Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Pará’

Os dois jogos que decidiram o Campeonato Paulista de 2010 foram realmente sensacionais. Santos e Santo André fizeram jus ao torneio mais disputado do país e empolgaram o público, até mesmo os torcedores de outras equipes. Depois de vencer o primeiro jogo por 3 a 2 e ampliar a vantagem, o Santos perdeu hoje por 3 a 2 para o Ramalhão e mesmo assim conquistou o 18º título estadual de sua história.

O jogo no Pacaembu começou quente. Aliás, muito quente. Logo aos 30 segundos do primeiro tempo, o atacante Nunes abriu o placar para o Santo André, depois de ótimo passe de Branquinho para o lateral Cicinho, que driblou Felipe e tocou para o artilheiro marcar o gol. Foi uma pequena mostra que do que o time do ABC faria no jogo.

Entretanto, o Santos não tem o melhor ataque do mundo em 2010 à toa. Aos sete minutos, Marquinhos achou Robinho dentro da área e o ‘Rei das Pedaladas’ deu um incrível passe de letra no alto para Neymar. O jovem atacante recebeu, driblou toda a zaga adversária e fez um belo gol, empatando o jogo.

A partida era disputada de uma forma rápida, com ataques para os dois lados. E por pouco o Santo André não ampliou o placar aos 16 minutos, quando Branquinho arriscou um chute e a bola caprichosamente explodiu na trave.

Os comandados de Sérgio Soares estavam impossíveis e partiam para cima do adversário. Tanto que no minuto seguinte marcaram o segundo gol após Carlinhos cruzar para a área e Rodriguinho fazer de cabeça. Porém, a auxiliar Maria Elisa ergueu a bandeira e anotou impedimento inexistente. Prejuízo para o time do ABC.

O erro da arbitragem não abalou o Ramalhão. Bruno César, de novo ele, cobrou escanteio e o volante Alê mandou de cabeça para a rede aos 20 minutos.

A partida pegou fogo de vez aos 22 minutos, quando Neymar cavou mais uma falta e Alê repreendeu o jovem santista. O tumulto se generalizou, empurra daqui, empurra dali e todos querendo falar mais alto que o árbitro. Nunes e Léo bateram boca e se xingaram na lateral do campo, ampliando a discussão. Para não perder as rédeas do jogo, o juiz Sálvio Spinola expulsou os dois.

Emocionante, o jogo prosseguiu alguns minutos depois. Mas o incêndio estava instaurado. Para melhorar ainda mais, o Peixe buscou o empate novamente. Robinho tocou para Ganso, que maravilhosamente deu um passe de letra milimétrico para Neymar, sozinho, marcar o segundo santista. Foi o centésimo gol dos ‘Meninos da Vila’ na temporada, em apenas 30 jogos disputados. Uma maravilha!

Aos 39 minutos, o meia Marquinhos perdeu a cabeça e deu uma dura entrada por trás em Branquinho, lance que ocasionou a expulsão do jogador santista. Agora eram 9 contra 10 e o jogo estava empatado. Era a hora do Santo André atacar e fazer jus ao homem a mais que tinha em campo.

Determinada, a equipe fez o que dela se esperava. Bruno César fez uma linda jogada no meio-campo, puxou o contra-ataque, tabelou com o lateral Carlinhos e deixou Branquinho livre para marcar o terceiro do Ramalhão, aos 43 minutos.

O primeiro tempo terminou e a vantagem era andreense. Depois de um grande jogo na primeira etapa, os 45 minutos finais tinham tudo para confirmar um jogo épico num Pacaembu lotado por mais de 36 mil torcedores.

O segundo tempo começou da mesma forma que terminou o primeiro, com o Santo André melhor em campo e o Santos tentando parar os rápidos contragolpes do adversário. Logo aos cinco minutos, Bruno César deu uma caneta no meio-campo e fez um precioso lançamento para Rodriguinho, que driblou o goleiro e chutou fraco para o gol, dando a chance de Arouca conseguir salvar o quarto tento dos visitantes.

