Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Vanderlei Luxemburgo’

A CBF irá anunciar o novo técnico da Seleção Brasileira ainda nesta semana, possivelmente entre sexta-feira e domingo, já que na segunda-feira, o escolhido será apresentado pela entidade e já terá que divulgar a lista dos jogadores convocados para o amistoso entre Brasil e Estados Unidos, jogo este que acontecerá no dia 10 de agosto, na cidade de New Jersey.

A contratação do novo técnico para o selecionado brasileiro vem gerando muita especulação da imprensa e curiosidade das pessoas. O nome mais cotado após o fracasso da Seleção Brasileira na Copa do Mundo da África do Sul era o de Luiz Felipe Scolari. Porém, o treinador pentacampeão já havia firmado acordo verbal com o Palmeiras antes do Mundial e, dessa forma, cumpriu sua palavra e já está comandando a equipe do Palestra Itália.

Com o insucesso na recontratação de Felipão, os nomes surgiram aos montes. Mano Menezes, do Corinthians; Muricy Ramalho, do Fluminense; Ricardo Gomes, do São Paulo; Vanderlei Luxemburgo, do Atlético-MG; Leonardo, que atualmente está sem clube, entre outros. Mas até o momento, nenhum deles foi citado pelo presidente da CBF em seus depoimentos à imprensa. A única coisa que Ricardo Teixeira deixou claro foi que haverá uma renovação no grupo de jogadores e que, diferentemente da época de Dunga, os jovens talentos ganharão oportunidades de vestir a amarelinha.

Com a proximidade do anúncio, nesta semana o nome de Mano Menezes ganhou força e, ao que tudo inidica, o técnico deixará o Parque São Jorge e seguirá para um novo desafio na carreira. Aliás, que desafio. Se, de fato, ele for o escolhido para dirigir a Seleção Brasileira, o treinador, que já é bastante calejado no quesito pressão (visto que trabalhou em dois grandes clubes: Grêmio e Corinthians), terá que aumentar ainda mais o seu estoque de ‘paciência’ para suportar as cobranças.

Segundo o presidente da CBF, o treinador que assumir o cargo agora terá um projeto de seis anos para cumprir à frente da equipe, já que inúmeros torneios acontecerão neste prazo. A começar pelo amistoso contra os Estados Unidos e, possivelmente, outros dois jogos ainda em 2010. No ano que vem, a Seleção Brasileira disputará a Copa América, na Argentina. Em 2012, o Brasil terá os Jogos Olímpicos para buscar o inédito título. No ano seguinte, começam os torneios em território nacional com a Copa das Confederações. Em 2014 a Copa do Mundo e, em 2015, a Copa América. Por fim, em 2016, as Olimpíadas no Rio de Janeiro.

O processo é longo e, independente de quem seja o treinador, o trabalho não será fácil. A cobrança por resultados no Brasil é algo comum e agora não será diferente. Aliás, deverá haver mais cobrança ainda, já que muitos dos torneios dos próximos anos acontecerão por aqui.

O MFC acredita que Mano Menezes seja um bom nome para o comando, visto pelo ótimo trabalho desenvolvido no Grêmio e também no Corinthians. Além de tudo, Mano parece ter a cabeça aberta para trabalhar em cima da tal reformulação. É esperar para ver e fazer novas análises.

Mas você, leitor deste blog, o que pensa? Quem você gostaria de ver no comando da Seleção Brasileira? Qual seu nome preferido e por qual motivo? Deixe sua opinião!  

Anúncios

Read Full Post »

Antigamente, a profissão de técnico de futebol não era nada valorizada. Enquanto uma pequena parte dos jogadores ganhava bons salários, os treinadores eram personagens secundários em suas equipes ou seleções. Dos anos 90 para cá, muita coisa mudou. Além dos já conhecidos salários exorbitantes recebidos pelos jogadores, os técnicos também passaram a ser mais valorizados. O salário aumentou, a procura pelo cargo também, além da responsabilidade, obviamente.

