Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Raúl Meirelles’

Coreia do Norte 0 X 3 Costa do Marfim

Os marfinenses chegaram ao Mundial como uma das melhores seleções africanas, mas caíram num grupo difícil com Portugal e Brasil. Com dois resultados negativos nas rodadas iniciais, a Costa do Marfim chegou à última rodada precisando de um milagre para obter a classificação. Como isso não aconteceu, os marfinenses fizeram sua parte, venceram a Coreia do Norte por 3 a 0 com ampla superioridade e pelo menos se despediram da Copa do Mundo de cabeça erguida.

A qualidade dos africanos era tão evidente que com menos de um minuto de jogo já surgiu a primeira chance. Keita recebeu a bola, invadiu a área e, sozinho, chutou em cima do goleiro Ri Myong Guk. Outras oportunidades foram criadas e, aos 10, Gervinho avançou pela esquerda e bateu cruzado. A bola caprichosamente rolou pela linha e saiu. Com 13 minutos, enfim, saiu o gol. Boka cruzou rasteiro, Touré dominou e bateu colocado para abrir o placar. Três minutos depois, os marfineses quase ampliaram em chute de longe de Romaric, que triscou na trave norte-coreana.

Porém, o segundo gol saiu aos 19 minutos. Em bola cruzada na área, Drogba dominou bem, girou e fuzilou, mandando a bola no travessão. No rebote, Romaric subiu mais que a zaga adversária e, de cabeça, ampliou o placar. Aos 30 os marfinenses desperdiçaram a chance do terceiro com uma conclusão errada de Keita. O mesmo fez Gervinho um pouco depois, perdendo um gol feito.

A segunda etapa começou como terminou a primeira, num jogo entre ataque e defesa. Aos 22 minutos, Romaric chutou forte de fora da área e obrigou o goleiro norte-coreano a fazer boa defesa. Somente aos 35 a Coreia do Norte conseguiu levar perigo pela primeira vez. Jong Tae-Se, o ‘Rooney Asiático’, recebeu a bola em posição duvidosa, invadiu a área, dividiu com o goleiro Barry e, no rebote, chutou em cima do zagueiro. No minuto seguinte, Boka levantou a bola na área e, de primeira, Kalou marcou o terceiro e deu números finais ao confronto.

Portugal 0 X 0 Brasil

O objetivo da Seleção Brasileira foi atingido. Num grupo difícil, a ideia era terminar na primeira posição e conseguir ficar do lado mais ‘fácil’ da chave nas oitavas de final, evitando fortes equipes como Argentina, Alemanha ou Inglaterra e a própria Seleção Portuguesa. Em um jogo feio, com alto congestionamento no meio de campo e muitas faltas dos dois lados, brasileiros e portugueses empataram em 0 a 0 e ambos conseguiram a classificação para a próxima fase.

Com a escalação de Nilmar no lugar de Robinho, Dunga supreendeu, mas manteve o mesmo esquema de jogo. Daniel Alves substituiu o lesionado Elano e Julio Baptista ficou com a vaga do suspenso Kaká. No início da partida, o Brasil dominava o meio, mas não levava perigo ao gol de Eduardo. Com o nervosismo das equipes, o árbitro começou a distribuir cartões amarelos. Antes dos 25 minutos, três jogadores já haviam sido punidos (Luís Fabiano e Juan para o Brasil e Duda para Portugal).

A grande chance da primeira etapa aconteceu aos 30 minutos. Luís Fabiano deu um despretencioso cruzamento para a área e a zaga lusitana vacilou. Nilmar apareceu e concluiu sem ângulo, obrigando o goleiro Eduardo a fazer boa defesa e a bola ainda bateu na trave antes de sair. O atacante do Villareal se movimentava bastante e era o único que levava perigo aos portugueses. Aos 36, Nilmar deu um chapéu no adversário e concluiu de primeira, isolando a bola. Aos 38, enfim, Luís Fabiano apareceu. Maicon avançou pela direita e cruzou para o Fabuloso, que antecipou o zagueiro e cabeceou com perigo.

