Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Milan’

O novo treinador da Seleção Brasileira, Mano Menezes, foi apresentado oficialmente hoje no Rio de Janeiro e logo de cara já fez sua primeira convocação, visando o jogo contra os Estados Unidos, no próximo dia 10 de agosto, em Nova Jersey. Como era esperado, o técnico reciclou completamente a equipe, abriu espaços para os jovens e deixou de lado a maioria dos jogadores que disputaram a última Copa do Mundo.

Acatando ordens da CBF e, principalmente, do torcedor brasileiro que clamava por mudança, Mano Menezes fez o que dele se esperava. A média de idade da atual Seleção Brasileira é de 23,1 anos, bastante inferior a da equipe que disputou o último Mundial, que era de 29,3 anos. O MFC considerou a lista positiva (veja abaixo uma análise dos selecionados) e agora é a hora dos jovens mostrarem serviço com a camisa brasileira. Os únicos remanescentes do fracasso brasileiro na África do Sul são os também jovens Ramires, Thiago Silva, Daniel Alves e Robinho.

Para o gol, o treinador convocou Victor, do Grêmio, Jefferson, do Botafogo, e Renan, do Avaí. Três boas escolhas. O goleiro gremista vem se destacando há um bom tempo e deveria ter ido à Copa do Mundo. Mesmo aos 27 anos, essa é uma idade madura para um goleiro. Jefferson e Renan foram as surpresas. Através do goleiro, o Botafogo conseguiu colocar um jogador no selecionado brasileiro após 12 anos, já que os últimos que jogaram pela Seleção e atuavam com a camisa do alvinegro foram o atacante Bebeto e o zagueiro Gonçalves, em 1998. Renan, o mais jovem dos três, vem apresentando muita qualidade no Campeonato Brasileiro e, mesmo ainda tendo muito a aprender, já demonstra ser um goleiro seguro e com um bom futuro pela frente.

Nas laterais, os escolhidos foram Daniel Alves, do Barcelona, Rafael, do Manchester United, André Santos, do Fenerbahçe, e Marcelo, do Real Madrid. Na direita, boas escolhas. Maicon é sem dúvidas o melhor lateral-direito do mundo, mas é importante testar outras peças. Daniel Alves é titular do Barcelona, já demonstrou potencial e deve ser o titular no amistoso. Rafael, por sua vez, tem apenas 20 anos, saiu do Fluminense muito cedo e, aos poucos, vem ganhando confiança na Inglaterra.

Marcelo fez o mesmo caminho. Saiu das Laranjeiras, tem 22 anos, e é titular do Real Madrid. Além disso, poderia ter ido à Copa como titular, não fosse a teimosia de Dunga. O caso de André Santos é um pouco mais complicado. Antes homem de confiança de Dunga, o lateral se envolveu em um escândalo sexual na Turquia e perdeu seu espaço. Entretanto, Mano Menezes o conhece bem dos tempos de Corinthians e lhe deu uma nova chance.

No setor defensivo, os selecionados foram os zagueiros Henrique, do Racing Santander, Thiago Silva, do Milan, Réver, do Atlético-MG, e David Luís, do Benfica. Henrique foi muito bem pelo Coritiba, chegou ao Palmeiras e também fez bons jogos, até que foi vendido ao Barcelona, que o emprestou ao Racing Santander. Zagueiro clássico e seguro que pode ajudar o Brasil. Thiago Silva dispensa apresentações, esteve na Copa do Mundo como reserva, mas já é titular do Milan e parece ser nosso melhor defensor da lista.

O zagueiro Réver é uma incógnita. Após fazer boas temporadas pelo Grêmio, o jogador foi vendido ao Wolfsburg, da Alemanha, mas não disputou um jogo sequer com a camisa do clube alemão, até ser cedido ao Atlético-MG, clube pelo qual o defensor se apresentará esta semana. Mano confia nele e o conhece desde a época do Grêmio, mas existem outros atletas no mercado mais qualificados que ele.  Desconhecido da grande maioria dos brasileiros, o zagueiro David Luís também foi lembrado. Jovem jogador do Benfica, o atleta começou a carreira no Vitória, da Bahia, e também passou pelas divisões de base da Seleção Brasileira. Uma boa aposta.

No meio de campo, os nomes agradaram. O volante Lucas, do Liverpool, tem bom desempenho na Europa e também pela Seleção, já que participou dos Jogos Olímpicos, em 2008. Ramires continuou na equipe brasileira, já que foi um dos poucos que se destacou no Mundial e vem jogando bem pelo Benfica. Carlos Eduardo, do Hoffenheim, da Alemanha, também foi lembrado. O jogador atuou sob o comando de Mano Menezes no Grêmio e já fez três boas temporadas pelo clube alemão. Paulo Henrique Ganso, do Santos, dispensa comentários e, novamente, não fosse a teimosia do antigo treinador, era nome certo no time que foi à África do Sul. Sandro, do Internacional, e Hernanes, do São Paulo, já demonstram há um bom tempo serem jogadores maduros e que, ao que tudo indica, terão lugar cativo na Seleção Brasileira daqui pra frente.