Mesmo melhor em campo, a equipe do ABC não conseguia traduzir em gol as chances criadas. O destino e os ‘Deuses do Futebol’ reservaram a segunda etapa para Paulo Henrique Ganso, sem dúvidas o melhor jogador de toda a competição. Um leão em campo, Ganso, de apenas 20 anos, parecia um lorde em campo. Segurava a bola, dava dribles de efeito e não se intimidava com as duras chegadas dos zagueiros do Santo André.

Em uma das raras vezes neste ano, Dorival Júnior tirou um atacante e colocou um volante para segurar o ímpeto do adversário. Saiu Neymar e entrou Roberto Brum. O volante ficou pouco em campo, mais precisamente oito minutos. Depois de dar um carrinho por trás, Sálvio Spinola expulsou o jogador e deixou o Peixe com oito jogadores em campo.

Em total desvantagem numérica, Dorival tratou de colocar o zagueiro Bruno Aguiar no jogo. O escolhido para sair, erroneamente, foi Paulo Henrique Ganso. Porém, antes do treinador fazer a substituição errada, Ganso se recusou a sair e, como um maestro, sugeriu que treinador tirasse o atacante André. Dorival seguiu a opção de Ganso e sacou André. Outro lance genial do jogador, dessa vez sem a bola no pé. Mesmo jovem, Ganso mostrou personalidade e chamou a responsabilidade, demonstrando ser um jogador pronto e maduro, que se não for convocado para a Copa do Mundo, será uma injustiça das mais tremendas.

O Ramalhão foi para o tudo ou nada. Um gol daria o título e por pouco, muito pouco, o Santo André não fez história. Rodriguinho chutou uma bola na trave aos 45 minutos da etapa final e assustou o Pacaembu.

Mas nada, NADA, tiraria esse título do Santos. O árbitro terminou o jogo e o Peixe conquistou o 18º título de sua história.

De fato os jogos finais foram emocionantes. Mostraram um Santo André determinado, altamente competitivo e com muitos jogadores qualificados que reforçarão outros clubes brasileiros nos próximos dias. O goleiro Júlio César, os meias Branquinho e, principalmente, Bruno César, além dos atacantes Nunes e Rodriguinho cumpriram muito bem seus papéis no torneio. Não levaram a taça, mas perderam de cabeça erguida e jogando um ótimo futebol. Entretanto, o técnico Sérgio Soares merece os parabéns por ter montado uma bela equipe e por se mostrar um grande talento a beira do gramado.

Já o Santos mereceu completamente a conquista. Todo o grupo, todos os jogadores. Passearam e deram show com a bola nos pés. Encantaram e acabaram com todos os adversários. Um ataque magnífico e uma defesa que, se não é brilhante, também conseguiu ajudar o time. Dorival Júnior também merece destaque por ter regido a ‘orquestra’ santista. Porém, Neymar e Ganso sobraram no Paulistão-10. A jovem dupla foi muito importante na conquista e mostrou que o futebol truculento não tem vez quando a habilidade e a ousadia brasileira estão em campo. Se Dunga tiver um mínimo de juízo, não hesitará em convocá-los para o mundial daqui a nove dias.

Felipe, Pará, Wesley, Durval, Edu Dracena, Léo, Germano, George Lucas, Arouca, Marquinhos, Robinho, Neymar, André, Paulo Henrique Ganso, Mádson, Bruno Aguiar, Rodrigo Mancha, Giovanni, Zé Eduardo, Marcel, Maikon Leite e Dorival Júnior. Todos os ‘Meninos da Vila’ merecem os parabéns pela conquista.

Parabéns, Santos Futebol Clube! E como diz o hino do clube: “Glorioso alvinegro praiano, campeão absoluto desse ano”.

Anúncios

Read Full Post »

Paulo César Lima, 60 anos.

No mundo do futebol, Paulo César Caju.

