Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Wilkshire’

Estados Unidos 1 X 0 Argélia

Os norte-americanos começaram a partida contra a Argélia na segunda posição do grupo C. Dependendo apenas de suas próprias forças para chegar às oitavas de final, nenhum jogador dos Estados Unidos imaginava o sofrimento e a dramaticidade que o confronto contra a inexperiente seleção africana teria. Depois de tanto tentar durante os 90 minutos, os ‘Yankees‘ conseguiram o gol da classificação na bacia das almas e venceram por 1 a 0, terminando na primeira posição da chave. Assim, os Estados Unidos chegam às oitavas de final pela terceira vez em Copas do Mundo, as outras aconteceram em 1994 e 2002.

Novamente a equipe do técnico Bob Bradley provou ter qualidades, assim como já havia demonstrado na Copa das Confederações, em 2009, e também nas outras partidas deste Mundial. Mas curiosamente, a primeira grande chance do jogo foi da equipe africana. Aos cinco minutos, Rafik Djebbour recebeu a bola na entrada da área e mandou uma bomba, que explodiu no travessão do goleiro Tim Howard. No minuto seguinte, os norte-americanos responderam com chute de Hercules Gomez, mas o goleiro M’Bolhi fez sua primeira boa defesa no jogo.

Melhor em campo, os Estados Unidos ficavam grande parte do tempo com a bola nos pés. Aos 19, aconteceu um lance polêmico. Num bate-rebate na entrada da área argelina, dois americanos foram derrubados, o árbitro aplicou a lei da vantagem e a bola sobrou para Gomez concluir e o goleiro defendeu. No rebote, a bola voltou para o pé do atacante e, com um chute torto, a pelota sobrou para Dempsey, que fez o gol. Porém, o juiz Frank De Bleeckere, da Bélgica, viu o assistente assinalar impedimento e invalidou o gol dos Estados Unidos. É óbvio que a decisão criou muita polêmica e reclamações.

Aos 34, Landon Donovan deu ótimo passe para Altidore, que invadiu a área e obrigou o goleiro a realizar outra defesa. No minuto seguinte, outro lance perigoso. O craque norte-americano tabelou com Bradley e tocou por cima na saída de M’Bolhi. A bola sobrou e Altidore e Donovan foram com tanta gana para o lance, que nenhum dos dois conseguiu concluir. Depois de ser pressionada por muito tempo, a Argélia saiu de trás e criou boas oportunidades nos minutos finais da primeira etapa, mas a falta de pontaria impediu que o gol saísse.

Na segunda etapa, a pressão dos Estados Unidos continuou. Aos 11, Altidore fez ótima jogada pela esquerda, deu um drible da vaca no adversário e rolou para Dempsey, que invadiu a área e chutou forte. A bola bateu na trave e sobrou para ele, que errou a conclusão novamente. Com a falta de pontaria dos centroavantes, o treinador dos ‘Yankees‘ colocou o brasileiro naturalizado norte-americano, Benny Feilhaber. Logo que entrou, o jovem fez linda jogada pela direita, passou por três marcadores e só parou com outra defesa do goleiro argelino. Aos 23, outra incrível chance desperdiçada. Dempsey cruzou e Edson Buddle cabeceou forte, mas M’Bolhi operou outro milagre e segurou a bola. Dez minutos depois, Michael Bradley cobrou falta e o goleiro argelino defendeu de novo. O jogo chegou aos 45 minutos e os Estados Unidos estavam se despedindo da Copa do Mundo, assim com a Argélia.

Quando o árbitro mostrou quatro minutos de acréscimo, o desespero invadiu os norte-americanos, que ainda quase sofreram um gol de cabeça, mas o goleiro Tim Howard defendeu e, rapidamente, ligou o contra-ataque. Donovan correu com a bola nos pés e deu para Altidore na direita. O atacante avançou, chutou rasteiro e o goleiro espalmou. No rebote, o próprio Donovan bateu e marcou o gol da classificação, aos 46 minutos da etapa final.

O jogo foi emocionante, com a Seleção Norte-Americana altamente superior, mas que esbarrou inúmeras vezes no bom goleiro da Argélia. Enquanto a seleção africana está eliminada, os norte-americanos além de obterem a vaga na próxima fase, ainda conseguiram se classificar na primeira posição do grupo C, já que fizeram dois gols a mais que a Inglaterra.