Outro ‘desconhecido’ do povo brasileiro é o meia Ederson, do Lyon. O paulista começou sua carreira no Rio Grande do Sul, com passagens pelo RS Futebol, Internacional e Juventude, indo depois para o time francês. Titular absoluto e camisa 10 do Lyon, o jogador mereceu a chance muito pela boa campanha na Liga dos Campeões. Talvez o único nome pouco entendido foi o de Jucilei, do Corinthians. Mesmo sendo um bom jogador e versátil nos mais variados esquemas, o corintiano é reserva na equipe que Mano Menezes comandou até ontem, portanto, o mais sensato seria convocar o volante Elias, que se destaca há um bom tempo e que é o titular da posição no ex-clube do atual treinador do Brasil.

No ataque, ótimas apostas. O trio do Santos (Neymar, André e Robinho) fez um primeiro semestre incrível e virou manchete em todo o mundo. Robinho, mesmo jovem, já é bastante experiente. Já se demonstrou mais maduro durante a Copa do Mundo e, daqui para frente, será um dos líderes desta equipe. Neymar é outro que dispensa comentários e também deveria ter ido ao Mundial. André, companheiro dos dois no alvinegro praiano, pode ser considerado uma surpresa, mas o seu faro de gol e oportunismo já fez com que o Dínamo de Kiev, da Ucrânia, apostasse em seu talento e levasse mais uma joia do futebol brasileiro para o Velho Continente.

Aos 20 anos, Alexandre Pato, do Milan, é outro que despontou muito cedo no futebol, foi vendido ao Milan e atualmente é titular do time italiano. O mais velho dos atacantes é Diego Tardelli, do Atlético-MG, que há muitas temporadas demonstra ser um artilheiro nato e que chegou a ficar na lista de espera de Dunga para a Copa do Mundo.

Num modo geral, a convocação de Mano Menezes foi satisfatória. Dos 24 jogadores convocados, apenas cinco têm idade superior a 25 anos, o que é algo importante. Além disso, outros sete atletas possuem idade olímpica, outro adendo importante, já que daqui a dois anos acontecerá as Olimpíadas de Londres. O trabalho será árduo, mas com tantos talentos, basta Mano Menezes ser sensato, chamar quem realmente merece ir e que não convoque este ou aquele por afinidade ou lealdade, como vimos recentemente.

E você torcedor, o que achou da lista? Quem você colocaria? Quem tiraria? A convocação foi justa? Opine!

Read Full Post »

Por: Erik Rodrigues*

Eslováquia 0 X 2 Paraguai

Eslováquia e Paraguai se enfrentaram pela segunda rodada do grupo F em busca da primeira vitória na Copa do Mundo, no estádio Free State, em Bloemfontein. Os paraguaios vinham de um bom empate na estreia contra a Itália. Os eslovacos também empataram na primeira rodada, com a Nova Zelândia. A novidade no time sul-americano era a escalação de mais um atacante, Roque Santa Cruz.

E a mudança surtiu efeito logo de cara, pois o time do técnico Gerardo Martino começou o primeiro tempo no ataque. Roque Santa Cruz arriscou da entrada da área, a bola desviou na zaga e o goleiro Mucha teve de se esforçar para fazer a defesa.

E este seria o panorama da primeira etapa, com domínio total dos paraguaios. A Eslováquia não arriscava e formava um paredão para evitar o gol do adversário. O Paraguai partia para cima com Riveros, Lucas Barrios e Nelson Valdez, mas a bola não entrava.

Até que aos 28 minutos, o zagueiro Skrtel falhou e a bola ficou com Barrios, que passou para Vera bater de primeira e abrir o placar. O gol fez justiça ao time que procurou mais o ataque. Mas os eslovacos acordaram e ao menos demonstravam mais vontade, mesmo errando muitos passes. Tanto que aos 37 minutos, a equipe da Europa conseguiu dar uma cabeçada ao gol, com Salata.

No segundo tempo, o Paraguai se acomodou com a vantagem e ficou esperando as chances de contra-ataque aparecerem. E não havia com o que se preocupar, pois a Eslováquia tinha como principal adversária sua própria dificuldade técnica. Mesmo em ritmo mais lento, os paraguaios chegavam com mais perigo e estavam próximos do segundo gol.

E ele veio aos 41, após confusão na área entre Da Silva e Cardozo. A bola sobrou para Riveros que, da entrada da área, chutou forte no canto direito, sem chances para o goleiro Mucha. Com o resultado, o Paraguai chegou a quatro pontos e só precisa de um empate contra a Nova Zelândia, no dia 24, em Polokwane, para ficar em primeiro no grupo. Já a Eslováquia precisa vencer a atual campeã do mundo, Itália, também na quinta-feira, em Joanesburgo.

