Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Sérvia’

Antigamente, a profissão de técnico de futebol não era nada valorizada. Enquanto uma pequena parte dos jogadores ganhava bons salários, os treinadores eram personagens secundários em suas equipes ou seleções. Dos anos 90 para cá, muita coisa mudou. Além dos já conhecidos salários exorbitantes recebidos pelos jogadores, os técnicos também passaram a ser mais valorizados. O salário aumentou, a procura pelo cargo também, além da responsabilidade, obviamente.

Enquanto uns gostam de ser tratados como ‘manager’, casos esses de Vanderlei Luxemburgo e José Mourinho, outros preferem a alcunha de operários, como o atual treinador do Fluminense, Muricy Ramalho. Independente da qualidade de cada um, os treinadores sofrem. Quando ganham um título no comando de determinada equipe, são ofuscados pelos jogadores decisivos. Se perderem um jogo ou uma competição, logo têm sua qualidade colocada à prova, são chamados de ‘burro’ e, muitas vezes, perdem seus empregos por fracassos de seus comandados no gramado.

Na Copa do Mundo, a história é a mesma. Eles são contestados antes mesmo de o torneio começar. Primeiro por não levar esse ou aquele jogador. Depois, se não conseguirem os resultados esperados pelos dirigentes, patrocinadores e, principalmente, pela torcida, também são crucificados. A pressão sobre o pobre homem que fica se esgoelando na lateral do campo é absurda. Não basta ser um bom entendedor de futebol para ser técnico, é preciso suportar pressão de todos os lados. Jogadores que não toleram a reserva, outros que não conseguem desenvolver o mesmo papel sempre, além é claro da cornetagem da imprensa e da torcida.

Um número que evidencia bem essa afirmação vem da própria Copa do Mundo. Enquanto Uruguai, Holanda, Alemanha e Espanha ainda correm atrás do título, das outras 28 seleções que já foram eliminadas do torneio: 13 técnicos já foram demitidos, oito têm situação indefinida e, apenas sete devem continuar no cargo (veja abaixo a lista com a situação de cada treinador/seleção). Assim sendo, realmente é possível afirmar que ser técnico de futebol não é uma tarefa das fáceis, mesmo ganhando fortunas em alguns casos.

E você leitor, o que pensa sobre o assunto? Aliás, vale a pena ganhar tanto dinheiro e não ser reconhecido quase nunca? Opine!

TREINADORES DEMITIDOS
– Carlos Alberto Parreira (África do Sul)
– Javier Aguirre (México)
– Raymond Domenech (França)
– Huh Jung-Moo (Coreia do Sul)
– Otto Rehhagel (Grécia)
– Rabah Saadane (Argélia)
– Pim Verbeek (Austrália)
– Takeshi Okada (Japão)
– Paul Le Guen (Camarões)
– Marcello Lippi (Itália)
– Gerardo Martino (Paraguai)
– Dunga (Brasil)
– Sven-Göran Eriksson (Costa do Marfim)

TREINADORES COM SITUAÇÃO INDEFINIDA
– Lars Lagerbäck (Nigéria)
– Diego Maradona (Argentina)
– Bob Bradley (Estados Unidos)
– Milovan Rajevac (Gana)
– Ricki Herbert (Nova Zelândia)
– VladimíRr Weiss (Eslováquia)
– Marcelo Bielsa (Chile)
– Reinaldo Rueda (Honduras)

TREINADORES QUE CONTINUARÃO NO CARGO
– Fabio Capello (Inglaterra)
– Matjaz Kek (Eslovênia)
– Radomir Antic (Sérvia)
– Morten Olsen (Dinamarca)
– Kim Jong Hun (Coreia do Norte)
– Carlos Queiroz (Portugal)
– Ottmar Hitzfeld (Suíça)

Anúncios

Read Full Post »

Argentina 0 X 4 Alemanha

O duelo de duas potências do futebol mundial válido pelas quartas de final da Copa do Mundo tinha tudo para ser o grande jogo da competição. De um lado, uma Argentina empolgada e parecendo viver uma lua de mel com seu treinador Diego Maradona. Do outro, uma Alemanha renovada com um futebol rápido e envolvente. Porém, o que se viu no gramado do estádio Green Point, na Cidade do Cabo, foi uma avalanche alemã que atropelou os argentinos sem dó nem piedade e venceu facilmente por 4 a 0.

Antes mesmo do início da partida, Maradona deve ter se preocupado e rezado muito por seus defensores. Os resultados positivos contra seleções medianas até então, escondiam um problema crônico da atual Seleção Argentina: a defesa. O sistema defensivo formado por um goleiro fraco e zagueiros lentos, seria o prato cheio para a habilidade e velocidade dos jovens da Alemanha. E isso se comprovou logo aos dois minutos. Schweinsteiger cobrou falta pela esquerda, a zaga argentina ficou só olhando e Thomas Müller, de cabeça, antecipou o goleiro Sergio Romero para abrir o marcador. O começo fulminante dos europeus assustou os sul-americanos.

Prensados no campo de defesa, os argentinos não conseguiam criar jogadas ofensivas e esbarravam na forte marcação da Alemanha. Acusando o golpe, a Argentina quase levou o segundo gol aos 23 minutos. Müller fez boa jogada pela direita e rolou a bola para Klose, que finalizou para fora e desperdiçou grande oportunidade. Como não poderia deixar de ser, todas as tentativas dos argentinos passavam pelos pés de Messi, que recebia marcação de dois ou três adversários e, assim, não conseguia criar suas tradicionais jogadas.

Aos 33, num dos raros momentos interessantes, Higuaín recebeu a bola dentro da área, girou e bateu no canto, mas Neuer defendeu. No minuto seguinte, Messi cobrou falta e a bola bateu na barreira. No rebote, Heinze dominou e lançou para Tevez, que passou para Higuaín marcar o gol. Porém, o árbitro Ravshan Irmatov, do Uzbequistão, invalidou o tento acertadamente, já que Tevez e Higuaín estavam impedidos no lance.

O primeiro tempo terminou com a vantagem alemã. Assim, restavam 45 minutos para a Argentina melhorar seu futebol e tentar a virada. Entretanto, os planos dos sul-americanos foram ruíndo pouco a pouco. Com a postura diferente, os argentinos tiveram ao menos cinco chances de empatar o jogo até os 20 minutos, mas a falta de pontaria não assustou o goleiro alemão. Se aproveitando dos erros do rival, a Alemanha tratou de resolver o jogo. E o segundo gol saiu com imensa facilidade. Aos 22, Müller conseguiu tocar a bola mesmo caído para Podolski, que avançou sem marcação, esperou Klose se posicionar e só rolou para o artilheiro fazer o segundo dos germânicos.

