são paulinos, esperavam pelo pior: ver mais uma goleada santista que resultaria na eliminação do São Paulo.

Na volta do intervalo, Ricardo Gomes fez uma alteração ousada, tirou Washington e colocou Cicinho em campo para atuar como meia e dar mais velocidade ao time. E a alteração surtiu efeito. O São Paulo voltou elétrico e com muita vontade. Logo aos oito minutos, Hernanes fez bela jogada individual e chutou forte no canto do goleiro Felipe, diminuindo o placar e colocando o Tricolor de volta na partida. O gol nos minutos iniciais deu confiança para a equipe. O São Paulo passou a mandar no jogo enquanto o Santos apenas assistia. Hernanes, Dagoberto, Jorge Wagner e Cicinho comandavam o time. E foi através de mais uma jogada rápida que o Tricolor chegou ao empate. Cicinho ergueu a bola na área e encontrou Dagoberto livre para mandar a bola de cabeça para a rede. Era a resposta do São Paulo de que nada estava decidido. O empate assustou os garotos santistas. Com dez em campo o Tricolor era melhor do que quando teve 11 jogadores no primeiro tempo. Os pouco mais de 35 mil torcedores que foram ao Morumbi viam um grande jogo.

Depois de conseguir algo que parecia improvável, o São Paulo continuou partindo para cima e sentiu que poderia virar o jogo. E não virou por pouco, muito pouco. Hernanes, o melhor são paulino no jogo, cobrou falta e obrigou o goleiro Felipe a fazer uma maravilhosa defesa. Percebendo que as coisas poderiam piorar, Dorival Júnior resolveu mexer. Mádson entrou no lugar de Neymar e Zé Eduardo na vaga de Marquinhos. O objetivo do treinador era voltar a ter posse de bola no meio campo e amenizar as investidas são paulinas. Assim como Ricardo Gomes havia mexido no jogo com a substituição no intervalo, as substituições santistas também foram acertadas. O Santos equilibrou novamente o jogo e, aos 38, quase marcou o terceiro com Zé Eduardo. O jogo continuou quente e tudo levava a crer que o empate seria o resultado mais justo pelos dois tempos distintos, um de cada equipe. Até que, aos 45 minutos, Miranda fez falta desnecessária na beirada da área. Mádson cruzou, Rogério Ceni falhou e o zagueiro Durval, de cabeça, fez o terceiro gol para o Santos. Gol esse que deu a vitória ao alvinegro e mais do que isso, ampliou a vantagem já existente. No próximo domingo, na Vila Belmiro, os ‘Meninos da Vila’ podem perder por até um gol de diferença que, ainda assim, chegarão à decisão. O São Paulo não poderá contar com Marlos e terá que partir para cima buscando os dois gols de diferença, algo que pode ser muito perigoso contra um time rápido e de bom toque de bola como o Santos.

Tudo leva a crer que a equipe de melhor campanha no campeonato chegue à final. O Peixe está com um pé e meio na decisão do título estadual. Ao Tricolor, resta entrar no jogo mais ligado para não precisar correr atrás do resultado como fez hoje. Ricardo Gomes já avisou que irá ao litoral com força máxima e que ainda acredita na classificação. Se mantiver a pegada mostrada na segunda etapa, as chances crescerão um pouco. Além da classificação, o São Paulo jogará a próxima partida para tentar vencer seu primeiro clássico no ano. Até aqui foram cinco derrotas em cinco jogos. Para resumir, o Santos tem 80% de chances de continuar no torneio, contra 20% do time do Morumbi. Com o que foi apresentado na primeira partida, o segundo jogo é garantia de mais um grande clássico.

NA OUTRA SEMIFINAL…

O Santo André também conseguiu ampliar a vantagem obtida após bela campanha na primeira fase e, fora de casa, venceu o Grêmio Prudente por 2 a 1. Pela equipe do ABC marcaram Branquinho e Rodriguinho, agora vice-artilheiro do Paulistão com 14 gols, enquanto que Diego anotou o gol do Prudente. Assim como o Santos, o Ramalhão jogará a segunda partida em casa e pode perder até por um gol de diferença para chegar à decisão. Ótimo cenário para a organizada equipe dirigida por Sérgio Soares.