Enquanto uns gostam de ser tratados como ‘manager’, casos esses de Vanderlei Luxemburgo e José Mourinho, outros preferem a alcunha de operários, como o atual treinador do Fluminense, Muricy Ramalho. Independente da qualidade de cada um, os treinadores sofrem. Quando ganham um título no comando de determinada equipe, são ofuscados pelos jogadores decisivos. Se perderem um jogo ou uma competição, logo têm sua qualidade colocada à prova, são chamados de ‘burro’ e, muitas vezes, perdem seus empregos por fracassos de seus comandados no gramado.

Na Copa do Mundo, a história é a mesma. Eles são contestados antes mesmo de o torneio começar. Primeiro por não levar esse ou aquele jogador. Depois, se não conseguirem os resultados esperados pelos dirigentes, patrocinadores e, principalmente, pela torcida, também são crucificados. A pressão sobre o pobre homem que fica se esgoelando na lateral do campo é absurda. Não basta ser um bom entendedor de futebol para ser técnico, é preciso suportar pressão de todos os lados. Jogadores que não toleram a reserva, outros que não conseguem desenvolver o mesmo papel sempre, além é claro da cornetagem da imprensa e da torcida.

Um número que evidencia bem essa afirmação vem da própria Copa do Mundo. Enquanto Uruguai, Holanda, Alemanha e Espanha ainda correm atrás do título, das outras 28 seleções que já foram eliminadas do torneio: 13 técnicos já foram demitidos, oito têm situação indefinida e, apenas sete devem continuar no cargo (veja abaixo a lista com a situação de cada treinador/seleção). Assim sendo, realmente é possível afirmar que ser técnico de futebol não é uma tarefa das fáceis, mesmo ganhando fortunas em alguns casos.

E você leitor, o que pensa sobre o assunto? Aliás, vale a pena ganhar tanto dinheiro e não ser reconhecido quase nunca? Opine!

TREINADORES DEMITIDOS
– Carlos Alberto Parreira (África do Sul)
– Javier Aguirre (México)
– Raymond Domenech (França)
– Huh Jung-Moo (Coreia do Sul)
– Otto Rehhagel (Grécia)
– Rabah Saadane (Argélia)
– Pim Verbeek (Austrália)
– Takeshi Okada (Japão)
– Paul Le Guen (Camarões)
– Marcello Lippi (Itália)
– Gerardo Martino (Paraguai)
– Dunga (Brasil)
– Sven-Göran Eriksson (Costa do Marfim)

TREINADORES COM SITUAÇÃO INDEFINIDA
– Lars Lagerbäck (Nigéria)
– Diego Maradona (Argentina)
– Bob Bradley (Estados Unidos)
– Milovan Rajevac (Gana)
– Ricki Herbert (Nova Zelândia)
– VladimíRr Weiss (Eslováquia)
– Marcelo Bielsa (Chile)
– Reinaldo Rueda (Honduras)

TREINADORES QUE CONTINUARÃO NO CARGO
– Fabio Capello (Inglaterra)
– Matjaz Kek (Eslovênia)
– Radomir Antic (Sérvia)
– Morten Olsen (Dinamarca)
– Kim Jong Hun (Coreia do Norte)
– Carlos Queiroz (Portugal)
– Ottmar Hitzfeld (Suíça)

Read Full Post »

Por: Erik Rodrigues*

Kléber é um jogador muito bom. Brigador, raçudo, oportunista. Revelado pelo São Paulo, teve grande destaque no time do Palmeiras de 2008. O atleta se identificou com a torcida e caiu nas graças dos palmeirenses por sua dedicação e empenho durante as partidas, além da qualidade técnica.

Depois de dois anos, Kleber retorna ao Palestra com status de “salvador da pátria”. Embora ele mesmo já tenha dito que não é isso, o clube está utilizando a chegada do “Gladiador” para mostrar serviço a uma insatisfeita e preocupada torcida.

Está claro que a direção do clube quer encobrir os erros que tem cometido nos últimos tempos com a vinda do atacante. O presidente Luiz Gonzaga Belluzzo assumiu com grande expectativa de mudança e melhora no destino do Palmeiras. Mas sua inexperiência, somada a certo fanatismo de torcedor e brigas políticas intermináveis, causaram uma sucessão de erros.

A saída conturbada de Vanderlei Luxemburgo, a perda do título brasileiro quase ganho no ano passado e a saída do gerente de futebol Toninho Cecílio são alguns exemplos deste desequilíbrio que toma conta da direção alviverde. Isso sem contar o elenco fraco que não corresponde às tradições palmeirenses em campo.