Nascido em 1949 no Rio de Janeiro, o ex-jogador foi revelado pelo Botafogo em 1967 e jogou pelo Glorioso até 1971, vencendo dois Campeonatos Cariocas (1967 e 1968), além da Taça Brasil de 1968. Ainda muito jovem, mas já demonstrando grande qualidade com a bola nos pés, o ex-ponta esquerda foi convocado para a Seleção Brasileira que disputou e venceu a Copa do Mundo de 1970. Nesse mundial, Caju foi reserva de Rivellino. Quatro anos mais tarde, na Copa do Mundo de 1974, Paulo César Caju foi titular da equipe brasileira que terminou o mundial na quarta posição.

Depois que saiu de General Severiano, Paulo César Caju se transferiu para o Flamengo. Na Gávea, o ex-jogador atuou entre 1972 e 1974, jogando 105 partidas e marcando 19 gols. Caju também jogou pelo Olympique de Marseille, da França, Fluminense, Vasco, Corinthians e Grêmio. Pela equipe gaúcha, o ex-ponta esquerda foi titular no título Mundial de 1983 vencendo o Hamburgo, da Alemanha.

Ídolo do futebol nos anos 70 e 80, Caju viveu sua pior fase da vida após abandonar os gramados, quando passou a conviver com as drogas e a bebida, vícios que quase o tiraram a vida. Depois de 15 anos usando drogas, o ex-jogador se recuperou da dependência química há dez anos e atualmente faz palestras para crianças e jovens por todo o Brasil, contando sua história com o objetivo de livrar os jovens dos vícios. Em entrevista exclusiva para o MFC, o ex-jogador relatou como começou o vício, como se livrou e de que forma instrui os jovens.

MFC: Caju, qual foi seu envolvimento com as drogas? Já as usava durante sua carreira como jogador?
PC Caju: Eu nunca fui usuário, fui atleta. Comecei a jogar bola profissionalmente com 16 anos e parei com 36, quer dizer, 20 anos de carreira. Nunca fumei, nunca bebi, nunca cheirei. E quando eu parei de jogar, não tinha que dar satisfações para mais ninguém e estava um pouco chateado com o final da minha carreira, aí por livre e espontânea vontade minha, com alguns amigos, eu experimentei a cocaína, depois experimentei a birita e fui viciado nisso durante 15 anos. Então, o que eu tenho a dizer é o seguinte: quem nunca experimentou, atleta ou não, que não experimente, pois é algo muito ruim, destruidor.

MFC: Você acha que o esporte é algo que livra as crianças do mundo das drogas?
PC Caju: Ah, não tenha dúvidas. Eu vim de uma favela, a favela dos Tabajaras, em Botafogo, no Rio de Janeiro. Estou com 60 anos e morei no morro até os 10 anos. Naquela época não tinha tráfico, não tinha bandidos, não tinha armamento pesado, não tinha drogas dentro do morro. As favelas também não eram escondidas, então não tinha a grandeza que tem hoje. Eu tive essa sorte e por isso não tinha como se encaminhar para o rumo errado. Eu já era bom de bola desde garoto, sabia que era bom, mas não tinha maus elementos dentro do morro para seguir. Diferente de hoje, que as crianças não têm opção. Em qualquer parte do Brasil onde tenha periferia, além do grave problema com o crime, tem as favelas, tem as drogas e a criança que está dentro de um lugar desses não tem como fugir. Elas não têm uma possibilidade de um estudo melhor, acesso a cultura e ao esporte, pois dentro da comunidade elas são induzidas a trabalhar no tráfico. Começa como olheiro, depois passa a ser gerente, chefe e o fim é a morte. Então quer dizer, hoje é até difícil falar para a criança não experimentar, os caras (traficantes) forçam, como é que faz? A droga está infiltrada em todas as camadas sociais, no pobre, no rico, no milionário, no preto, no branco, em todos os lugares.