Itália 1 X 1 Nova Zelândia

Também pelo grupo F, Itália e Nova Zelândia jogaram pela segunda rodada, em Nelspruit. Os italianos queriam se recuperar do empate na estreia contra o Paraguai. Já os neozelandeses vinham empolgados com o empate na partida inicial contra a Eslováquia, conquistado de forma emocionante no final do jogo.

A partida começou truncada, com o time da Nova Zelândia marcando forte e diminuindo os espaços. E no segundo ataque dos “All Whites”, a surpresa: após cobrança de falta no lado esquerdo, Reid desviou, Cannavaro ajeitou sem querer e Smeltz, impedido, abriu o placar.

O gol deixou os italianos atônitos, tanto no campo quanto nas arquibancadas. Daí em diante, o jogo foi ataque contra defesa. Porém, com um time sem inspiração e talentos individuais, a Itália insistia em uma única jogada, a bola aérea para seus atacantes.

Aos 16 minutos, a “Azzurra” teve boa chance com Chiellini, mas o zagueiro não soube aproveitar. Na base da pressão, Zambrotta e Montolivo arriscaram de fora da área, mas sem sucesso. Com quase todo o time na defesa, a Nova Zelândia chamava os italianos para seu campo e as chances de gol aumentavam.

Tanto que aos 28 minutos, Criscito cruzou para a área e o volante Smith puxou De Rossi pela camisa. Um lance polêmico, mas o árbitro marcou pênalti, convertido por Iaquinta. Com o empate, a Itália buscou a virada, sempre com bolas aéreas ou chutes de longe. Porém, o máximo que conseguiu foi consagrar o goleiro Paston.

Na segunda etapa, o técnico Marcello Lippi trocou o discreto Gilardino por Di Natale. E logo no início ele bateu de primeira, exigindo boa defesa de Paston. Camoranesi, que também entrou no time, ajudava no toque de bola do meio campo, mas sem muita objetividade.

O drama italiano continuou o mesmo. Os europeus pressionavam com bolas erguidas na área e chutes de longe, mas sem sucesso. A ameaça de um novo empate fazia com que os jogadores tentassem resolver as jogadas sozinhos. Mas a baixa qualidade técnica da equipe ficava evidente a cada minuto passado.

Em raro momento de ousadia, a Nova Zelândia foi ao ataque pela esquerda. O meio campo Wood driblou Cannavaro com facilidade e bateu cruzado, assustando o goleiro Marchetti e os torcedores italianos. Mas o empate persistiu até o final.

O resultado deixa o time de Marcello Lippi em situação complicada, com apenas dois pontos em dois jogos. Na próxima rodada, a Itália joga sua sobrevivência no Mundial contra a Eslováquia, dia 24, em Joanesburgo, e precisa da vitória. A Nova Zelândia, também com dois pontos, encara o líder Paraguai no mesmo dia, em Polokwane.

Brasil 3 X 1 Costa do Marfim

Brasil e Costa do Marfim entraram em campo pela segunda rodada do grupo G. Os brasileiros venceram a Coreia do Norte na estreia e queriam o triunfo para garantir uma vaga. Já os marfinenses buscavam os primeiros três pontos no torneio. A seleção “Canarinho” escalou os mesmos jogadores da última partida. No time do técnico Sven-Göran Eriksson, a novidade era o atacante Didier Drogba, que começou como titular.

Logo no início, Kaká  mostrou que estava a fim de jogo e tabelou com Robinho. A bola ficou com o jogador do Santos que, mesmo com Kaká e Luis Fabiano bem posicionados, arriscou de fora da área e levou perigo ao gol de Barry. No entanto, a Costa do Marfim dominou os 15 minutos seguintes, não dando espaço para o time brasileiro elaborar as jogadas ofensivas.

O domínio dos “Elefantes” não resultava em conclusões a gol. O jogo ficou devagar, com a equipe de Dunga se defendendo e tentando o contra-ataque. Mas os erros de passe de seus meio-campistas não permitiam que as jogadas evoluíssem.

Aí, entrou em cena o talento e a movimentação de Kaká, que tantos esperavam. Em jogada pelo meio, ele tocou para Luis Fabiano, que devolveu de calcanhar e avançou. O meia do Real Madrid segurou um pouco e, no momento certo, lançou o centroavante brasileiro. Mesmo sem muito ângulo, o “Fabuloso” encheu o pé e abriu o placar.

O gol não melhorou o desempenho do Brasil, que continuou errando passes na intermediária. A Costa do Marfim, de forma contida, partiu para o ataque. Mas aí, o setor mais sólido do time brasileiro apareceu. Lúcio, Juan e Maicon evitaram que os adversários conseguissem uma conclusão mais perigosa ao gol de Júlio César. E assim terminou o primeiro tempo.

Na segundo etapa, nada de alterações. O time africano apertou a marcação e, mais uma vez, o Brasil não conseguia sair jogando. Até que Luis Fabiano, em dia inspirado, fez uma jogada bem ao seu estilo. Em uma mistura de trombada e habilidade, o atacante encarou a defesa marfinense e, usando os braços, saiu na cara do gol e bateu de pé esquerdo no canto de Barry.