A chegada de um jogador identificado com a torcida deve ser comemorada, mas não exaltada como a solução de todos os problemas. E nem deve servir para encobrir os erros do passado. O torcedor palmeirense, já há algum tempo muito atento aos males que rondam o clube nos últimos anos, deve ficar ligado e cobrar ainda mais empenho e trabalho sério de seus diretores.

* Erik Rodrigues é jornalista e são-paulino.

Read Full Post »

O Palmeiras continua vivendo dias de crise e os momentos turbulentos parecem não ter fim. Já perdi as contas de quantas vezes escrevi esse tipo de texto aqui no MFC nos últimos meses. Mas é impossível não relatar o novo capítulo ocorrido no começo desta semana pelos lados do Palestra Itália. A nova crise ocorreu depois do último jogo da equipe pelo Campeonato Brasileiro, em partida jogada no Rio de Janeiro contra o Vasco. Conforme veiculado, mesmo após apresentar um futebol melancólico, alguns jogadores do Palmeiras foram curtir noitadas na Cidade Maravilhosa e retornaram para a concentração muito depois da hora combinada e ainda acompanhado por mulheres. Os envolvidos até onde se sabe eram os atacantes Robert e Ewerthon, além do meia Marquinhos.

Com o atraso dos três, o treinador Antonio Carlos Zago cobrou uma postura decente dos atletas e chegou as vias de fato com Robert. Resultado? Ambos foram mandados embora do Verdão. Esse é apenas mais um exemplo da bagunça que se tornou a equipe paulista.

Quando o economista Luiz Gonzaga Belluzzo assumiu a presidência alviverde, tudo levava a crer que dias melhores viriam. Além de ser uma pessoa esclarecida e inteligente, Belluzzo tinha o perfil que o torcedores palmeirenses queriam ver no comando do clube. Depois de anos de marasmo, queda para a segunda divisão e nenhum título conquistado, era a hora da mudança e da reformulação. Muita gente pensou dessa forma também quando ele foi eleito para comandar o clube no dia 26 de janeiro de 2009.

Um ano e meio depois, as coisas aconteceram totalmente diferente do imaginado. Neste período, o Palmeiras já teve quatro treinadores (Vanderlei Luxemburgo, Jorginho, Muricy Ramalho e Antonio Carlos Zago) e nada deu certo. Vagner Love e Diego Souza, os dois principais jogadores do elenco, pegaram as coisas e abandonaram o time.

Os resultados dentro de campo demonstram o tamanho da bagunça. Em 2009, eliminação no Campeonato Paulista e na Copa Libertadores da América, vexame no Campeonato Brasileiro, torneio esse que o Palmeiras liderou por muito tempo e por crises internas conseguiu perder um título ganho. Nesse ano a sina continua a mesma. Campanha pífia no Paulistão e eliminação da Copa do Brasil para o Atlético-GO. O Campeonato Brasileiro já começou e nada foi feito para salvar o Verdão.

Com tantos exemplos de bagunças, crises, brigas e resultados ruins, é fácil chegar a conclusão de que a culpa disso tudo não é da comissão técnica desse ou daquele treinador. O problema está na direção do Palmeiras. Belluzzo parece não ter pulso firme para comandar um clube do tamanho e das tradições alviverdes. Enquanto jogador briga com técnico, outros abandonam o elenco e o presidente da principal patrocinadora diz que tem dó do atual elenco, o presidente palestrino vê tudo de braços cruzados. É preciso tomar atitudes, urgentemente.

Dia após dia o Palmeiras se torna um time menor. O pensamento de Belluzzo é contratar o vencedor Luis Felipe Scolari. Pode ser uma boa chance para mudar as coisas e partir para um rumo melhor. Entretanto, Felipão é um técnico de prestígio e que deve ter propostas de todos os cantos do mundo. Será que ele, vendo o jeito que as coisas estão no Palmeiras, aceitará assumir essa bronca? É pouco provável.