MFC: Um caso recente de jogador envolvido com as drogas foi o Jóbson, do Botafogo. Por ser um rapaz novo, que passou por todos esses problemas e pode até ser banido do futebol, você acha que o banimento dele do futebol é a melhor medida para se tomar?
PC Caju: Não. Você tem que ver o seguinte: o Jóbson vem de onde? Do Pará. Dentro da Amazônia. Então você vai por aí. A cultura e a educação dele são diferentes. Ele saiu de lá do interior do Brasil e foi parar aonde? Em Brasília. Quer dizer, com 16 anos já estava jogando futebol profissional no Brasiliense e desde essa época já tinha problemas com o álcool e depois com as drogas, que só apareceram após aquelas duas vitórias que salvaram o Botafogo do rebaixamento no Campeonato Brasileiro de 2009. Depois veio à tona o exame antidoping e ele mesmo declarou que era viciado em crack. Quer dizer, você tira pela educação, pela cultura, é um garoto que saiu de dentro da Amazônia e de repente está em Brasília, em outra realidade. Depois vai para o Rio de Janeiro e estoura no Botafogo. Um dos problemas que podem ter afetado o Jóbson foi estar sozinho em duas cidades grandes como Brasília e o Rio. Não sei se ele teve a família morando com ele nesses lugares. E é normal um cara tomar uma birita não tendo acompanhamento e estrutura. Com a fama, começou o deslumbramento, bons bichos (premiação paga aos jogadores após resultados positivos), companhias. Isso é normal, você viaja. O Rio é uma cidade sedutora, tranquilamente se você não tiver estrutura, se não tiver equilíbrio e boas companhias ao lado, dança.

MFC: Como funcionam suas palestras sobre as drogas?
PC Caju: Eu faço há quase 10 anos palestras sobre esse assunto. Eu sempre sou convidado, já fiz em vários estados do Brasil, algumas vezes até com psiquiatras ao meu lado também. É um negócio que eu alerto as crianças e os jovens. Como eu fui um ídolo do futebol, os mais velhos, os pais desses jovens que acompanharam a minha carreira, logicamente têm como chegar aos filhos e dizerem: Ele chegou ao auge e depois faltou equilíbrio e estrutura e ele foi pelo caminho errado. Minha história serve como exemplo.

NOTA: Como ídolo do Botafogo e torcedor apaixonado do clube, Paulo César Caju deve estar muito feliz com o título do Glorioso no Campeonato Carioca, algo que há duas semanas, no dia da entrevista, ele achava pouco provável de acontecer.

Read Full Post »

Santos e Santo André foram os principais destaques da primeira fase do Campeonato Paulista de 2010. Com isso, se credenciaram como favoritos ao título deste ano. O Santos disputou a semifinal contra o rival São Paulo, enquanto a equipe do ABC encarou o Grêmio Prudente. Na partida de ida das semifinais, ambos confirmaram o favoritismo e, fora de casa, venceram os adversários. Para as partidas de volta, o Peixe e o Ramalhão poderiam até perder por um gol de diferença que ainda assim avançariam à decisão. O Santos fez o que virou rotina na temporada, ganhou por 3 a 0 do São Paulo em jogo disputado na Vila Belmiro e chegou à final com sobras. Por outro lado, o Santo André perdeu em casa para o surpreendente Grêmio Prudente, por 2 a 1, mas usou o regulamento para garantir a vaga.

Muito se falou na semana sobre a vitória santista no último domingo, no Morumbi, quando poderia ter goleado o rival, tomou grande sufoco no segundo tempo e conseguiu a vitória apenas no último minuto. O Peixe percebeu que não poderia falhar novamente contra o experiente elenco são paulino. Já o São Paulo constatou a qualidade dos ‘Meninos da Vila’ e se apoiou na segunda etapa do último confronto para acreditar na vitória por dois gols de diferença que lhe valeria a vaga na decisão.

O técnico Ricardo Gomes apostava em um ataque veloz para conquistar o objetivo. Assim, sacou Washington e colocou Fernandinho no time titular neste domingo. Na vaga de Marlos, que fora expulso no primeiro confronto, o treinador acreditou na força de Cléber Santana. Outras novidades em relação ao outro jogo foram vistas nas laterais. Jean perdeu seu lugar para Cicinho, enquanto Júnior César deu a vaga para Richarlyson. É óbvio que a derrota de hoje foi totalmente por méritos do Santos, mas seria mais aceitável a escalação de Carleto no lado esquerdo do campo, já que além de Richarlyson não ser lateral de origem, o jogador esteve machucado por um mês e retornou apenas hoje. Ricardo errou na escolha, mas isso não influenciou no resultado.