O primeiro tempo foi fraco tecnicamente e, para piorar, o nervosismo se transformou em jogadas mais ríspidas que obrigaram o árbitro Benito Archundía a amarelar alguns atletas. Felipe Mello, por exemplo, recebeu dura entrada do luso-brasileiro Pepe e, como era de se esperar, minutos depois deu o revide de forma bruta. Resultado? Ambos levaram o cartão amarelo e Dunga resolveu tirar o brasileiro, já que a expulsão era questão de tempo. Em seu lugar, entrou o volante Josué.

No segundo tempo, a Seleção Brasileira piorou ainda mais seu rendimento e deixou Portugal mandar no jogo. Logo aos dois minutos, Cristiano Ronaldo avançou pela esquerda, mas foi bem interceptado pelo zagueiro Lúcio. Aos seis, o astro do Real Madrid cobrou falta, a bola desviou em Pepe e por pouco não traiu o goleiro Júlio César. Cristiano Ronaldo, que jogava sozinho no ataque por opção de Carlos Queiroz, tentava resolver sozinho a partida. De onde pegava a bola, tentava o chute para se aproveitar do tal ‘efeito Jabulani’.

Com muita posse de bola, os portugueses continuavam insistindo. Aos 14, Cristiano Ronaldo partiu para cima e Lúcio, tentando intervir, tocou a bola cruzada para o meio da área brasileira. Raúl Meirelles ficou sozinho, cara a cara com Júlio César, mas viu o arqueiro da Inter de Milão sair muito bem do gol e evitar que o placar fosse aberto. O Brasil jogava muito mal. Júlio Baptista nada fez no jogo e foi substituido, tardiamente, por Ramires. Luís Fabiano, que também não conseguiu um bom domínio de bola, saiu para a entrada de Grafitte. Nada mudou, a não ser a última boa chance do jogo, em um chute de Ramires que desviou na zaga lusitana e obrigou o goleiro Eduardo a fazer uma bela defesa de mão trocada.

Para o bem do futebol, o juiz terminou a partida. Muito se esperava deste duelo e pouco se viu dentro de campo. Jogo fraco tecnicamente, com duas equipes pouco inspiradas e que jogaram apenas para cumprir tabela, já que Brasil e Portugal já estavam classificados. A Seleção Brasileira terminou na liderança do grupo G com sete pontos (duas vitórias e um empate), enquanto os portugueses ficaram com a segunda vaga, somando cinco pontos (uma vitória e dois empates).

Suíça 0 X 0 Honduras

Os suíços tinham a faca e o queijo na mão. No duelo contra a equipe da América Central, precisavam apenas vencer para avançarem às oitavas de final da Copa do Mundo. Mas num jogo muito fraco tecnicamente, a Suíça mostrou novamente ter um sistema defensivo sólido, mas esbarrou na falta de ofensividade, já demonstrada há um bom tempo, e ficou no 0 a 0, resultado que eliminou as duas seleções.

A falta de qualidade das duas equipes pesou desde o início. O único lance perigoso da primeira etapa aconteceu aos 16 minutos, quando Barnetta cruzou para a área e Derdyiok cabeceou rente a trave. Esse foi o primeiro tempo. Só isso? Sim, apenas isso. Suíços e hondurenhos bem que tentaram, tiveram força de vontade e física, mas a falta de qualidade técnica brecou qualquer iniciativa.

É óbvio que no segundo tempo as coisas pouco mudaram. O único diferencial foi que o jogo ficou mais aberto, já que a Suíça saiu de trás para buscar o gol que lhe daria a classificação e deixou espaços na defesa, chamando os hondurenhos para o contra-golpe. Aos oito, Alvarez fez boa jogada, driblou o adversário e cruzou na medida para David Suazo, que cabeceou para fora, mas a bola passou bem perto. A resposta dos suíços veio aos 16, em jogada de Barnetta e boa defesa de Noel Valladares. Dois minutos depois, o goleiro hondurenho precisou intervir novamente e defendeu um chute rasteiro de Derdyiok.

No contra-ataque, Honduras até levava perigo, como fez aos 26, quando Suazo avançou com a bola e passou com açúcar para Alvarez, que chutou e viu o goleiro Benaglio fazer ótima defesa. Dez minutos depois o atacante Frei cruzou e Derdyiok, no primeiro pau, tentou pegar de primeira e deu uma incrível furada. Nada melhor para definir o jogo. As duas equipes não apresentaram quase nada e se despediram do Mundial.