Mas o Palmeiras não pode depender de Felipão, de Belluzzo, de Diego Souza ou de Traffic. O clube tem uma história brilhante no futebol e por si só é um gigante. Os torcedores não merecem uma situação preocupante como esta vivida atualmente. E nesse grande circo alviverde, existe apenas um ‘palhaço’ que sofre: o goleiro Marcos.

Pobre Marcos…

Read Full Post »

A super quarta-feira no mundo do futebol não foi das melhores. De qualquer forma, confira abaixo uma pequena opinião sobre as principais partidas de ontem:

BARCELONA X INTERNAZIONALE (Champions League)
A vantagem obtida no primeiro confronto pela equipe italiana realmente foi importante no duelo. Na partida disputada ontem no Camp Nou, em Barcelona, o que se viu foi um jogo de ataque contra defesa. Uma defesa sólida comandada pelo gigante Lúcio e um ataque sem muitas alternativas liderado pelo argentino Messi. O jogo não foi tudo o que se esperava. A Inter, com razão, entrou em campo apenas para se defender, não se preocupou em tentar um contra-ataque uma mísera vez. Se tivesse tentado, com certeza teria vencido o jogo, pois até o goleiro Victor Valdés tentava atacar, jogando grande parte da partida no meio de campo. Um ataque teria sido fatal. O Barcelona tentou de todas as formas fazer os gols e, quando conseguiu, já era tarde. O gol de Pique, em impedimento, não foi o suficiente e a Inter mesmo jogando com um a menos em grande parte do jogo (Thiago Motta foi expulso), foi mais eficiente e mereceu a vaga. Agora disputará a final da Champions League contra o Bayern de Munique, no dia 22 de maio, no estádio Santiago Bernabéu, na Espanha.

UNIVERSITÁRIO X SÃO PAULO (Copa Libertadores)
O São Paulo encarou, possivelmente, o pior time dos 16 que estão nas oitavas-de-final da Libertadores de 2010. Nem a pressão da torcida que lotou o estádio Monumental de Lima, no Peru, ajudou os anfitriões. Era um jogo para o São Paulo obter uma boa vantagem para a partida de volta e conseguir melhorar seu futebol. Mas novamente o que se viu foi um time mal em campo, sem jogadas definidas e errando demais.  O resultado de 0 a 0 não foi ruim, mas graças a insistência do treinador Ricardo Gomes em escalar o volante Richarlyson na lateral esquerda, sendo que no elenco há três laterais de origem: Júnior César, Carleto e Diogo, o São Paulo quase se complicou e perdeu o jogo depois de Richarlyson ser expulso corretamente por ter dado um carrinho violento no adversário. Além disso o jogador se descontrolou e precisou ser contido pelos companheiros. Uma cena bizarra. O bom para o torcedor são paulino é que no jogo de volta, na próxima terça-feira, no Morumbi, Richarlyson estará suspenso e não poderá jogar. Um reforço para o time, é óbvio. O São Paulo deve passar com certa tranquilidade pelo Universitário e avançar às quartas-de-final, mas com o time não demonstrando melhoras, será difícil chegar longe nesta Libertadores.

FLAMENGO X CORINTHIANS (Copa Libertadores)
O jogo tinha todos os ingredientes para ser um dos melhores do primeiro semestre. Porém, a chuva torrencial que caiu no Rio de Janeiro, afetou o gramado do Maracanã e dificultou as coisas para os dois times. O primeiro tempo foi horroroso, a bola não rolava e nada de bom era feito. Na segunda etapa, São Pedro deu uma trégua e o gramado teve suas condições um pouco melhores. O Corinthians não se apresentou bem, novamente. A semana de treinamento de Ronaldo parece não ter surtido efeito algum, mesmo com um leve emagrecimento, o fenômeno está muito longe do ideal. Mesmo assim, o Corinthians perdeu algumas chances preciosas de abrir o placar e foi beneficiado quando o jogador Michael, do Flamengo, foi expulso de maneira correta. Eram 11 contra 10. Era a chance do Timão conseguir um bom resultado. Entretanto, quem se deu bem com a expulsão parece ter sido o Flamengo, que melhorou em campo e conseguiu marcar o gol, em pênalti sofrido por Juan e convertido por Adriano. A vantagem de 1 a 0 foi mínima, mas o importante foi o Mengão não ter tomado gols dentro de casa. Na partida da semana que vem, no Pacaembu, o Corinthians precisará vencer por dois gols de diferença para garantir a vaga nas quartas-de-final. É possível, mas o grupo de Mano Menezes precisa melhorar.