Percebendo a fragilidade do adversário, os alemães sentiram que poderiam fazer mais gols. E fizeram mesmo. Aos 28 minutos, Schweinsteiger fez uma brilhante jogada pela esquerda, driblou três argentinos e, na saída do goleiro, só rolou para Friedrich mandar para o fundo do gol. O placar apontava 3 a 0 e cabia mais. Atônita, a Argentina sentiu o baque e passou a assistir o show da equipe de Joachim Löw. Aos 35, Podolski quase marcou o seu, em chute forte de fora da área bem defendido por Romero.

Mas aos 43 minutos, os argentinos não conseguiram escapar do quarto gol alemão. Em rápido contra-ataque, Podolski avançou com a bola, passou para Özil cruzar e encontrar Klose sozinho na área. O jogador, com a calma peculiar de um matador, tocou de primeira e fez o quarto. O gol fechou o caixão argentino neste Mundial, colocou o alemão na vice-artilharia do torneio, com quatro gols e, de quebra, atingiu à marca de 14 tentos na história das Copas do Mundo, se igualou ao seu compatriota Gerd Müller e ficou a apenas um gol de Ronaldo, o maior artilheiro de todas as competições.

A contundente vitória alemã provou que a renovação feita por Joachim Löw, de fato, foi positiva. Depois de um início avassalador na estreia da Copa, a Alemanha teve sua qualidade colocada à prova após perder para a Sérvia. Mas, de lá para cá, o que se viu foram grandes atuações dos germânicos. Thomas Müller e Özil são as grandes revelações do torneio, enquanto Podolski e Schweinsteiger são os maestros do time, além do já conhecido faro de gol do artilheiro Miroslav Klose. Assim, a equipe europeia aparece como a grande favorita para levar a taça neste ano e conquistar seu tetracampeonato.

Aos argentinos, só restam as lágrimas. O semblante de Maradona ao término da partida evidenciava o estrago que os alemães fizeram. O ex-jogador confiava demais na conquista de uma Copa do Mundo como treinador. Apostava em sua principal estrela, Lionel Messi, que nada fez no Mundial. A Argentina segue em sua sina de não conseguir um bom resultado sequer há 20 anos, desde a Copa da Itália, em 1990, quando foram derrotados pelos mesmos adversários de hoje na decisão.

Paraguai 0 X 1 Espanha

O jogo decisivo entre paraguaios e espanhóis no Ellis Park, em Joanesburgo, tinha um roteiro anunciado antecipadamente. Se tudo corresse dentro dos conformes, a Espanha venceria facilmente o Paraguai, que teve seu méritos ao chegar até as quartas de final, mas que, ao mesmo tempo, atingiu esta fase como a pior equipe entre as finalistas. Como o futebol é um esporte totalmente imprevísivel, os europeus estiveram perto de perder a vaga na semifinais e, depois de uma reviravolta, conseguiram vencer com muito suor o adversário por 1 a 0 e obtiveram a classificação.

O primeiro tempo da partida foi amarrado demais. Os paraguaios apresentaram novamente seu conhecido ferrolho e impuseram muitas dificuldades aos espanhóis. Dessa forma, nenhuma chance real de gol foi criada e os goleiros foram meros espectadores do jogo. Parecia que toda a emoção estava reservada para a segunda etapa.

Aos 11 minutos, Edgar Barreto cobrou escanteio da esquerda e, enquanto a bola viajava pela área, o zagueiro Piqué agarrou Cardozo. O árbitro não hesitou ao marcar o pênalti e o próprio Cardozo bateu e viu Iker Casillas defender. O atacante desperdiçou uma chance e tanto de ver sua equipe continuar fazendo história nos gramados da África do Sul.

Após a defesa da penalidade, Casillas lançou a bola para o campo de ataque e, de forma incrível, David Villa avançou e foi derrubado por Alcaraz dentro da área. O árbitro guatemalteco Carlos Batres exagerou e marcou outro pênalti. Xabi Alonso cobrou e fez o gol, mas o juiz mandou voltar por ter visto uma invasão na área. Assim, o espanhol cobrou de novo e Justo Villar defendeu. Em um minuto, o jogo chato se transformou e ganhou emoção para todos os gostos. Com os erros de Cardozo e Xabi Alonso, o placar persistiu e quem se saiu bem foram os goleiros.

Com tantas emoções, o jogo melhorou consideravelmente. O Paraguai resolveu sair de trás e a partida ficou aberta. Com a habitual troca de passes, os espanhóis foram com tudo em busca do gol. Aos 17, depois de rápido contra-ataque, Iniesta chutou colocado e Villar fez boa defesa. O gol saiu, enfim, somente aos 37 minutos. Depois de boa triangulação no meio campo, Fábregas tocou para Xavi, que passou para Iniesta. O jogador do Barcelona avançou, driblou dois paraguaios e rolou para Pedro chutar a bola na trave. No rebote, David Villa bateu de primeira e, caprichosamente, a bola tocou nas duas traves antes de entrar. Foi o quinto tento anotado por Villa na Copa do Mundo em cinco partidas disputadas. Assim, o atacante espanhol é o artilheiro isolado do torneio.

Depois de sofrer o gol, o time sul-americano não teve forças para reagir e, dessa forma, se despediu da Copa do Mundo de forma honrosa. Além de ter chegado às quartas de final pela primeira vez na história, os paraguaios venderam caro a derrota para a favorita Espanha, que segue firme no Mundial em busca do inédito feito. Com a vitória, a ‘Fúria‘ quebrou uma marca que já durava 60 anos. A primeira e única vez que os espanhóis chegaram a uma semifinal de Copa do Mundo, aconteceu no longínquo ano de 1950, quando a competição foi disputada no Brasil.

Assim, o que tinha tudo para ser uma Copa América com grife, cada vez mais se transforma numa Eurocopa. O clássico europeu entre Alemanha e Espanha vale uma vaga na decisão do Mundial e acontecerá na próxima quarta-feira (7/7), no estádio Moses Mabhida, em Durban, às 15h30. Os alemães tentam chegar à oitava final de Copa do Mundo, enquanto os espanhóis buscam a primeira.