Eslovênia 0 X 1 Inglaterra

Os ingleses desembarcam na África do Sul prometendo boa campanha e sendo apontada como uma das favoritas ao título. Entretanto, com o fraco futebol apresentado nas duas rodadas iniciais, o que era confiança virou pessimismo e a classificação às oitavas de final ficou ameaçada. Para evitar o vexame, o ‘English Team‘ precisava vencer a Eslovênia, até então líder do grupo C. Com um desempenho um pouco superior, a Inglaterra venceu por 1 a 0 e terminou na segunda colocação da chave, carimbando o passaporte para a próxima fase.

O vencedor técnico Fabio Capello resolveu remodelar a escalação de sua equipe para não correr riscos. Tirou o zagueiro Carragher e deu a titularidade para Upson. Fez o mesmo com Milner no lugar de Lennon e com Defoe na vaga de Heskey. Porém, manteve Joe Cole, bom meia do Chelsea, no banco de reservas. De qualquer forma, o treinador fez seu time melhorar, já que desde o início do jogo os ingleses mandavam no meio campo e não davam espaços para os eslovenos. O chamado ‘dedo do técnico’ fez efeito aos 22 minutos, quando Milner avançou pela direita e cruzou a bola para a área. O atacante Jermain Defoe antecipou a zaga e mandou a bola para o fundo do gol, abrindo o placar.

Aos 29, quase a Inglaterra ampliou. Defoe chutou forte e goleiro Handanovic fez boa defesa. A bola sobrou no pé de Rooney, que entre três marcadores, achou o meia Gerrard, que bateu de primeira e obrigou o arqueiro a intervir novamente. Com a mudança de postura tática, os ingleses jogaram bem no primeiro tempo, com Rooney mais solto, trocando bons passes com Defoe e Gerrard.

O primeiro lance de perigo na segunda etapa veio aos 11 minutos, numa forte cabeçada de John Terry e ótima defesa de Handanovic. No minuto seguinte, Rooney recebeu a bola e, sozinho, na frente do goleiro, chutou-a na trave. Se o futebol apresentado pelo ‘English Team‘ não foi primoroso, também não deixou dúvidas quanto à superioridade ante a Eslovênia, que pouco fez durante a partida e não criou nenhuma chance real de gol.

Com o apito final do árbitro, os ingleses comemoraram a vaga nas oitavas de final e, até aquele momento, com o jogo entre Estados Unidos e Argélia empatado, os eslovenos estavam se classificando e ficaram dentro de campo esperando o jogo terminar. Com o gol norte-americano no último minuto, a Eslovênia foi eliminada da Copa do Mundo e alguns jogadores até choraram no gramado.

Austrália 2 X 1 Sérvia

O duelo decisivo entre a equipe da Oceania e os sérvios valia uma das vagas nas oitavas de final. Com o grupo D totalmente embolado, para a Sérvia bastava vencer, enquanto a Austrália precisava golear para avançar. Num jogo bom e bastante movimentado, os ‘Socceroos‘ venceram a Sérvia ‘apenas’ por 2 a 1 e as duas equipes morreram abraçadas, sendo eliminadas da Copa do Mundo.

A primeira chance do jogo saiu em uma jogada da Sérvia pela direita. Krasic avançou, entrou na área e chutou para boa defesa de Schwarzer. Aos 11, o mesmo Krasic desperdiçou outra chance. Em rápido contra-ataque, o jogador driblou o goleiro e incrivelmente chutou para fora. Mas aos 22 o que a Sérvia fez foi abusivo no quesito de perder gols. Em bola cruzada na área, Ivanovic recebeu e, sozinho, chutou forte, cara a cara com o goleiro da Austrália, que fez uma linda defesa e impediu o gol. Essas foram as principais oportunidades da primeira etapa, onde a Sérvia jogou bem e pecou demais nas finalizações. Os australianos fizeram uma apresentação tímida e se salvaram através das boas interceptações de Schwarzer.