O tento parece ter dado tranquilidade ao time de Dunga, que começou a encontrar espaços para trocar passes. A Costa do Marfim acusou o golpe e continuou sem ameaçar a meta brasileira. E, aos 17 minutos, esta superioridade se converteu no terceiro gol. Kaká, que voltou com mais disposição e atacando pelo lado esquerdo (como em seus bons tempos de Milan), levou a bola até a linha de fundo e cruzou rasteiro para o meio da área. Elano se antecipou à marcação e tocou para o fundo do gol.

Aos 33 minutos, a Costa do Marfim diminuiu com seu principal jogador, Drogba. O badalado atacante foi, mais uma vez, anulado por Lúcio, assim como o zagueiro brasileiro tinha feito pelas oitavas de final da UEFA Champions League deste ano. Mas encontrou um buraco na defesa brasileira e deixou seu gol.

Os marfinenses então passaram a apelar para a agressão. Sem espaço para avançar com perigo, distribuíram pancadas em Kaká, Luis Fabiano, Michel Bastos e Elano (que sentiu uma dividida e fui substituído por Daniel Alves). Aqui vale o registro para a omissão do árbitro francês Stephane Lannoy. O juiz literalmente deixou “o pau quebrar” em campo. Yaya Touré e Keita batiam em quem aparecesse pela frente

O nervosismo tomou conta dos brasileiros, que passaram a revidar. Para se ter uma ideia da raiva brasileira, Kaká levou dois amarelos e foi expulso. Com isso, o meia está fora do próximo jogo. Depois da confusão, o Brasil tocou a bola e esperou o final da partida.

Com seis pontos em dois jogos, o Brasil está classificado para a próxima fase da Copa do Mundo e aguarda apenas para saber se ficará em primeiro ou segundo lugar. No próximo dia 25, em Durban, o time brasileiro joga contra Portugal. A Costa do Marfim enfrenta a Coreia do Norte, em Nelspruit, no mesmo dia.

* Erik Rodrigues é jornalista e são-paulino.

Read Full Post »

Toda a expectativa criada para a convocação da Seleção Brasileira acabou na tarde desta terça-feira. Sem as surpresas imaginadas, Dunga convocou os 23 atletas que defenderão o Brasil na Copa do Mundo de 2010.

Ronaldinho Gaúcho, Paulo Henrique Ganso e Neymar não foram chamados. Dunga não abriu mão de seus ‘amigos’ para atender aos pedidos do povo brasileiro. As únicas mudanças foram a troca do goleiro Victor por Gomes, do Tottenham, que já esteve no grupo do treinador em outras oportunidades. Outra novidade foi a convocação do atacante Grafite, do Wolfsburg, que ganhou a vaga de Adriano e disputará a primeira Copa do Mundo de sua carreira.

Mesmo em meio a tantas críticas e pela teimosia tradicional de Dunga, uma coisa deve ser ressaltada: a promessa de que o comprometimento seria o maior diferencial foi evidenciada na convocação de hoje. Quando o treinador chegou à Seleção Brasileira, ele disse várias vezes que as coisas não seriam iguais foram na Copa de 2006, quando houve muita bagunça, baladas, noitadas, falta de comprometimento e, principalmente, falta de futebol. Hoje, mais de três anos depois de assumir o Brasil, Dunga manteve sua palavra e reformulou toda a equipe.

Atletas como Roberto Carlos, Ronaldinho Gaúcho e Adriano, que participaram efetivamente da bagunça de 2006, não foram lembrados e não terão a chance de disputar outro mundial. Nesse aspecto Dunga está certo e a aposta em jogadores comprometidos já é um sinal positivo. Mesmo achando que pelo menos Paulo Henrique Ganso pudesse ser convocado, a Seleção Brasileira é essa. Agora, o papel dos torcedores é confiar e torcer para que o hexacampeonato seja conquistado nos campos sul-africanos. Abaixo, veja um perfil sobre cada jogador brasileiro:

GOLEIROS

JÚLIO CÉSAR
Nome: Júlio César Soares Espíndola
Nascimento: 03/09/1979
Local: Duque de Caxias (RJ)
Clube: Internazionale (Itália)
Jogos pela Seleção: 46
Copas do Mundo: 2 (2006 e 2010)

——————————

DONI
Nome: Doniéber Alexander Marangon
Nascimento: 22/10/1979
Local: Jundiaí (SP)
Clube: Roma (Itália)
Jogos pela Seleção: 10
Copas do Mundo: 1 (2010)

——————————

GOMES
Nome: Heurelho da Silva Gomes
Nascimento: 15/02/1981
Local: João Pinheiro (MG)
Clube: Tottenham Hotspur (Inglaterra)
Jogos pela Seleção: 9
Copas do Mundo: 1 (2010)