Chile 1 X 2 Espanha

O confronto de língua espanhola era vida ou morte para espanhóis e chilenos. A Espanha, que chegou muito badalada à África do Sul, decepcionou e precisava realizar uma boa partida para voltar a ter força. O Chile, por sua vez, chegou como mero coadjuvante e se destacou vencendo os dois primeiros confrontos, algo que, mesmo assim, ainda não havia garantido a equipe no mata-mata. Assim, a ‘Fúria‘ venceu os chilenos por 2 a 1 num jogo bem disputado, terminou na liderança do grupo H e, de quebra, levou o adversário para a próxima fase também.

A partida foi bastante corrida desde o início. Com equipes leves, Espanha e Chile tentavam furar o bloqueio adversário com a bola no chão, tocando muito e com alguma velocidade. A primeira chance do jogo foi de ‘La Roja‘. Aos nove, o ex-palmeirense Valdivia começou a jogada, tocou para Beausejour, que cruzou rasteiro para o meio da área e González concluiu de forma bizarra, mandando a bola para muito longe.

Entretanto, os chilenos sofreram o primeiro golpe em um erro cometido por Valdivia, que tentou fazer graça no campo de ataque e perdeu a bola para o zagueiro Piqué. O jogador do Barcelona deu um lançamento em profundidade para Fernando Torres e o goleiro Claudio Bravo saiu desesperado, sem necessidade, na intermediária para tentar tirar a bola de carrinho. David Villa agradeceu e, de primeira, chutou para marcar um belo gol e abrir a contagem.

Com o gol a Espanha cresceu e partiu para cima. O segundo tento aconteceu aos 36 minutos. Iniesta puxou o contra-ataque, trocou passes com Villa e mandou para o gol com categoria, marcando o segundo gol espanhol. Além disso, o lance chamou atenção por outro motivo. Enquanto os espanhóis desenvolviam a jogada, fora do lance o atacante Fernando Torres tropeçou no pé de Estrada, a jogada prosseguiu e o árbitro assinalou o gol. Porém, enquanto os jogadores da ‘Fúria‘ comemoravam, o juiz Marco Rodriguez, do México, foi atrás de Estrada que já tinha amarelo e expulsou o chileno, causando indignação nos jogadores. De fato, o árbitro se equivocou absurdamente.

Com a vantagem no placar, parecia que a Espanha venceria o jogo facilmente com uma goleada. Entretanto, mesmo em desvantagem e com um homem a menos, o Chile surpreendeu no início da segunda etapa. O treinador Marcelo ‘El Loco’ Bielsa tirou o inoperante Valdivia de campo e colocou Rodrigo Millar em seu lugar no intervalo. No primeiro lance efetivo dos últimos 45 minutos, Millar recebeu a bola de Alexís Sánchez e chutou da entrada da área. A bola desviou em Piqué e traiu Casillas, que nada pôde fazer.

Daí para frente, as duas equipes diminuíram o ritmo e pouco fizeram. Ambos pareciam estar satisfeitos com o resultado e assim ficou até o final. A Espanha terminou na liderança do grupo H com seis pontos (duas vitórias e uma derrota) e, dessa forma, enfrentará Portugal nas oitavas de final. O clássico europeu dos países vizinhos, acontecerá na próxima terça-feira (dia 29), na Cidade do Cabo, às 15h30.

O Chile, por sua vez, fez a mesma pontuação que a ‘Fúria‘, mas ficou na segunda posição por ter marcado um gol a menos. Os comandados de ‘El Loco’ Bielsa enfrentarão o Brasil na próxima fase, dia 28 (segunda-feira), no estádio Ellis Park, em Joanesburgo.

Read Full Post »

Portugal 7 X 0 Coreia do Norte

A Seleção Portuguesa fez o que se esperava do Brasil na estreia do Mundial. Enfrentou a equipe mais fraca do torneio, não titubeou e, mesmo encontrando dificuldades no início da partida, ganhou por 7 a 0 dos asiáticos. O grande destaque da partida foi o técnico Carlos Queiroz, que não gostou do empate sem gols contra os marfinenses no primeiro jogo e alterou quatro jogadores para o duelo desta segunda-feira. As substituições surtiram efeito, tanto que Tiago, Simão Sabrosa e Hugo Almeida, que ficaram no banco de reservas na estreia, marcaram quatro gols e contribuíram muito para a maior goleada desta Copa do Mundo.