Read Full Post »

Estados Unidos 1 X 0 Argélia

Os norte-americanos começaram a partida contra a Argélia na segunda posição do grupo C. Dependendo apenas de suas próprias forças para chegar às oitavas de final, nenhum jogador dos Estados Unidos imaginava o sofrimento e a dramaticidade que o confronto contra a inexperiente seleção africana teria. Depois de tanto tentar durante os 90 minutos, os ‘Yankees‘ conseguiram o gol da classificação na bacia das almas e venceram por 1 a 0, terminando na primeira posição da chave. Assim, os Estados Unidos chegam às oitavas de final pela terceira vez em Copas do Mundo, as outras aconteceram em 1994 e 2002.

Novamente a equipe do técnico Bob Bradley provou ter qualidades, assim como já havia demonstrado na Copa das Confederações, em 2009, e também nas outras partidas deste Mundial. Mas curiosamente, a primeira grande chance do jogo foi da equipe africana. Aos cinco minutos, Rafik Djebbour recebeu a bola na entrada da área e mandou uma bomba, que explodiu no travessão do goleiro Tim Howard. No minuto seguinte, os norte-americanos responderam com chute de Hercules Gomez, mas o goleiro M’Bolhi fez sua primeira boa defesa no jogo.

Melhor em campo, os Estados Unidos ficavam grande parte do tempo com a bola nos pés. Aos 19, aconteceu um lance polêmico. Num bate-rebate na entrada da área argelina, dois americanos foram derrubados, o árbitro aplicou a lei da vantagem e a bola sobrou para Gomez concluir e o goleiro defendeu. No rebote, a bola voltou para o pé do atacante e, com um chute torto, a pelota sobrou para Dempsey, que fez o gol. Porém, o juiz Frank De Bleeckere, da Bélgica, viu o assistente assinalar impedimento e invalidou o gol dos Estados Unidos. É óbvio que a decisão criou muita polêmica e reclamações.

Aos 34, Landon Donovan deu ótimo passe para Altidore, que invadiu a área e obrigou o goleiro a realizar outra defesa. No minuto seguinte, outro lance perigoso. O craque norte-americano tabelou com Bradley e tocou por cima na saída de M’Bolhi. A bola sobrou e Altidore e Donovan foram com tanta gana para o lance, que nenhum dos dois conseguiu concluir. Depois de ser pressionada por muito tempo, a Argélia saiu de trás e criou boas oportunidades nos minutos finais da primeira etapa, mas a falta de pontaria impediu que o gol saísse.

Na segunda etapa, a pressão dos Estados Unidos continuou. Aos 11, Altidore fez ótima jogada pela esquerda, deu um drible da vaca no adversário e rolou para Dempsey, que invadiu a área e chutou forte. A bola bateu na trave e sobrou para ele, que errou a conclusão novamente. Com a falta de pontaria dos centroavantes, o treinador dos ‘Yankees‘ colocou o brasileiro naturalizado norte-americano, Benny Feilhaber. Logo que entrou, o jovem fez linda jogada pela direita, passou por três marcadores e só parou com outra defesa do goleiro argelino. Aos 23, outra incrível chance desperdiçada. Dempsey cruzou e Edson Buddle cabeceou forte, mas M’Bolhi operou outro milagre e segurou a bola. Dez minutos depois, Michael Bradley cobrou falta e o goleiro argelino defendeu de novo. O jogo chegou aos 45 minutos e os Estados Unidos estavam se despedindo da Copa do Mundo, assim com a Argélia.

Quando o árbitro mostrou quatro minutos de acréscimo, o desespero invadiu os norte-americanos, que ainda quase sofreram um gol de cabeça, mas o goleiro Tim Howard defendeu e, rapidamente, ligou o contra-ataque. Donovan correu com a bola nos pés e deu para Altidore na direita. O atacante avançou, chutou rasteiro e o goleiro espalmou. No rebote, o próprio Donovan bateu e marcou o gol da classificação, aos 46 minutos da etapa final.

O jogo foi emocionante, com a Seleção Norte-Americana altamente superior, mas que esbarrou inúmeras vezes no bom goleiro da Argélia. Enquanto a seleção africana está eliminada, os norte-americanos além de obterem a vaga na próxima fase, ainda conseguiram se classificar na primeira posição do grupo C, já que fizeram dois gols a mais que a Inglaterra.

Eslovênia 0 X 1 Inglaterra

Os ingleses desembarcam na África do Sul prometendo boa campanha e sendo apontada como uma das favoritas ao título. Entretanto, com o fraco futebol apresentado nas duas rodadas iniciais, o que era confiança virou pessimismo e a classificação às oitavas de final ficou ameaçada. Para evitar o vexame, o ‘English Team‘ precisava vencer a Eslovênia, até então líder do grupo C. Com um desempenho um pouco superior, a Inglaterra venceu por 1 a 0 e terminou na segunda colocação da chave, carimbando o passaporte para a próxima fase.

O vencedor técnico Fabio Capello resolveu remodelar a escalação de sua equipe para não correr riscos. Tirou o zagueiro Carragher e deu a titularidade para Upson. Fez o mesmo com Milner no lugar de Lennon e com Defoe na vaga de Heskey. Porém, manteve Joe Cole, bom meia do Chelsea, no banco de reservas. De qualquer forma, o treinador fez seu time melhorar, já que desde o início do jogo os ingleses mandavam no meio campo e não davam espaços para os eslovenos. O chamado ‘dedo do técnico’ fez efeito aos 22 minutos, quando Milner avançou pela direita e cruzou a bola para a área. O atacante Jermain Defoe antecipou a zaga e mandou a bola para o fundo do gol, abrindo o placar.

Aos 29, quase a Inglaterra ampliou. Defoe chutou forte e goleiro Handanovic fez boa defesa. A bola sobrou no pé de Rooney, que entre três marcadores, achou o meia Gerrard, que bateu de primeira e obrigou o arqueiro a intervir novamente. Com a mudança de postura tática, os ingleses jogaram bem no primeiro tempo, com Rooney mais solto, trocando bons passes com Defoe e Gerrard.

O primeiro lance de perigo na segunda etapa veio aos 11 minutos, numa forte cabeçada de John Terry e ótima defesa de Handanovic. No minuto seguinte, Rooney recebeu a bola e, sozinho, na frente do goleiro, chutou-a na trave. Se o futebol apresentado pelo ‘English Team‘ não foi primoroso, também não deixou dúvidas quanto à superioridade ante a Eslovênia, que pouco fez durante a partida e não criou nenhuma chance real de gol.

Com o apito final do árbitro, os ingleses comemoraram a vaga nas oitavas de final e, até aquele momento, com o jogo entre Estados Unidos e Argélia empatado, os eslovenos estavam se classificando e ficaram dentro de campo esperando o jogo terminar. Com o gol norte-americano no último minuto, a Eslovênia foi eliminada da Copa do Mundo e alguns jogadores até choraram no gramado.