——————————

LATERAIS

MAICON
Nome: Maicon Douglas de Sisenando
Nascimento: 26/07/1981
Local: Novo Hamburgo (RS)
Clube: Internazionale (Itália)
Jogos pela Seleção: 51
Copas do Mundo: 1 (2010)

——————————

DANIEL ALVES
Nome: Daniel Alves da Silva
Nascimento: 06/05/1983
Local: Juazeiro (BA)
Clube: Barcelona (Espanha)
Jogos pela Seleção: 33
Copas do Mundo: 1 (2010)

——————————

GILBERTO
Nome: Gilberto da Silva Melo
Nascimento: 25/04/1976
Local: Rio de Janeiro (RJ)
Clube: Cruzeiro (Brasil)
Jogos pela Seleção: 33
Copas do Mundo: 2 (2006 e 2010)

——————————

MICHEL BASTOS
Nome: Michel Fernandes Bastos
Nascimento: 02/08/1983
Local: Pelotas (RS)
Clube: Lyon (França)
Jogos pela Seleção: 2
Copas do Mundo: 1 (2010)

——————————

ZAGUEIROS

LÚCIO
Nome: Lucimar da Silva Ferreira
Nascimento: 08/05/1978
Local: Brasília (DF)
Clube: Internazionale (Itália)
Jogos pela Seleção: 90
Copas do Mundo: 3 (2002, 2006 e 2010)

——————————

JUAN
Nome: Juan Silveira dos Santos
Nascimento: 01/02/1979
Local: Rio de Janeiro (RJ)
Clube: Roma (Itália)
Jogos pela Seleção: 74
Copas do Mundo: 2 (2006 e 2010)

——————————

LUISÃO
Nome: Anderson Luís da Silva
Nascimento: 13/02/1981
Local: Amparo (SP)
Clube: Benfica (Portugal)
Jogos pela Seleção: 37
Copas do Mundo: 2 (2006 e 2010)

——————————

THIAGO SILVA
Nome: Thiago Emiliano da Silva
Nascimento: 22/09/1984
Local: Rio de Janeiro (RJ)
Clube: Milan (Itália)
Jogos pela Seleção: 6
Copas do Mundo: 1 (2010)

——————————

VOLANTES

GILBERTO SILVA
Nome: Gilberto Aparecido da Silva
Nascimento: 07/10/1976
Local: Lagoa da Prata (MG)
Clube: Panathinaikos (Grécia)
Jogos pela Seleção: 90
Copas do Mundo: 3 (2002, 2006 e 2010)

——————————

FELIPE MELO
Nome: Felipe Melo de Carvalho
Nascimento: 26/06/1983
Local: Volta Redonda (RJ)
Clube: Juventus (Itália)
Jogos pela Seleção: 15
Copas do Mundo: 1 (2010)

——————————

JOSUÉ
Nome: Josué Anunciado de Oliveira
Nascimento: 19/07/1979
Local: Vitória de Santo Antão (PE)
Clube: Wolfsburg (Alemanha)
Jogos pela Seleção: 26
Copas do Mundo: 1 (2010)

——————————

RAMIRES
Nome: Ramires Santos do Nascimento
Nascimento: 24/03/1987
Local: Barra do Piraí (RJ)
Clube: Benfica (Portugal)
Jogos pela Seleção: 10
Copas do Mundo: 1 (2010)

——————————

KLEBERSON
Nome: José Kleberson Pereira
Nascimento: 19/06/1979
Local: Uraí (PR)
Clube: Flamengo (Brasil)
Jogos pela Seleção: 33
Copas do Mundo: 2 (2002 e 2010)

——————————

MEIAS

KAKÁ
Nome: Ricardo Izecson dos Santos Leite
Nascimento: 22/04/1982
Local: Brasília (DF)
Clube: Real Madrid (Espanha)
Jogos pela Seleção: 73
Copas do Mundo: 3 (2002, 2006 e 2010)

——————————

ELANO
Nome: Elano Blumer
Nascimento: 14/06/1981
Local: Iracemápolis (SP)
Clube: Galatasaray (Turquia)
Jogos pela Seleção: 42
Copas do Mundo: 1 (2010)

——————————

JULIO BAPTISTA
Nome: Julio César Baptista
Nascimento: 01/10/1981
Local: São Paulo (SP)
Clube: Roma (Itália)
Jogos pela Seleção: 43
Copas do Mundo: 1 (2010)

——————————

ATACANTES

LUÍS FABIANO
Nome: Luís Fabiano Clemente
Nascimento: 08/11/1980
Local: Campinas (SP)
Clube: Sevilla (Espanha)
Jogos pela Seleção: 36
Copas do Mundo: 1 (2010)

——————————

ROBINHO
Nome: Robson de Souza
Nascimento: 25/01/1984
Local: São Vicente (SP)
Clube: Santos (Brasil)
Jogos pela Seleção: 70
Copas do Mundo: 2 (2006 e 2010)

——————————

NILMAR
Nome: Nilmar Honorato da Silva
Nascimento: 14/07/1984
Local: Bandeirantes (PR)
Clube: Villareal (Espanha)
Jogos pela Seleção: 10
Copas do Mundo: 1 (2010)

——————————

GRAFITE
Nome: Edinaldo Batista Libânio
Nascimento: 02/04/1979
Local: Jundiaí (SP)
Clube: Wolfsburg (Alemanha)
Jogos pela Seleção: 2
Copas do Mundo: 1 (2010)

Read Full Post »

A semana do futebol começou muito movimentada. Não se fala de outra coisa que não seja a convocação da Seleção Brasileira para a Copa do Mundo de 2010, já que amanhã Dunga convocará os 23 jogadores que irão à África do Sul em busca do sexto título mundial para o Brasil.