A primeira chance real do jogo foi de Portugal. Aos seis minutos, Pedro Mendes subiu mais que a zaga norte-coreana e, de cabeça, mandou a bola na trave. Era apenas o prenúncio do que viria pela frente. Porém, aos 17 minutos a Coreia do Norte respondeu em boa jogada de Hong Yong-Jo, que obrigou o goleiro Eduardo a fazer boa defesa. Diferentemente do que fez contra o Brasil, os norte-coreanos eram mais ariscos. Perderam o medo de ficar somente na defesa e chegaram mais vezes ao ataque, mas isso deixava o setor defensivo bastante desguarnecido.

Debaixo de muita chuva, os portugueses começaram a trabalhar mais a bola e o resultado foi instantâneo. Aos 28 minutos, Tiago deu passe precioso para Raúl Meirelles, que, emendou de primeira na saída do goleiro, e abriu o placar. Os gajos ainda tiveram outras chances, mas o placar ficou assim mesmo na primeira etapa.

No segundo tempo o show começou. Aos sete, Raúl Meirelles rolou para Simão, que chutou no meio das pernas do goleiro e fez o segundo. Dois minutos depois, Fábio Coentrão avançou e cruzou na cabeça de Hugo Almeida. Outro cinco minutos mais tarde e saiu o quarto gol. Cristiano Ronaldo fez boa jogada e deixou Tiago livre para marcar, de primeira. A Coreia do Norte estava entregue e mais gols ainda sairiam. Aos 35, o luso-brasileiro Liedson, que havia acabado de entrar, viu o zagueiro falhar e a bola sobrar livre em sua frente. O ex-corintiano encheu o pé e aumentou a goleada.

Aos 41, enfim, Cristiano Ronaldo conseguiu fazer o seu gol. Depois de ter tentado inúmeras vezes no jogo arriscando muitos chutes para o gol, o astro do Real Madrid contou com a sorte. Liedson ganhou da zaga e a bola sobrou para Cristiano Ronaldo, que tentou driblar o goleiro, ficou procurando a bola e, sem querer, ajeitou-a com a nuca e chutou para marcar o sexto. Ainda deu tempo de Fábio Coentrão dar mais uma assistência e Tiago marcar o seu segundo gol, o sétimo e último dos portugueses.

Com a vitória, a Seleção Portuguesa chegou aos quatro pontos e à vice-liderança do grupo G, atrás do Brasil, que tem seis. O próximo duelo será entre as duas equipes e a primeira colocação da chave estará em jogo. A partida acontecerá na sexta-feira (25/06), às 11h, em Durban. A seleção da Costa do Marfim, que ainda tem remotas chances de chegar as oitavas de final (precisa torcer pelo Brasil e ainda fazer muitos gols em seu jogo), encara a Coreia do Norte, em Nelspruit, no mesmo dia e horário.

Chile 1 X 0 Suíça

A vitória chilena não foi fácil. Mesmo com um homem a mais durante grande parte do jogo (Behrami foi expulso aos 30 minutos do primeiro tempo, depois de acertar o rosto de Vidal duas vezes), o Chile esbarrou na (quase) instransponível zaga suíça, que não sofria um gol há 559 minutos em Copas do Mundo, algo que, inclusive, fez o time europeu bater o recorde de tempo sem ser vazado em mundiais, antes pertencente a Itália, com 550 minutos de invencibilidade.

O jogo começou muito truncado e o árbitro Khalil Al Ghamdi, da Arábia Saudita, mostrou logo de cara toda a sua inexperiência. Desde o primeiro minuto, o juiz desandou a distribuir cartões amarelos. Os sul-americanos jogavam no ataque, enquanto os europeus apenas se defendiam. O jogo era chato pelo número excessivo de faltas cometidas pelas equipes. Assim, a etapa inicial foi violenta e com poucos lances de perigo.