Austrália 2 X 1 Sérvia

O duelo decisivo entre a equipe da Oceania e os sérvios valia uma das vagas nas oitavas de final. Com o grupo D totalmente embolado, para a Sérvia bastava vencer, enquanto a Austrália precisava golear para avançar. Num jogo bom e bastante movimentado, os ‘Socceroos‘ venceram a Sérvia ‘apenas’ por 2 a 1 e as duas equipes morreram abraçadas, sendo eliminadas da Copa do Mundo.

A primeira chance do jogo saiu em uma jogada da Sérvia pela direita. Krasic avançou, entrou na área e chutou para boa defesa de Schwarzer. Aos 11, o mesmo Krasic desperdiçou outra chance. Em rápido contra-ataque, o jogador driblou o goleiro e incrivelmente chutou para fora. Mas aos 22 o que a Sérvia fez foi abusivo no quesito de perder gols. Em bola cruzada na área, Ivanovic recebeu e, sozinho, chutou forte, cara a cara com o goleiro da Austrália, que fez uma linda defesa e impediu o gol. Essas foram as principais oportunidades da primeira etapa, onde a Sérvia jogou bem e pecou demais nas finalizações. Os australianos fizeram uma apresentação tímida e se salvaram através das boas interceptações de Schwarzer.

Provando estar melhor em campo, a Sérvia voltou da mesma forma no segundo tempo, perdendo gols. Aos sete, Zigic fez linda jogada, dominou a bola na cabeça, se livrou do adversário e mandou a bola por cima da baliza. Como quem não faz toma, a Austrália começou a melhorar e levar mais perigo. Aos 13, Bresciano cobrou falta de muito longe e obrigou o goleiro Stojkovic a fazer boa defesa. Porém, aos 23 o goleiro sérvio não conseguiu evitar o pior. Wilkshire cruzou da direita e Tim Cahill, de cabeça, mandou a bola no canto, abrindo o placar. Quatro minutos depois, os ‘Socceroos‘ ampliaram. Brett Holman pegou a bola no meio, avançou um pouco e, de longe, chutou para marcar o segundo. Com o resultado, a Austrália precisava de mais dois gols para obter uma classificação heróica.

Entretanto, a equipe da Oceania perdeu poder ofensivo após abrir dois gols de diferença e a Sérvia cresceu no jogo. Aos 38, Tosic chutou de fora da área, o goleiro Schwarzer falhou e soltou a bola no pé de Pantelic, que só teve o trabalho de empurrar para a rede. Aos 41, o atacante australiano Josh Kennedy ainda jogou fora a chance de ampliar, errando a finalização na frente do goleiro adversário. A Sérvia cresceu no jogo e, se conseguisse o empate, obteria uma vaga às oitavas de final. Pressionou, tentou, avançou, mas na única chance real que teve para empatar, Pantelic isolou a bola na cara do goleiro e as chances acabaram.

Gana 0 X 1 Alemanha

Os alemães tiveram um começo arrasador no Mundial. Golearam a Austrália por 4 a 0 e terminaram a primeira rodada como grande sensação entre as favoritas ao título. Porém, dias depois a Seleção Alemã foi surpreendida e perdeu por 1 a 0 para a Sérvia, algo que já colocou a qualidade do elenco em dúvida. Para a última rodada do grupo D, os bávaros precisavam ao menos empatar com Gana para se classificar. Com ataques rápidos e insinuantes, a Alemanha venceu por 1 a 0, terminou na primeira posição e segue firme em busca do tetracampeonato. Os africanos, mesmo com a derrota, também avançaram e irão representar o continente na próxima etapa da Copa do Mundo, assim como já acontecera em 2006.

O primeiro gol da partida por pouco não saiu aos oito minutos. Lucas Podolski avançou pela esquerda e chutou cruzado para o meio da área. A bola desviou no zagueiro de Gana e tocou na trave antes de sair. A equipe africana não estava totalmente defensiva, como é costumeiro quando seleções menores enfrentam os gigantes do futebol. Os ‘Black Stars‘ não tiveram receio e também atacavam os alemães.

O jogo era lá e cá, tanto que a Alemanha perdeu uma chance incrível, aos 24. O jovem Ozil recebeu ótimo lançamento de Cacau, avançou e, de cara com o goleiro Kingson, conseguiu chutar em cima dele. O troco de Gana veio no minuto seguinte. Ayew cobrou escanteio na medida e o atacante Gyan desviou de cabeça, mas Lahm salvou a bola em cima da linha. A última oportunidade alemã na primeira etapa aconteceu aos 40 minutos. Schweinsteiger cobrou falta de longe, os vários jogadores que estavam dentro da área atrapalharam o goleiro ganense, que espalmou a bola nos pés de Ozil. O alemão chutou, mas a bola saiu por cima da meta.

No começo do segundo tempo, os africanos quase abriram o placar com Asamoah, que chutou em cima de do goleiro Neuer. Assim, o castigo veio aos 14. Müller fez boa jogada pela direita e tocou para Ozil, que ajeitou e, de esquerda, mandou um foguete para o gol. O goleiro Kingson nada pôde fazer e a Alemanha ficou em vantagem no placar. Assim, os bávaros ditaram o ritmo da partida e trocaram passes para o tempo passar. Gana ainda teve chance de empatar, mas a pontaria de seus jogadores continuou péssima e o gol não saiu.

O resultado foi benéfico para as duas equipes. A Alemanha terminou na liderança do grupo D com seis pontos (duas vitórias e uma derrota) e foi seguida por Gana, que obteve quatro pontos (uma vitória, um empate e uma derrota). Assim, os alemães vão fazer um clássico logo nas oitavas de final. A equipe do técnico Joachim Löw medirá forças com a Inglaterra, no próximo domingo (dia 27), em Bloemfontein, às 11h. Enquanto isso, os africanos enfrentarão os Estados Unidos, um dia antes, em Rustemburgo, às 15h30.

Read Full Post »

Por: Erik Rodrigues*

Holanda 1 X 0 Japão

Os dois líderes do grupo E se enfrentaram na cidade de Durban com o objetivo de garantirem a classificação para a próxima fase. A Holanda ainda sem Robben, o principal destaque do time e o Japão com a mesma formação da partida vitoriosa contra Camarões na estreia.