Read Full Post »

O Campeonato Paulista chegou a sua 13ª rodada neste final de semana. A curiosidade é que o fato mais interessante diz respeito ao único jogo que não foi disputado: Palmeiras X Sertãozinho. A partida estava marcada para as 17h no Palestra Itália e estranhamente foi adiada para a próxima segunda-feira, às 21h, na Arena Barueri. O motivo alegado pela diretoria palmeirense e confirmado pela Federação Paulista de Futebol foi a forte chuva que caiu na manhã de sábado na cidade de São Paulo. Porém, a chuva parou pelo menos quatro horas antes do confronto e, no momento que a partida seria disputada, fazia sol e o gramado apresentava totais condições de jogo. Realmente esse fato pegou todo mundo de surpresa, já que com chuvas muito piores nesse início de temporada, inclusive no próprio Palestra Itália, partidas foram disputadas. Foi veiculado que a torcida palmeirense preparou um grande protesto para a partida de ontem e isso nos faz crer que a chuva não foi fator preponderante para o adiamento do jogo. Se a transferência da partida para Barueri houve por esse motivo mesmo, a diretoria do Palmeiras deu mais uma bola fora. De qualquer forma, nada muda a respeito do jogo. O Palmeiras continua precisando da vitória para continuar sonhando com o G4.

No domingo, o Corinthians como visitante enfrentou o São Caetano na Arena Barueri e, com um futebol pouco objetivo, venceu por 1X0 com gol de Dentinho, no final da partida. Sem vários titulares, Mano Menezes promoveu a entrada do meia Danilo, recuperado de lesão, e também do atacante Iarley. Porém, no primeiro tempo o jogo foi bastante truncado e as equipes se respeitaram demais. Na segunda etapa, o treinador alvinegro colocou os titulares Jorge Henrique e Elias, além do atacante Dentinho, que acabou resolvendo o jogo aproveitando um cruzamento de Jorge Henrique. O Timão chegou a 23 pontos, subiu duas posições e voltou para o G4, agora na quarta colocação.

O líder Santos teve mais trabalho do que o imaginado e conseguiu apenas um empate com a Portuguesa, no Canindé. A Lusa saiu na frente com Héverton no primeiro tempo e Zé Eduardo empatou para o Peixe nos minutos finais. Com a igualdade, o alvinegro chegou a 32 pontos e continua liderando com sobras. Porém, sem a vitória, os ‘Meninos da Vila’ perderam a chance de chegar a 12 vitórias consecutivas e quebrar o recorde atingido por Pelé e companhia no final dos anos 60. O Santos foi mais incisivo no jogo, mas a Portuguesa soube se segurar. Prova disso foi a declaração de Robinho no final do jogo: “O futebol não podia ser tão injusto com a gente. Ficamos em cima deles no segundo tempo todo e graças a Deus conseguimos o gol. Sinceramente, foi um massacre. Só nós jogamos e merecíamos fazer mais gols. Acho que valeu a garra”. Na atualidade, um empate fora de casa num clássico para o Santos é resultado negativo. E é mesmo. Mas o Peixe continua sobrando no campeonato.

Um pouco mais tarde foi a vez do São Paulo entrar em campo, fora de casa, contra a Ponte Preta. Após desempenho fraco nos últimos jogos, os jogadores do Tricolor começaram a mudar a postura e entraram em campo mais ligados. A vitória foi construída ainda no primeiro tempo, com dois gols de Washington e com uma defesa de pênalti do goleiro Rogério Ceni, em cobrança de Fabiano Gadelha. O goleiro são paulino também esteve bem na segunda etapa e foi muito seguro nas investidas do time de Campinas. Mesmo longe do ideal, o torcedor ficou mais tranquilo com o que viu, já que as mudanças começaram a dar certo. Com a vitória, o São Paulo atingiu 24 pontos na tabela e subiu uma posição, agora no terceiro lugar do Paulistão.

Outro destaque positivo continua sendo o Santo André. Jogando em casa contra um forte oponente, o Botafogo-SP, a equipe do técnico Sérgio Soares venceu por 4X1, se manteve no segundo lugar, agora com 30 pontos e encostou no líder Santos. Essa foi a sétima vitória seguida do Ramalhão no campeonato e a equipe vai mostrando que tem força para chegar às semifinais. Já o Botafogo, saiu do G4 com a derrota e estacionou nos 22 pontos. Os gols do jogo foram marcados por Leandro Amaro (Botafogo), Bruno César, Branquinho, Ricardo Conceição e Nunes para o Santo André.

Read Full Post »