BANFIELD X INTERNACIONAL (Copa Libertadores)
Jogando em um estádio acanhado, o Internacional se complicou na Libertadores ao perder por 3 a 1 para o Banfield, atual campeão argentino. Na partida de volta, no Beira-Rio, quinta-feira que vem, o time brasileiro terá que vencer por dois gols de diferença. Mesmo mal organizado taticamente pelo treinador Jorge Fossati, o Inter merecia sorte maior, ao menos no quesito arbitragem. O árbitro do jogo deixou de marcar um pênalti para os gaúchos, validou um gol irregular para o Banfield e ainda expulsou o lateral esquerdo Kléber injustamente. O Colorado deve conseguir o resultado em casa, mas não será nada fácil.

ATLÉTICO-MG X SANTOS (Copa do Brasil)
O duelo dos ‘Meninos da Vila’ contra o técnico Vanderlei Luxemburgo era muito esperado. Quem se sairia melhor? O técnico ou os garotos? Na partida de ida, disputada ontem no Mineirão, o Galo levou a melhor e venceu por 3 a 2, com três gols do atacante Diego Tardelli. Robinho e Edu Dracena descontaram para o Peixe. Mesmo com a vitória, o resultado não foi maravilhoso para o Atlético-MG, principalmente por ter tomado dois gols em casa. Na Vila Belmiro, na semana que vem, uma vitória simples por 1 a 0 coloca o time do Dorival Júnior na semifinal da Copa do Brasil. É bem provável que o Santos siga adiante na competição.

Read Full Post »

A Copa do Brasil 2010 vai chegando à fase decisiva. Com os jogos disputados ontem e hoje, os confrontos das quartas-de-final estão definidos. E, diferente de outras edições, o torneio que leva o campeão para a Copa Libertadores do ano que vem, chega à reta final sem surpresas ou zebras. Todos os oito clubes que buscarão o título figuram na primeira divisão do Campeonato Brasileiro deste ano.

O Vasco foi o primeiro que se garantiu nas quartas, já que venceu o Corinthians-PR por 2 a 1. O adversário da equipe carioca é o Vitória, que se classificou ao empatar com o Goiás por 2 a 2. O Santos, por sua vez, perdeu para o Guarani por 3 a 2, mas como fez 8 a 1 na partida de ida, garantiu a vaga. O adversário dos ‘Meninos da Vila’ será o Atlético-MG do técnico Vanderlei Luxemburgo, que venceu o Sport por 2 a 0.

O Palmeiras obteve sua classificação ao empatar com o Atlético-PR por 1 a 1 e agora enfrentará o Atlético-GO nas quartas-de-final. O clube goiano, recém promovido à primeira divisão nacional, venceu os dois confrontos contra o Santa Cruz e carimbou a vaga. O Grêmio também vai disputar o título, já que eliminou o Avaí. O adversário da equipe gaúcha será o Fluminense, que passou pela Portuguesa com duas vitórias.

Das equipes postulantes ao título, apenas três já conquistaram o título nacional: Grêmio (1989, 1994, 1997 e 2001), Palmeiras (1998) e Fluminense (2007).

Veja os confrontos das quartas-de-final da Copa do Brasil:
Fluminense X Grêmio
Vitória X Vasco
Atlético-MG X Santos
Palmeiras X Atlético-GO

Read Full Post »

Essa é a pergunta que todos os palmeirenses gostariam de fazer para o presidente palestrino.

O ano de 2009 começou muito bom para o Verdão. Empolgado, os torcedores vislumbravam um ano perfeito com o presidente Luiz Gonzaga Belluzzo no comando do clube e o técnico Vanderlei Luxemburgo, comandando o time. A grande esperança era o jovem Keirrison e através de seus gols, a equipe terminou o Paulistão na primeira colocação e como favorita a conquista do título. Porém, com duas derrotas para o Santos na semifinal, o sonho do título terminou e gerou pequenos protestos, mas o importante, à época, era a Copa Libertadores. Entretanto, a equipe do Palestra Itália também foi eliminado da competição sul-americana e a chance de redenção seria o Campeonato Brasileiro.