Mas o que parecia uma partida fácil para os europeus acabou se tornando penoso. Com um ataque sem inspiração e com muitos toques de lado, a Holanda pouco ameaçava o gol de Kawashima. Sneijder, Van Persie e Kuyt não se entendiam e as jogadas não saiam. O Japão marcava bem no meio de campo e chegava rápido na frente, sempre com o perigoso Okubo.

Com isso, a Holanda abusava de duas armas: a bola na área e os chutes de longa distância, tentados na maioria das vezes por Sneijder. Mas a marcação dos asiáticos era implacável. Apesar de só terem 31% da posse de bola, os japoneses levavam mais perigo. Em uma boa oportunidade, Honda cabeceou perto do gol e quase fez.

Na segunda etapa, parece que as equipes lembraram que quem ganhasse a partida estaria garantido na próxima fase. A “Laranja Mecânica” voltou mais ligada e começou ameaçando com Van Persie. Os holandeses estavam melhores e pressionavam pelos lados com Kuyt e o atacante do Arsenal. O gol era questão de tempo.

Aos oito minutos, Kuyt cruzou da direita e o brasileiro naturalizado japonês, Marcos Túlio Tanaka, afastou. A bola sobrou no pé de Van Persie, que percebeu a aproximação de Sneijder e ajeitou para o camisa 10, que bateu forte no canto direito. O goleiro Kawashima caiu no canto certo, mas o efeito ‘Jabulani’ entrou em cena e a pelota fez uma curva. O arqueiro japonês ainda espalmou, mas não conseguiu impedir o gol.

Com 1 a 0 no placar, a Holanda parou e privilegiou a marcação ao adversário. O Japão partiu pra cima e deu trabalho para o goleiro Stekelenburg, em dois bons chutes de Okubo. Mas também foi só, pois o time asiático temia os contra-ataques holandeses. O atacante Elia e o meia Affelay entraram no time e deram mais movimentação na frente aos holandeses. Porém, não conseguiram converter em gols as boas oportunidades criadas.

Com o resultado, a Holanda garantiu uma das vagas do grupo E. Na próxima rodada, dia 24, os holandeses encaram Camarões na Cidade do Cabo, enquanto o Japão enfrenta a Dinamarca em Rustemburgo, na briga pela segunda vaga do grupo.

Austrália 1 X 1 Gana

Pelo grupo D do Mundial, Gana e Austrália se enfrentaram na cidade de Rustemburgo. O que tinha tudo para ser um jogo morno e sem atrativos, acabou se tornando uma partida bastante movimentada.

Precisando se recuperar da goleada sofrida na estreia, a Austrália iniciou a partida no ataque. As investidas de Kewell pela esquerda levavam perigo ao gol de Kingson. A pressão deu resultado aos 11 minutos, quando Bresciano bateu falta e o goleiro ganês soltou a bola nos pés de Holman, que empurrou para as redes. Aí, aconteceu o que tem sido rotina nesta Copa do Mundo. Após fazer o gol, os “Socceroos” se firmaram na defesa e esperavam as chances de contra-ataque.

O time de Gana passou a tocar a bola e começou a pressionar. De tanto insistir, aos 25 minutos, Ayew fez o que quis pela direita, aliando técnica e raça no mesmo lance. Após passar por dois adversários, ele cruzou rasteiro para o meio da área e Mensah bateu de primeira. Em cima da linha, Kewell afastou com o braço, o juiz marcou pênalti e expulsou o atacante. Asamoah Gyan, o melhor jogador do time, bateu no canto esquerdo e empatou o jogo.

Os africanos se empolgaram e partiram pra cima dos australianos que, com um homem a menos, ficaram perdidos. Gyan comandava o ataque ganês e por pouco seu time não conseguiu a virada antes do intervalo.

No segundo tempo, a Austrália surpreendeu e equilibrou a partida. Mesmo com mais posse de bola, Gana não criava boas chances de gol e os australianos chegavam com perigo. Em um destes lances, Chipperfield cabeceou na pequena área e mandou pra fora. A jogada despertou os “Black Stars”.

Gyan, sempre ele, conduzia o time ao ataque, com velocidade e ousadia. Mas se ele tocasse mais a bola, talvez a equipe fosse mais beneficiada. Boateng também atacava e aos 25 minutos, os dois tabelaram bonito, mas Gyan chutou pra fora.

A Austrália resolveu então arriscar, e colocou em campo o atacante Kennedy no lugar de Holman. A alteração funcionou e aos 27 minutos, Wilkshire recebeu de frente para o goleiro, mas chutou por cima. A bola ainda sobrou para Kennedy, que bateu fraco e Kingson defendeu.

Nos últimos 15 minutos, os dois times diminuíram o ritmo, apesar de os australianos insistirem na base do desespero, mesmo que sem perigo. Com o resultado, Gana ficou em primeiro no grupo D com quatro pontos. Alemanha e Sérvia têm três, enquanto a Austrália tem um. Na próxima rodada, dia 23, Gana enfrenta a Alemanha no Soccer City, em Joanesburgo, e joga por um empate para seguir no Mundial. Os australianos encaram a Sérvia no mesmo dia, em Nelspruit.

Camarões 1 X 2 Dinamarca

Precisando da vitória para seguir no Mundial, Camarões e Dinamarca entraram em campo pela segunda rodada do grupo E. O time africano sofreu alterações a pedido de seus jogadores, que “conversaram” com o técnico francês Paul Le Guen. Os dinamarqueses também tinham novidade, com a volta do capitão Tomasson, recuperado de lesão.

A partida começou boa, com os camaroneses atacando com sua principal estrela, Samuel Eto’o. O jogador da Inter de Milão arriscou de fora da área, mas a bola foi por cima. Os europeus não deixaram por menos e responderam com Rommedahl. Até que Christian Poulsen saiu jogando errado e entregou a bola de graça para Webo. Ele levou pela esquerda e passou para Eto’o que, livre na área, abriu o placar para os “Leões Indomáveis”.

Com o gol, Camarões cresceu no jogo e permaneceu no ataque por mais dez minutos. Teve boas chances e trocou passes rápidos entre Webo, Eto’o e Emana. Mas o segundo gol não saiu e a Dinamarca voltou para o jogo.

Aos 16 minutos, Gronkjaer arriscou de fora da área, mas Nkoulou tirou de cabeça uma bola que certamente empataria a partida. Insistindo em jogadas rápidas, a Dinamarca alcançou a igualdade aos 33 minutos. O bom Rommedahl recebeu pela direita e cruzou rasteiro para Bendtner marcar.

O empate incendiou os minutos finais do primeiro tempo. Os dois times tiveram a chance de fazer o segundo gol, que não saiu por detalhe. O dinamarquês  Tomasson teve boa oportunidade, mas Nkoulou salvou mais uma vez. No contra-ataque, Eto’o bateu de esquerda e acertou a trave.