Os últimos 45 minutos seriam decisivos para o Chile, que não conseguia fazer valer a superioridade numérica. Os comandados de Marcelo ‘El Loco’ Bielsa vieram determinados a conseguir ao menos um gol para não depender de resultado positivo contra a Espanha, na última rodada. Depois de tanto tentar, aos 29 minutos, Valdivia, que entrou no segundo tempo, encontrou Paredes no meio da defesa – em posição de impedimento -, o meia avançou, driblou o goleiro Benaglio, perdeu o ângulo para chutar e, então, cruzou e achou Mark Gonzalez livre para marcar de cabeça.

A partida não foi das melhores, tanto que o árbitro aplicou nove cartões amarelos (seis para o Chile e o restante para a Suíça) e um vermelho, anotou inúmeras faltas (19 cometidas pelos chilenos e 26 pelos suíços), além dos excessivos erros de passes (133 pela seleção sul-americana e 131 pelos europeus). A vitória deixou o Chile com seis pontos no grupo H, assumindo a liderança isolada. A Suíça, por sua vez, estacionou nos três pontos, mas ainda tem chances de chegar as oitavas de final.

Espanha 2 X 0 Honduras

Depois da decepção da estreia, a Espanha tinha obrigação de vencer o jogo contra Honduras para não se complicar no Mundial. Com uma disparidade técnica amplamente superior, os espanhóis tomaram conta do jogo, golearam nas estatísticas e venceram, só, por 2 a 0. Enquanto a ‘Fúria’ tem grandes chances de passar à próxima fase, só um milagre livrará os hondurenhos da eliminação na primeira fase.

Dominando o meio de campo, não demorou muito para a Espanha levar perigo. Aos sete minutos, David Villa viu o goleiro Valladares adiantado e tentou encobri-lo, mas a bola bateu na trave. O atacante espanhol não desistiu e, dez minutos depois, abriu o placar da partida. Villa recebeu a bola na esquerda, driblou dois marcadores, entrou na área e fintou outro zagueiro, antes de concluir com perfeição e a bola entrar no ângulo. Um golaço!

Enquanto Villa fazia seu papel, seu companheiro de ataque, Fernando Torres, ia perdendo gol atrás de gol. Em certos momentos, os erros cara a cara com o goleiro pareciam até eram motivados por desdém dos espanhóis para com os hondurenhos. O atacante do Liverpool teve pelo menos cinco chances claras de gol e, de todas as formas, de cabeça, de pé direito, de pé esquerdo, de dentro da pequena área e da marca do pênalti, ele conseguiu errar todos.

Se Torres falhava na hora H, Villa fazia o contrário. Aos cinco minutos da segunda etapa, o recém-contratado atacante do Barcelona, recebeu bom passe de Jesús Navas e, de fora da área, mandou uma bomba, que ainda desviou no zagueiro antes de entrar para o gol. Mas até Villa, que já tinha feito dois gols na partida, teve seu momento de Torres. Jesús Navas sofreu pênalti e Villa teve a chance de fazer seu hat-trick e se igualar com o argentino Higuaín na artilharia da Copa do Mundo, mas o espanhol desperdiçou a cobrança, chutando para fora.

Depois disso, a Espanha continuou perdendo inúmeros gols e perdeu a chance de aumentar seu saldo de gols, visando não correr riscos na última rodada. Para se ter uma ideia da superioridade da equipe de Vicente Del Bosque, os números retratam: a ‘Fúria’ deu 26 dribles contra 13 de Honduras; 12 escanteios contra três; 22 finalizações ante apenas nove; e 57% de posse de bola a favor dos espanhóis. Uma verdadeira goleada nos números, não nos gols anotados.

Com o resultado, a Espanha somou seus primeiro três pontos no Mundial e atingiu a segunda colocação no grupo H, atrás do Chile, que tem seis e na frente da Suíça, que soma os mesmo três pontos que os espanhóis, mas perde no saldo de gols. Honduras ainda não pontuou. No próximo dia 25 (sexta-feira), acontecem os dois últimos confrontos da chave: Chile X Espanha, em Pretória e Suíça X Honduras, em Bloemfontein, ambos às 15h30.

Read Full Post »