Enquanto isso, todo mundo vai tentando adivinhar quem serão os selecionáveis. Uns crêem no tradicional esquadrão já apelidado de ‘amigos do Dunga’, que são aqueles que estiveram com o treinador em toda a caminhada. Alguns acreditam que o técnico surpreenderá e atendará os pedidos do povo brasileiro pelos jogadores do Santos e até por Ronaldinho Gaúcho.

De fato, o que se sabe é que as dúvidas só serão descobertas amanhã mesmo. Portanto, o MFC apresenta a lista ideal deste blogueiro:

Goleiros: Júlio César (Internazionale), Victor (Grêmio) e Fábio (Cruzeiro)
Laterais: Maicon (Internazionale), Daniel Alves (Barcelona), Kléber (Internacional) e Michel Bastos (Lyon)
Zagueiros: Lúcio (Internazionale), Juan (Roma), Luisão (Benfica) e Thiago Silva (Milan)
Volantes: Gilberto Silva (Panathinaikos), Elano (Galatasaray), Ramires (Benfica) e Hernanes (São Paulo)
Meias: Kaká (Real Madrid), Júlio Baptista (Roma), Ronaldinho (Milan) e Paulo Henrique Ganso (Santos)
Atacantes: Luís Fabiano (Sevilla), Robinho (Santos), Adriano (Flamengo) e Nilmar (Villareal)

Pelo teimosia tradicional de Dunga, é fácil deduzir que essa não será a lista e teremos que nos contentar com jogadores como o goleiro Doni (terceiro reserva em seu clube), Gilberto na lateral esquerda (no Cruzeiro ele joga na meia), além de Felipe Melo e Josué.

De qualquer forma, deixe um comentário com a sua seleção ideal para esquentar o clima da convocação. Quais jogadores você levaria para a Copa do Mundo?

NOTA: A convocação da Seleção Brasileira será amanhã (11/05), às 13h, no Rio de Janeiro. Globo, Bandeirantes, SporTV e ESPN Brasil transmitem ao vivo.

Read Full Post »

Arthur Antunes Coimbra.

Mundialmente, Zico.

Nascido em 1953, na cidade do Rio de Janeiro, o ex-jogador e atual técnico foi um dos principais jogadores brasileiros em todos os tempos. Começou a carreira aos 14 anos no Flamengo e pelo clube da Gávea fez história. Foi o grande líder da célebre equipe rubro-negra dos anos 70 e 80, conquistando inúmeros títulos como seis campeonatos cariocas (1972, 1974, 1978, 1979, 1981 e 1986), quatro campeonatos brasileiros (1980, 1982, 1983 e 1987), além das principais conquistas do clube da Gávea na história, ambas em 1981, com os títulos da Copa Libertadores e do Mundial Interclubes. Zico é o maior artilheiro da história do Flamengo com 508 gols em 731 partidas disputadas. Com 333 tentos anotados, o ex-jogador também é o maior artilheiro de todos os tempos no Maracanã.

O ‘Galinho de Quintino’ (apelido recebido pelo corpo franzino e por ter nascido no bairro carioca de Quintino) também atuou pela Udinese, na Itália e pelo Kashima Antlers, no Japão, além de ter disputado três Copas do Mundo pela Seleção Brasileira, nos anos de 1978, 1982 e 1986.

Depois de pendurar as chuteiras, Zico teve uma passagem como Coordenador técnico da Seleção Brasileira na Copa de 1998 e se tornou treinador, tendo passado por Kashima Antlers, do Japão; CFZ (clube fundado por ele no Rio de Janeiro); Seleção Japonesa; Fenerbahçe, da Turquia; Bunyodkor, do Uzbequistão; CSKA, da Rússia e Olympiakos, da Grécia.

Em sabatina do jornal Folha de São Paulo, realizada na manhã desta terça-feira no Teatro Folha, Zico foi questionado sobre diversos assuntos pelos jornalistas presentes e também pela platéia. O MFC esteve presente na entrevista e abaixo reproduz os principais trechos da entrevista desde a fatídica partida contra a França na final da Copa de 1998, passando pelas possíveis convocações de Neymar, Ronaldinho Gaúcho e Adriano para o mundial de 2010, até a sua opinião contundente quanto ao continuísmo dos presidentes das principais entidades que gerem o esporte no país.