O segundo tempo começou mais lento, com as equipes trocando passes na intermediária. Aos 12 minutos, Camarões arriscou e Webo tabelou com Eto’o, mas mandou longe. Na sequência, veio o castigo. Novamente Rommedahl, o melhor jogador da Dinamarca, avançou pelo lado esquerdo da defesa adversaria, driblou Makoun e bateu de esquerda, virando o jogo. A “Dinamáquina” ainda teve a chance de marcar o terceiro, mas o capitão Tomasson perdeu ótima chance.

A derrota eliminaria os africanos, então os camaroneses foram com tudo para o ataque. As entradas de Idrissou e Aboubakar melhoraram o time, que jogava bolas para a área dinamarquesa. Aquela dramaticidade típica de Copa do Mundo entrou em campo. Emana e Eto’o tentaram de fora da área, pelos lados, pelo alto, mas não conseguiram o gol que manteria o time no Mundial. A defesa da Dinamarca trabalhou bem, com destaque para o bom zagueiro Daniel Agger.

Com a vitória, a Dinamarca segue na briga por uma vaga na próxima fase e enfrenta o Japão, em Rustemburgo, no dia 24, na disputa direta pela classificação. Já Camarões está eliminado da Copa do Mundo e só cumpre tabela com a Holanda, na Cidade do Cabo, no mesmo dia.

* Erik Rodrigues é jornalista e são-paulino.

Read Full Post »

Alemanha 0 X 1 Sérvia

De todas as seleções cotadas ao título do Mundial da África do Sul, a Alemanha foi a que melhor se saiu na primeira rodada do torneio. Os alemães jogaram bem contra a Austrália e golearam por 4 a 0, causando boa impressão. Entretanto, poucos dias depois, o cenário mudou completamente. O jogo de hoje contra a Sérvia foi totalmente negativo para os bávaros. Tiveram um jogador expulso, perderam um pênalti e também o jogo, por 1 a 0, complicando a situação na Copa do Mundo.

Com uma equipe superior, ao menos no papel, a Alemanha começou em cima dos sérvios e, logo aos seis minutos da primeira etapa, levou perigo. O lateral e capitão Lahm avançou pela direita, cruzou para a área, a zaga adversária tirou e, no rebote, Podolski pegou de primeira, assustando o goleiro Stojkovic. Depois disso, o que se viu foi um jogo truncado onde a bola pouco saia do meio campo. Aos 32 minutos, a Sérvia teve sua primeira chance, em falta cobrada por Kolarov, que passou perto da trave.

Aos 37 minutos ocorreu um lance crucial da partida. O atacante Miroslav Klose, que já havia tomado um cartão amarelo aos 12 minutos, fez falta por trás em Stankovic e o árbitro espanhol Alberto Undiano expulsou o alemão. Com um a menos, os comandados do técnico Joachim Löw sentiram o golpe e no minuto seguinte as coisas pioraram. Krasic foi à linha de fundo na direita e cruzou. Zigic ajeitou para Jovanovic, que, sozinho, fez o gol da Sérvia. Em desvantagem no placar, a Alemanha foi para cima e quase empatou nos acréscimos, quando Ozil levantou a bola na área, o goleiro sérvio rebateu para o meio da área e Khedira, sozinho, chutou a bola na trave, desperdiçando boa chance.

No início do segundo tempo, os alemães continuaram insistindo. Aos oito, Schweinsteiger bateu forte e Stojkovic defendeu. Três minutos depois foi a vez de Podolski perder outra chance, cara a cara com o goleiro. O próprio meia alemão desperdiçou outra oportunidade dois minutos mais tarde, chutando a bola na rede pelo lado de fora. Mas Podolski ainda faria coisa pior no lance seguinte. Em bola alçada na área, o zagueiro sérvio Nemanja Vidic colocou a mão na bola e o juiz marcou o pênalti. O camisa 10 da Alemanha bateu de perna esquerda e Stojkovic defendeu a primeira penalidade deste Mundial, para desespero dos alemães.

Com os bávaros desestabilizados, a Sérvia tratou de partir para cima em busca do segundo gol, que quase saiu aos 21 minutos, quando Krasic fez boa jogada pela direita e rolou a bola para Jovanovic, que chutou forte e a bola explodiu na trave. Sete minutos depois, Krasic cruzou e Zigic, de cabeça, mandou na trave novamente.

O jogo terminou e o que estava bem para a Alemanha, virou motivo de preocupação. Além de perder o jogo e seu principal atacante para a próxima partida, os alemães ainda viram a Sérvia jogar melhor e só não perderam de mais graças a falta de pontaria dos adversários.

A situação do grupo D é a seguinte: Alemanha, Sérvia e Gana somam três pontos, com vantagem para os africanos, que têm um jogo a menos, já que só enfrentarão a Austrália amanhã. Os australianos ainda não fizeram pontos na Copa do Mundo. Na última rodada, dia 23 (quarta-feira), a Alemanha enfrenta Gana, em Joanesburgo, e Sérvia e Gana duelam em Nelspruit, ambos às 15h30.

Eslovênia 2 X 2 Estados Unidos

O primeiro grande erro de arbitragem da Copa do Mundo aconteceu nesta sexta-feira. A seleção lesada foi a dos Estados Unidos, que empatou por 2 a 2 com a Eslovênia, mas teve um gol mal anulado no final da partida. O jogo entre norte-americanos e eslovenos pode ser analisado em duas partes: o primeiro tempo foi todo da equipe europeia, enquanto os ‘Yankees’ dominaram os últimos 45 minutos.

Os torcedores presentes no estádio Ellis Park puderam ver um belo gol, aos 13 minutos, quando o meia Birsa chutou de longe com efeito e acertou o canto do goleiro Tim Howard, abrindo o placar para a Eslovênia. Com bastante movimentação das duas equipes, o jogo era bom e emocionante. Os norte-americanos, que empataram na rodada inicial com a Inglaterra, precisavam do resultado, mas pareciam dispersos para alcançar o objetivo. Aproveitando-se disso, a Eslovênia fez mais um. A zaga dos Estados Unidos tentou fazer a famosa linha de impedimento, equivocou-se e deixou Ljubijankic livre para marcar o segundo, na saída do goleiro.