Luxemburgo brigou com a torcida e com o presidente e foi embora. Belluzzo buscou o tricampeão Muricy Ramalho para levar a equipe ao fim do jejum no campeonato nacional – não vence desde 1994. Tudo parecia perfeito e, logo, o Palmeiras se encaixou, Diego Souza e Cleiton Xavier comandavam o time, Marcos era a segurança defensiva e no ataque, Obina e o ex-ídolo na campanha da série B, em 2003, Vagner Love, garantiam os gols. Após a metade da competição, o Verdão era apontado como o grande favorito para conquistar o título, depois de ficar 19 rodadas na liderança. Mas aos poucos, começou a perder pontos para equipes fracas e que figuravam na zona de rebaixamento do campeonato. Logo, a liderança foi perdida, assim como o título e, principalmente, o mais dolorido para todos no Palestra Itália, a vaga na Copa Libertadores desse ano. Como isso pode ter acontecido?

Muricy Ramalho não foi o mesmo treinador que era no São Paulo. Não teve o grupo nas mãos, não tinha peças de reposição para suprir as contusões e os atletas em má fase e, principalmente, não tinha uma zaga sólida como no Tricolor. Esses fatores fizeram o Palmeiras perder um título quase ganho. Mas o ano de 2010 prometia ser melhor. E até agora, não foi.

Logo no começo da temporada, Vagner Love, eleito como o ‘culpado’ pela derrocada no ano passado pela torcida organizada, foi agredido, pegou sua mala e partiu para o Flamengo. Enquanto isso, a diretoria tentava, tentava, tentava e não contratava ninguém, ao tempo que todos os rivais iam reforçando seus elencos. O Verdão ficou pra trás, perdeu o timing do mercado e ficou com o elenco praticamente igual o da temporada anterior.

Gilberto Cipullo queria a saída de Muricy há muito tempo, mas Belluzzo ainda confiava em seu treinador. Porém, com a derrota vexatória para o São Caetano em casa pelo Paulistão, a situação se tornou insustentável e o treinador foi demitido. A crise interna no Palmeiras aumenta a cada dia. Belluzzo parece não ter conseguido comandar a equipe do seu coração. Há muitas críticas e acusações da oposição e, por mais que negue, isso o balança. Outro fator que o incomoda é a enorme pressão da torcida organizada, que protesta muito, cobra sempre e as vezes age até com violência quando os resultados não aparecem. O que Belluzzo poderia fazer para tirar o Palmeiras dessa crise? Ele também não sabe e, após a demissão do antigo treinador, contratou o novato e inexperiente técnico Antônio Carlos Zago.

Logo na primeira partida dele no comando, a equipe venceu o clássico contra o São Paulo e colocou panos quentes na insatisfação da torcida. Ganhou do fraquíssimo Flamengo-PI e avançou na Copa do Brasil. Porém, no último domingo, mesmo sem condições de jogo, o Verdão foi derrotado pelo Rio Claro, até então lanterna do Paulistão. E tudo voltou à tona novamente. A torcida questiona se Antônio Carlos realmente é o técnico ideal, porque Diego Souza sumiu nos últimos meses e tantas outras coisas que enlouquecem o culto presidente.

O Palmeiras corre sérios riscos de não conseguir se classificar para as semifinais do campeonato estadual e terá concorrentes fortíssimos nas próximas fases da Copa do Brasil. O mercado se fechou e o Verdão quase não se reforçou. Qual seria a fórmula para sair dessa situação? Belluzzo deveria ser mais autoritário em suas decisões, chamar a responsabilidade para si, além de conversar com o elenco e pedir comprometimento dos jogadores. Outro problema será resolver o entrave com a parceira Traffic, que não aposta mais no Palmeiras depois das seguidas desilusões. E na janela do meio do ano, tratar de trazer reforços com mais qualidade para não fazer feio no Campeonato Brasileiro novamente. A situação é complicada, mas dá para resolver. Basta Belluzzo ter pulso firme e usar sua inteligência. O Palmeiras não está morto, mas precisa se cuidar para não ter o mesmo final melancólico do ano passado.

Read Full Post »

Older Posts »