Provando estar melhor em campo, a Sérvia voltou da mesma forma no segundo tempo, perdendo gols. Aos sete, Zigic fez linda jogada, dominou a bola na cabeça, se livrou do adversário e mandou a bola por cima da baliza. Como quem não faz toma, a Austrália começou a melhorar e levar mais perigo. Aos 13, Bresciano cobrou falta de muito longe e obrigou o goleiro Stojkovic a fazer boa defesa. Porém, aos 23 o goleiro sérvio não conseguiu evitar o pior. Wilkshire cruzou da direita e Tim Cahill, de cabeça, mandou a bola no canto, abrindo o placar. Quatro minutos depois, os ‘Socceroos‘ ampliaram. Brett Holman pegou a bola no meio, avançou um pouco e, de longe, chutou para marcar o segundo. Com o resultado, a Austrália precisava de mais dois gols para obter uma classificação heróica.

Entretanto, a equipe da Oceania perdeu poder ofensivo após abrir dois gols de diferença e a Sérvia cresceu no jogo. Aos 38, Tosic chutou de fora da área, o goleiro Schwarzer falhou e soltou a bola no pé de Pantelic, que só teve o trabalho de empurrar para a rede. Aos 41, o atacante australiano Josh Kennedy ainda jogou fora a chance de ampliar, errando a finalização na frente do goleiro adversário. A Sérvia cresceu no jogo e, se conseguisse o empate, obteria uma vaga às oitavas de final. Pressionou, tentou, avançou, mas na única chance real que teve para empatar, Pantelic isolou a bola na cara do goleiro e as chances acabaram.

Gana 0 X 1 Alemanha

Os alemães tiveram um começo arrasador no Mundial. Golearam a Austrália por 4 a 0 e terminaram a primeira rodada como grande sensação entre as favoritas ao título. Porém, dias depois a Seleção Alemã foi surpreendida e perdeu por 1 a 0 para a Sérvia, algo que já colocou a qualidade do elenco em dúvida. Para a última rodada do grupo D, os bávaros precisavam ao menos empatar com Gana para se classificar. Com ataques rápidos e insinuantes, a Alemanha venceu por 1 a 0, terminou na primeira posição e segue firme em busca do tetracampeonato. Os africanos, mesmo com a derrota, também avançaram e irão representar o continente na próxima etapa da Copa do Mundo, assim como já acontecera em 2006.

O primeiro gol da partida por pouco não saiu aos oito minutos. Lucas Podolski avançou pela esquerda e chutou cruzado para o meio da área. A bola desviou no zagueiro de Gana e tocou na trave antes de sair. A equipe africana não estava totalmente defensiva, como é costumeiro quando seleções menores enfrentam os gigantes do futebol. Os ‘Black Stars‘ não tiveram receio e também atacavam os alemães.

O jogo era lá e cá, tanto que a Alemanha perdeu uma chance incrível, aos 24. O jovem Ozil recebeu ótimo lançamento de Cacau, avançou e, de cara com o goleiro Kingson, conseguiu chutar em cima dele. O troco de Gana veio no minuto seguinte. Ayew cobrou escanteio na medida e o atacante Gyan desviou de cabeça, mas Lahm salvou a bola em cima da linha. A última oportunidade alemã na primeira etapa aconteceu aos 40 minutos. Schweinsteiger cobrou falta de longe, os vários jogadores que estavam dentro da área atrapalharam o goleiro ganense, que espalmou a bola nos pés de Ozil. O alemão chutou, mas a bola saiu por cima da meta.

No começo do segundo tempo, os africanos quase abriram o placar com Asamoah, que chutou em cima de do goleiro Neuer. Assim, o castigo veio aos 14. Müller fez boa jogada pela direita e tocou para Ozil, que ajeitou e, de esquerda, mandou um foguete para o gol. O goleiro Kingson nada pôde fazer e a Alemanha ficou em vantagem no placar. Assim, os bávaros ditaram o ritmo da partida e trocaram passes para o tempo passar. Gana ainda teve chance de empatar, mas a pontaria de seus jogadores continuou péssima e o gol não saiu.

O resultado foi benéfico para as duas equipes. A Alemanha terminou na liderança do grupo D com seis pontos (duas vitórias e uma derrota) e foi seguida por Gana, que obteve quatro pontos (uma vitória, um empate e uma derrota). Assim, os alemães vão fazer um clássico logo nas oitavas de final. A equipe do técnico Joachim Löw medirá forças com a Inglaterra, no próximo domingo (dia 27), em Bloemfontein, às 11h. Enquanto isso, os africanos enfrentarão os Estados Unidos, um dia antes, em Rustemburgo, às 15h30.