Pelo lado santista, Dorival Júnior preferiu reforçar o meio campo e sacou o atacante André da equipe titular. Desse modo, Wesley saiu da lateral direita para compor o meio e Pará jogou na posição. Boa visão do treinador do Peixe, afinal, a vantagem era favorável para mudanças desse tipo.

O jogo foi bastante movimentado. O São Paulo tinha um ataque veloz, mas a bola pouco chegou aos jogadores de frente. Hernanes esteve mais tímido que no último jogo, os laterais pouco apoiaram e assim, as chances na primeira etapa foram escassas. Fernandinho tentou resolver sozinho, mas a marcação santista esteve implacável. Dagoberto nada fez. Enquanto isso, o Santos respeitou o rival mais do que na primeira partida, mas mesmo assim, quando tinha a posse de bola, criava jogadas boas e até poderia ter aberto o placar não fosse alguns erros de Robinho.

O segundo tempo era tudo ou nada para o São Paulo. Por esse motivo, Ricardo Gomes tirou Cléber Santana e colocou o artilheiro Washington em campo, mudando o esquema para três atacantes. Washington bem que tentou, mas na única boa investida, o goleiro Felipe fez grande defesa. O Santos começou a se soltar no jogo e sentiu que poderia vencer novamente. O primeiro gol nasceu com jogada do meia Marquinhos, que recebeu a bola nas costas de Richarlyson e cruzou para a área. O atacante Neymar, com o braço, mandou para as redes e abriu o placar. Gol irregular santista e contestação por parte dos são paulinos.

O Santos dominava o jogo e estava com a classificação praticamente definida. Mas os ‘Meninos da Vila’ queriam mais e partiram para cima. Aos 37 minutos, Robinho lançou para Neymar, o zagueiro Miranda acompanhou o atacante e claramente não encostou no adversário, que se jogou dentro da área e o árbitro José Henrique de Carvalho anotou a penalidade. Neymar, com paradinha, fez o seu segundo gol no jogo e o 12º no Campeonato Paulista. O jogo estava decidido, jogadores e torcedores já comemoravam o resultado quando Mádson saiu do banco de reservas, fez ótima jogada pelo lado esquerdo, cruzou para a área e Paulo Henrique Ganso fez o terceiro, aos 40 minutos.

Na somatória das duas partidas, o Santos fez 6 a 2 no São Paulo e conquistou a vaga na decisão do estadual sem contestações. Mesmo com dois erros da arbitragem, o Peixe sobrou em campo, como vem sobrando em todo o campeonato e mereceu a classificação. O Tricolor esteve nervoso em campo, tanto que tomou oito cartões amarelos, mas em nenhum momento perdeu a cabeça com as travessuras dos jovens. Saiu como um bom perdedor.

O Santos terá mais dois jogos para encantar e confirmar uma conquista que já vem se desenhando há algum tempo. A nova geração santista é muito qualificada e já entrou para a história. Além disso, o Santos segue a passos largos como favorito na Copa do Brasil também. O São Paulo, por sua vez, focará completamente a Copa Libertadores e já na próxima quarta-feira terá um difícil jogo contra o Once Caldas para garantir vaga nas oitavas de final do torneio.

SANTO ANDRÉ É O ADVERSÁRIO NA FINAL
O Santo André será o adversário santista na decisão do Campeonato Paulista. Após ter vencido o primeiro confronto contra o Grêmio Prudente por 2 a 1, na semana passada, o Ramalhão perdeu hoje para o rival pelo mesmo placar, mas como tinha vantagem pela melhor campanha na primeira fase, confirmou o favoritismo e obteve vaga na final. As partidas decisivas acontecerão nos próximos dois domingos (25/04 e 02/05), possivelmente no estádio do Pacaembu, em São Paulo. O time do ABC disputará pela primeira vez uma decisão estadual.

Read Full Post »