A primeira etapa terminou e no intervalo o técnico Bob Bradley deve ter dado aquele sermão tradicional em seus jogadores, afinal, logo aos três minutos do segundo tempo, o astro do futebol norte-americano, Landon Donovan, aproveitou um erro de saída de bola dos eslovenos, avançou pela direita e, de dentro da área, fuzilou o goleiro Handanovic, que nada pôde fazer. Os Estados Unidos se empolgaram com o gol e partiram para cima.

Com grande parte do estádio incentivando, aos 35 minutos veio o empate. O atacante Altidore ajeitou a bola para o meio da área e Bradley, filho do treinador Bob Bradley, tocou de primeira para igualar o placar. A reação dos norte-americanos já era boa, mas eles queriam mais. E conseguiram. Aos 39, Donovan cobrou falta na área e Maurice Edu, que havia entrado no segundo tempo, pegou de primeira e marcou um bonito gol. O árbitro Koman Coulibaly, de Mali, anulou a jogada erroneamente, prejudicando os Estados Unidos.

Mesmo com a infelicidade do trio de arbitragem, os norte-americanos saíram felizes pelo resultado, afinal, conseguiram empatar um jogo que parecia perdido. Para a Eslovênia, a partida teve sabor de derrota. Com o resultado, os ‘Yankees’ chegaram aos dois pontos, enquanto os eslovenos continuam na liderança do grupo C, agora com quatro pontos.

Inglaterra 0 X 0 Argélia

Ingleses e argelinos creditaram o insucesso da primeira rodada a seus goleiros: Green, da Inglaterra e Chaouchi, da Argélia, já que ambos falharam feio e tomaram ‘frangos’, prejudicando suas equipes. Desta forma, nenhum dos dois foi escalado para o segundo jogo, provavelmente por ‘deficiência técnica’, como costumam dizer os treinadores. Mas o que se viu hoje no estádio Green Point, na Cidade do Cabo, foi algo pior que isso. Em um jogo sonolento e chato, Inglaterra e Argélia empataram por 0 a 0 e se complicaram no grupo.

O que se viu em campo foi uma Inglaterra completamente desorganizada, com ótimos jogadores como Gerrard e Rooney apagados e a tradicional zaga inglesa dando sopa para o azar em diversos lances. Da Argélia, que pouco se espera, nada de novo. Mesmo com uma considerável melhora em relação a derrota para a Eslovênia, os argelinos não têm uma equipe forte, tanto que não levaram perigo aos ingleses. A decepção mesmo ficou por conta do ‘English Team’, apontado por muitos como franco favorito ao título e que, até agora, nada de relevante apresentou. Nem mesmo o bom técnico italiano Fábio Capello conseguiu alterar a estrutura de jogo da Inglaterra e isso pode custar caro na próxima rodada.

A Inglaterra somou seu segundo ponto, enquanto a Argélia conquistou o primeiro. Muito pouco, se levarmos em conta que duas partidas já foram disputadas e a Copa do Mundo é um torneio de tiro curto, onde não se pode recuperar o tempo perdido mais pra frente. O grupo C está todo embolado e todas as equipes ainda têm chances de avançar às oitavas de final. Na próxima quarta-feira (23/06), a líder Eslovênia encara a Inglaterra em Porto Elizabeth, precisando de apenas um ponto para obter a classificação. No mesmo dia, Estados Unidos e Argélia se enfrentam em Pretória. Os dois jogos estão marcados para às 11h.

Read Full Post »

Por: Erik Rodrigues*

Argélia 0 X 1 Eslovênia

Mais um jogo truncado e fraco tecnicamente nesta primeira fase. Assim foi Eslovênia x Argélia, que se enfrentaram no estádio Peter Mokoba, em Polokwane. O fato curioso foi a presença do craque Zinedine Zidane nas tribunas de honra. O ex-jogador francês é descendente de argelinos e foi apoiar o time, mas não levou muita sorte.

No primeiro tempo, a partida ficou basicamente centralizada no meio de campo. Prova disso é que cada time tinha apenas um atleta no ataque. A Argélia pressionou por meio da bola parada em duas oportunidades, mas sem levar muito perigo. Já a Eslovênia deu trabalho ao goleiro Chaouchi apenas aos 42 minutos. O sono era grande…

No segundo tempo, a partida continuou devagar. Confesso que cheguei a cochilar por uns dez minutos, mas tenho certeza que nada de importante aconteceu neste período. O jogo permaneceu o mesmo do primeiro tempo, lento e truncado pelo meio. Sem talentos individuais, ninguém tentava um lance mais ousado. Até que o atacante argelino Ghezzal, que tinha entrado no intervalo, foi expulso por ter colocado o braço na bola (ele já tinha levado o cartão amarelo ao dar um carrinho, no início da segunda etapa).

A Eslovênia se animou e partiu pra cima. Após pressão, o capitão Koren chutou de fora da área, sem muita força. Aí o bravo goleiro argelino Chaouchi tentou encaixar, mas a bola passou ao lado de seu corpo e foi para o fundo do gol. Não fosse esta falha, teríamos mais um 0x0 na Copa.

Surpreendentemente, a Eslovênia lidera o grupo C, já que Inglaterra e Estados Unidos empataram ontem. Na próxima rodada, dia 18, os eslovenos encaram os norte-americanos em Joanesburgo. E a Argélia joga contra a Inglaterra na Cidade do Cabo.

Gana 1 X 0 Sérvia

Finalmente um jogo mais animado neste domingo. Gana e Sérvia se enfrentaram no estádio Loftus Versfeld, em Pretória, para um público de 38.833 pagantes, a maioria deles torcedores da equipe africana. Ambos os times sabiam da importância da vitória, uma vez que estão no grupo da Alemanha e precisam somar o máximo de pontos possíveis até o confronto com os tricampeões mundiais.

No primeiro tempo, a Sérvia já ameaçava. Aos 12 segundos, Pantelic viu o goleiro Kingson adiantado e arriscou de longe, mas a bola foi pra fora. Gana respondeu em seguida, em chute de Annan, que foi pela linha de fundo. Após as investidas iniciais, a seleção africana dominou o meio campo e trocava bons passes, chegando mais perto do gol adversário. Asamoah levantou a bola na área e Mensah mandou para fora. Em outra jogada aérea, Gyan quase abriu o placar.

Percebendo que estava correndo sério risco, a Sérvia reagiu. O time europeu foi ao ataque e conseguiu três conclusões perigosas, mostrando que também poderia marcar. Stankovic, principal jogador sérvio, estava apagado e só arriscou um chute aos 38 minutos.