Anúncios

Read Full Post »

Por: Erik Rodrigues*

Holanda 1 X 0 Japão

Os dois líderes do grupo E se enfrentaram na cidade de Durban com o objetivo de garantirem a classificação para a próxima fase. A Holanda ainda sem Robben, o principal destaque do time e o Japão com a mesma formação da partida vitoriosa contra Camarões na estreia.

Mas o que parecia uma partida fácil para os europeus acabou se tornando penoso. Com um ataque sem inspiração e com muitos toques de lado, a Holanda pouco ameaçava o gol de Kawashima. Sneijder, Van Persie e Kuyt não se entendiam e as jogadas não saiam. O Japão marcava bem no meio de campo e chegava rápido na frente, sempre com o perigoso Okubo.

Com isso, a Holanda abusava de duas armas: a bola na área e os chutes de longa distância, tentados na maioria das vezes por Sneijder. Mas a marcação dos asiáticos era implacável. Apesar de só terem 31% da posse de bola, os japoneses levavam mais perigo. Em uma boa oportunidade, Honda cabeceou perto do gol e quase fez.

Na segunda etapa, parece que as equipes lembraram que quem ganhasse a partida estaria garantido na próxima fase. A “Laranja Mecânica” voltou mais ligada e começou ameaçando com Van Persie. Os holandeses estavam melhores e pressionavam pelos lados com Kuyt e o atacante do Arsenal. O gol era questão de tempo.

Aos oito minutos, Kuyt cruzou da direita e o brasileiro naturalizado japonês, Marcos Túlio Tanaka, afastou. A bola sobrou no pé de Van Persie, que percebeu a aproximação de Sneijder e ajeitou para o camisa 10, que bateu forte no canto direito. O goleiro Kawashima caiu no canto certo, mas o efeito ‘Jabulani’ entrou em cena e a pelota fez uma curva. O arqueiro japonês ainda espalmou, mas não conseguiu impedir o gol.

Com 1 a 0 no placar, a Holanda parou e privilegiou a marcação ao adversário. O Japão partiu pra cima e deu trabalho para o goleiro Stekelenburg, em dois bons chutes de Okubo. Mas também foi só, pois o time asiático temia os contra-ataques holandeses. O atacante Elia e o meia Affelay entraram no time e deram mais movimentação na frente aos holandeses. Porém, não conseguiram converter em gols as boas oportunidades criadas.

Com o resultado, a Holanda garantiu uma das vagas do grupo E. Na próxima rodada, dia 24, os holandeses encaram Camarões na Cidade do Cabo, enquanto o Japão enfrenta a Dinamarca em Rustemburgo, na briga pela segunda vaga do grupo.

Austrália 1 X 1 Gana

Pelo grupo D do Mundial, Gana e Austrália se enfrentaram na cidade de Rustemburgo. O que tinha tudo para ser um jogo morno e sem atrativos, acabou se tornando uma partida bastante movimentada.

Precisando se recuperar da goleada sofrida na estreia, a Austrália iniciou a partida no ataque. As investidas de Kewell pela esquerda levavam perigo ao gol de Kingson. A pressão deu resultado aos 11 minutos, quando Bresciano bateu falta e o goleiro ganês soltou a bola nos pés de Holman, que empurrou para as redes. Aí, aconteceu o que tem sido rotina nesta Copa do Mundo. Após fazer o gol, os “Socceroos” se firmaram na defesa e esperavam as chances de contra-ataque.

O time de Gana passou a tocar a bola e começou a pressionar. De tanto insistir, aos 25 minutos, Ayew fez o que quis pela direita, aliando técnica e raça no mesmo lance. Após passar por dois adversários, ele cruzou rasteiro para o meio da área e Mensah bateu de primeira. Em cima da linha, Kewell afastou com o braço, o juiz marcou pênalti e expulsou o atacante. Asamoah Gyan, o melhor jogador do time, bateu no canto esquerdo e empatou o jogo.

Os africanos se empolgaram e partiram pra cima dos australianos que, com um homem a menos, ficaram perdidos. Gyan comandava o ataque ganês e por pouco seu time não conseguiu a virada antes do intervalo.

No segundo tempo, a Austrália surpreendeu e equilibrou a partida. Mesmo com mais posse de bola, Gana não criava boas chances de gol e os australianos chegavam com perigo. Em um destes lances, Chipperfield cabeceou na pequena área e mandou pra fora. A jogada despertou os “Black Stars”.