CASO ‘RONALDO’ NA COPA DO MUNDO DE 1998

Às cinco horas da tarde, o Ronaldo estava mais ou menos uns 50 metros na minha frente, ele parou na frente da porta do refeitório e ficou como se tivesse fazendo um aquecimento, levantando a perna e tal. Então eu falei: “Pô, Ronaldo. O jogo é às 21h e você está fazendo aquecimento agora? É muito cedo”. Ele respondeu: “Eu não sei o que me aconteceu. Estou todo dolorido, parece que eu recebi uma surra, minha musculatura está dura”. Depois do lanche das cinco horas, foi feita uma reunião entre a comissão técnica. O Dr. Lídio (Lídio Toledo, médico da Seleção Brasileira na época) explicou o que o Ronaldo teve para todos nós e falou: “Zagallo, ele não tem condição de jogo”. Então ele estava vetado para a decisão. Depois o Ronaldo foi para o hospital e o Zagallo escalou o Edmundo para jogar a final em seu lugar. Realmente fizemos o que devia ser feito. Fomos para o estádio, havia uma tensão muito grande.  No ônibus indo para o estádio, foi difícil o Zagallo explicar para o grupo porque o Ronaldo não iria jogar. Ele apenas deu muita força para o Edmundo e fez aquela preleção que ele sempre faz. Já no estádio, houve uma reunião no vestiário. Eu participei e quando cheguei lá, em um canto estava o Ronaldo, de calção e meia, no outro estava o Américo Faria (supervisor da CBF), Zagallo, Lídio Toledo, Ricardo Teixeira (presidente da CBF) e o Fábio Koff (chefe da delegação na Copa do Mundo de 1998 e atual presidente do Clube dos 13) todos sentados e o Ronaldo em pé, dizendo: “Eu fiz os exames, estou bem e não tenho nada, vou jogar”. Aí o Dr. Lídio ficou quieto e o Zagallo perguntou: “Você está bem mesmo?” Ele respondeu: “Estou!” Então o Zagallo disse para ele ir aquecer para entrar em campo. Com tudo isso, se tivesse alguém que poderia ter vetado o jogador para aquela partida, seria o médico. Mas como o médico não falou nada, acho que o Zagallo tomou a decisão que deveria ser tomada. Essa é a versão que eu vi, que eu participei. E essa minha versão vai ser a de 1998, de 2000, 2010 e eu vou ficar velhinho contando a mesma coisa, que foi o que eu vi. Eu não vi outras coisas. Aí cabe as pessoas acreditarem ou não. Com certeza essa questão toda foi fundamental para a Seleção ter se comportado daquela forma dentro de campo. Esse foi um problema que realmente foi difícil de solucionar e acho que o outro grande erro foi esconder isso, pois deu margem para cada hora surgir uma nova versão do caso. Eu escutei declarações que o Ronaldo não ia jogar porque tinha problema no tornozelo, depois que a culpa era de um cozinheiro marroquino, que a Nike pagou o Brasil para entregar a Copa do Mundo, etc. Cada um criou a sua versão da sua maneira e acho que faltou naquele momento, quando aconteceu o episódio, chamar todo mundo, inclusive o presidente da CBF e procurar uma solução para o caso. Se tivesse acontecido na véspera da partida, talvez fosse mais fácil de resolver o problema, mas como aconteceu depois do almoço no dia do jogo, foi difícil. Então, tudo isso contribuiu para aquela atuação pífia da Seleção, acho que poderíamos até perder, pois a Seleção Francesa tinha um ótimo time, mas é inadmissível que uma seleção que jogou o que jogou na semifinal contra a Holanda, numa partida brilhante e, de repente, quatro dias depois, não sabia o que fazia em campo. Eu acredito que aquilo foi um fator decisivo na atuação da Seleção Brasileira.

NEYMAR

Em 1974, eu estava com 21 anos e já jogava o Campeonato Brasileiro, inclusive recebi o prêmio “Bola de Ouro”, da revista Placar. É lógico que eu estava totalmente preparado para jogar aquela Copa do Mundo, mesmo sendo jovem. (Zagallo era o treinador brasileiro e não convocou Zico para o mundial). O mesmo caso ocorre atualmente com o Neymar, do Santos. Ele está totalmente preparado para ir à Copa. Ele é um jogador diferenciado, do mais alto nível, da maior qualidade e, infelizmente, no processo de testes que o Dunga fez nos últimos anos, quando o treinador deu chances para muita gente nesse período, o Neymar não tinha aparecido ainda. Mas se ele apareceu agora e é bom, acho que tem que levar. Esse é o jogador que eu levaria e acho que ele poderia modificar e ajudar muito a Seleção. Não apenas levá-lo para adquirir experiência e amadurecê-lo para daqui quatro anos, não é isso. Então, se o cara é bom, pode servir como mais uma opção para o treinador, ele tem que ir independentemente da idade. Pela postura dele em campo, você percebe que ele está pronto e pode ser aproveitado.