Na segunda etapa, Gana manteve as bolas levantadas na área. Ayew (filho do maior ídolo de Gana, Abedi Pelé) tinha mais liberdade e chegava com perigo. Parecia que o gol era questão de tempo, mas os erros de finalização se repetiam e deixavam a torcida apreensiva. O time da Sérvia se defendia, com destaque para o zagueiro Vidic, do Manchester United, que estava bem no jogo. Até que, aos 29 minutos, o zagueiro Lukovic recebeu o segundo cartão amarelo e foi justamente expulso pelo árbitro argentino Hector Baldassi. Com este cenário, o técnico Radomir Antic tirou o meia Jovanovic para colocar o defensor Subotic e recompor a defesa.

Mesmo com um a menos, a Sérvia criou boas oportunidades. Em uma delas, Krasic recebeu na área e bateu forte, obrigando o goleiro Kingson a se esforçar para evitar o gol. Ivanovic, lateral direito que joga no Chelsea, avançou pela direita e quase marcou. Como quem não faz toma, aos 37 minutos, após cruzamento na área, o sérvio Kuzmanovic tocou a bola com a mão e o juiz marcou pênalti. Gyan bateu firme e fez o gol da vitória.

O gol abateu o time da Sérvia que, com um a menos, não reagiu. A torcida de Gana comemorou muito a primeira vitória de uma equipe africana na primeira Copa do Mundo realizada no continente. Para comemorar o feito, os jogadores deram uma volta no gramado com a bandeira do país. Uma cena muito legal que mostra toda a empolgação dos africanos com o Mundial.

Alemanha 4 X 0 Austrália

A Alemanha estreou na Copa 2010 mostrando porque deve ser respeitada. Mesmo tendo perdido cinco jogadores no período de preparação, o time do técnico Joachim Löw teve e melhor estreia entre os favoritos ao título. No início da partida, a Austrália até teve uma boa chance, após cobrança de escanteio. Porém, aos oito minutos, Müller foi à linha de fundo e cruzou para trás. Podolski bateu de primeira e abriu o placar para os germânicos.

Ao contrario dos outros times, a Alemanha não se acomodou. Percebendo a fragilidade do adversário, os tricampeões mundiais continuaram atacando. Com o habilidoso Ozil pelo meio e o capitão Lahm pela direita, o segundo gol era questão de tempo. E ele veio aos 26 minutos, após cruzamento de Lahm, Klose completou de cabeça para a rede, marcando seu 11º gol em mundiais.

O meio campo alemão tomava conta do jogo e os australianos não reagiam. As boas trocas de passes entre Schweinsteiger, Ozil e Müller envolviam a defesa adversária. E 2 x 0 no primeiro tempo acabou sendo pouco.

Na segunda etapa, a Austrália melhorou a marcação e conseguiu conter o ânimo alemão. Mas aos 11 minutos, o principal jogador do time, Tim Cahill, deu um carrinho por trás em Schweinsteiger e foi expulso. O que já era difícil ficou praticamente impossível. Com um homem a mais, a Alemanha voltou a dominar e marcou o terceiro gol com Müller, após ótima troca de passes.

Com a partida ganha, o técnico Joachim Löw trocou alguns jogadores. E o brasileiro Cacau entrou no lugar de Klose, para marcar em seguida após bom passe de Ozil. Com o resultado, a Alemanha assumiu a liderança do grupo D pelo saldo de gols. Porém, o mais importante foi o futebol exibido no jogo de estreia. Ao contrario dos outros favoritos como Inglaterra e Argentina, os alemães mostraram que têm um bom conjunto e podem sim brigar pelo tetracampeonato.

Aqui vale uma informação interessante: durante a transmissão da partida pelo canal SporTV, o comentarista Maurício Noriega noticiou que, em conversa com jornalistas alemães, a maioria deles disseram que o elenco gostou do corte do meio campo Michael Ballack. Segundo a imprensa alemã, ele tinha problemas com o elenco e sua saída foi benéfica para o time, que se fechou para provar que pode fazer uma boa campanha na África do Sul.

Na próxima sexta-feira, a Alemanha enfrenta a Sérvia em Porto Elizabeth, enquanto a Austrália encara Gana em Rustemburgo, no sábado.

* Erik Rodrigues é jornalista e são-paulino.

Read Full Post »

Essa é a frase que estampará o ônibus da Seleção Brasileira na Copa do Mundo de 2010. Em anúncio veiculado pela FIFA nesta segunda-feira, foram apresentadas as frases de todos os 32 veículos que transportarão as equipes no mundial da África do Sul.

As frases foram enviadas por internautas durante três semanas e a votação dos slogans escolhidos foi realizada no site da entidade que rege o futebol no mundo.

Abaixo, veja a lista com as 32 frases:

África do Sul: Uma nação unida e orgulhosa sob um arco-íris
Alemanha: No caminho de ganhar a Copa!
Argélia: Estrela e crescente com um objetivo: Vitória!
Argentina: Última parada, a glória
Austrália: Ouse sonhar, avance Austrália
Brasil: Lotado! O Brasil inteiro está aqui dentro!
Camarões: Os leões indomáveis estão de volta
Chile: Vermelho é o sangue do meu coração, Chile campeão
Coréia do Norte: 1966 de novo! Vitória para a Coreia!
Coréia do Sul: Os gritos dos vermelhos, República da Coreia Unida!
Costa do Marfim: Elefantes, vamos lutar pela vitória!
Dinamarca: Tudo de que você precisa é um time dinamarquês e um sonho
Eslováquia: Balance o campo verde: Vá Eslováquia!
Eslovênia: Com 11 corações valentes até o fim
Espanha: Esperança é o meu caminho. Vitória, meu destino
Estados Unidos: Vida, liberdade e a busca pela vitória!
França: Todos juntos por um novo sonho em azul
Gana: A esperança da África
Grécia: A Grécia está em todos os lugares
Holanda: Não tema os 5 grandes, tema os 11 laranjas
Honduras: Um país, uma paixão e 5 estrelas no coração
Inglaterra: Jogando com orgulho e glória
Itália: O nosso azul no céu da África
Japão: O espírito samurai nunca morre! Vitória para o Japão!
México: É tempo de um novo campeão!
Nigéria: Super Águias e super fãs unidos, nós acreditamos
Nova Zelândia: Chutando no estilo Kiwi
Paraguai: O leão guarani ruge na África do Sul
Portugal: Um sonho, uma ambição… Portugal campeão!
Sérvia: Jogando com o coração, andando com um sorriso!
Suíça: Vamos, Suíça! (nas quatro línguas oficiais do país)
Uruguai: O sol brilha sobre nós! Vamos, Uruguai

Read Full Post »

Older Posts »