Gyan, sempre ele, conduzia o time ao ataque, com velocidade e ousadia. Mas se ele tocasse mais a bola, talvez a equipe fosse mais beneficiada. Boateng também atacava e aos 25 minutos, os dois tabelaram bonito, mas Gyan chutou pra fora.

A Austrália resolveu então arriscar, e colocou em campo o atacante Kennedy no lugar de Holman. A alteração funcionou e aos 27 minutos, Wilkshire recebeu de frente para o goleiro, mas chutou por cima. A bola ainda sobrou para Kennedy, que bateu fraco e Kingson defendeu.

Nos últimos 15 minutos, os dois times diminuíram o ritmo, apesar de os australianos insistirem na base do desespero, mesmo que sem perigo. Com o resultado, Gana ficou em primeiro no grupo D com quatro pontos. Alemanha e Sérvia têm três, enquanto a Austrália tem um. Na próxima rodada, dia 23, Gana enfrenta a Alemanha no Soccer City, em Joanesburgo, e joga por um empate para seguir no Mundial. Os australianos encaram a Sérvia no mesmo dia, em Nelspruit.

Camarões 1 X 2 Dinamarca

Precisando da vitória para seguir no Mundial, Camarões e Dinamarca entraram em campo pela segunda rodada do grupo E. O time africano sofreu alterações a pedido de seus jogadores, que “conversaram” com o técnico francês Paul Le Guen. Os dinamarqueses também tinham novidade, com a volta do capitão Tomasson, recuperado de lesão.

A partida começou boa, com os camaroneses atacando com sua principal estrela, Samuel Eto’o. O jogador da Inter de Milão arriscou de fora da área, mas a bola foi por cima. Os europeus não deixaram por menos e responderam com Rommedahl. Até que Christian Poulsen saiu jogando errado e entregou a bola de graça para Webo. Ele levou pela esquerda e passou para Eto’o que, livre na área, abriu o placar para os “Leões Indomáveis”.

Com o gol, Camarões cresceu no jogo e permaneceu no ataque por mais dez minutos. Teve boas chances e trocou passes rápidos entre Webo, Eto’o e Emana. Mas o segundo gol não saiu e a Dinamarca voltou para o jogo.

Aos 16 minutos, Gronkjaer arriscou de fora da área, mas Nkoulou tirou de cabeça uma bola que certamente empataria a partida. Insistindo em jogadas rápidas, a Dinamarca alcançou a igualdade aos 33 minutos. O bom Rommedahl recebeu pela direita e cruzou rasteiro para Bendtner marcar.

O empate incendiou os minutos finais do primeiro tempo. Os dois times tiveram a chance de fazer o segundo gol, que não saiu por detalhe. O dinamarquês  Tomasson teve boa oportunidade, mas Nkoulou salvou mais uma vez. No contra-ataque, Eto’o bateu de esquerda e acertou a trave.

O segundo tempo começou mais lento, com as equipes trocando passes na intermediária. Aos 12 minutos, Camarões arriscou e Webo tabelou com Eto’o, mas mandou longe. Na sequência, veio o castigo. Novamente Rommedahl, o melhor jogador da Dinamarca, avançou pelo lado esquerdo da defesa adversaria, driblou Makoun e bateu de esquerda, virando o jogo. A “Dinamáquina” ainda teve a chance de marcar o terceiro, mas o capitão Tomasson perdeu ótima chance.

A derrota eliminaria os africanos, então os camaroneses foram com tudo para o ataque. As entradas de Idrissou e Aboubakar melhoraram o time, que jogava bolas para a área dinamarquesa. Aquela dramaticidade típica de Copa do Mundo entrou em campo. Emana e Eto’o tentaram de fora da área, pelos lados, pelo alto, mas não conseguiram o gol que manteria o time no Mundial. A defesa da Dinamarca trabalhou bem, com destaque para o bom zagueiro Daniel Agger.

Com a vitória, a Dinamarca segue na briga por uma vaga na próxima fase e enfrenta o Japão, em Rustemburgo, no dia 24, na disputa direta pela classificação. Já Camarões está eliminado da Copa do Mundo e só cumpre tabela com a Holanda, na Cidade do Cabo, no mesmo dia.

* Erik Rodrigues é jornalista e são-paulino.

Read Full Post »