ADRIANO

Eu levaria o Adriano para a Copa do Mundo. Se ele estiver com o estado de espírito consciente como um atleta para jogar uma competição dessas, ele tem que ir. E na Seleção me parece que até hoje ele não teve problemas. Agora, realmente hoje ele está mais pesado e, por isso, ele está numa condição abaixo para numa Copa do Mundo enfrentar os europeus. Então ele deve entrar num processo de perceber que é importante para o Brasil e que tem capacidade para isso. Se ele colocar isso na cabeça, nesses dois meses aí que faltam para o mundial, ele pode reunir condições e ajudar o Brasil.

RONALDINHO GAÚCHO

Eu não creio que o Dunga não convoque o Ronaldinho por uma questão pessoal. A questão que eu discuto é que você não pode abrir mão de um jogador que foi duas vezes o melhor jogador do mundo. Não é qualquer um que consegue isso. O Ronaldinho com toda essa qualidade, o que todo mundo espera é que ele continue fazendo o que sempre fez. Vendo o Messi fazer tudo o que está fazendo, a gente sabe que ele também pode fazer, tem capacidade para isso. O que eu não quero ver é o Ronaldinho limitado, como ele está hoje. Limitado a jogar numa certa faixa do campo, em pegar a bola, dar um drible pro meio e jogar a bola para a área. Quero que ele tenha uma participação intensa. O problema é que nos últimos dois anos, ele se acomodou muito em fazer duas ou três coisas numa partida e não ter uma participação intensa. O problema pode ter sido a participação dele nas Olimpíadas de 2008, quando ele não rendeu o esperado. Dali para cá, o Ronaldinho não teve muitas oportunidades. Será que aconteceu alguma coisa? Não sei. O problema está aí. Pode ter acontecido alguma coisa e o Dunga perdeu a confiança nele. Mas isso só o treinador pode responder. Como jogador, pelo o que ele já mostrou, deve ir. Mesmo não atravessando um bom momento assim como o Robinho, Nilmar e Luís Fabiano, que são titulares absolutos. Até mesmo o Kaká que não está jogando, o Felipe Mello está cheio de problemas na Juventus e na reserva. O Júlio Baptista, Doni e Josué também estão na reserva. Enfim, tudo isso é uma escolha do técnico.

FUTEBOL BRASILEIRO X FUTEBOL EUROPEU

Em termos de gestão, nós (brasileiros) perdemos nossos principais jogadores. É inadmissível que uma Seleção Brasileira não tenha cinco jogadores que atuem aqui no Brasil. Então isso aí é o que? Má gestão. Você não tem condições econômicas para manter esses jogadores. Isso é totalmente diferente do que acontece na Europa. Por exemplo, os jogadores da Holanda não saem de lá para jogar na Inglaterra ou na Espanha por uma má gestão dos clubes holandeses ou por questões financeiras. Eles saem por visibilidade. É diferente. A maioria dos jogadores brasileiros saem pela parte financeira acima de tudo. O Campeonato Brasileiro é um dos mais difíceis do mundo. Quando começa a competição, é fácil apontar 15 times favoritos. Ele pode ser o campeão ou ser o décimo quinto. Isso é o equilíbrio. Lá fora não acontece isso. Na Espanha, por exemplo, quantos anos o título ficou com o Barcelona e o Real Madrid? Uma vez ou outra aparece um time diferente como apareceu o La Coruña uma vez. Na Itália é Milan, Juventus ou Internazionale. E todo mundo fala do futebol italiano, mas são sempre os mesmos que ganham. Na Holanda é o PSV e o Ajax. Na Turquia é o Galatasaray, Besiktas ou Fenerbahçe. No Brasil não. Aqui é uma dificuldade muito maior. Essa é a questão. A CBF também tem uma parcela de culpa, pois não paga um tostão para trazer os jogadores para a Seleção. Imagina se tivesse que pagar ao Real Madrid para trazer o Kaká ou ao Sevilla pelo Luís Fabiano? Então, a CBF quer mais é que os jogadores vão para fora mesmo. Além disso, a entidade poderia ajudar mais os clubes e fazer um calendário melhor, porque o jogador brasileiro gosta de jogar no Brasil. Se eles tiverem uma estrutura boa para poder atuar bem, eles jogam aqui. Isso tudo é o motivo por termos que ficar assistindo os campeonatos dos outros países.

CONTINUISMO DOS DIRIGENTES BRASILEIROS

Eu penso que não é possível que só tenha uma pessoa para gerir as entidades em cada esporte brasileiro. As pessoas têm competência, mas ficar 20 anos como o Ricardo Teixeira está na CBF e o Carlos Arthur Nuzman no COB (Comitê Olímpico Brasileiro). Agora o Fábio Koff é reeleito no Clube dos 13. Pô, não é possível que só tenham essas pessoas para gerenciar e administrar. Que eles conseguiram resultados através da competência, isso é óbvio, mas existem outras pessoas também que podem dar sua contribuição. Com isso, nem surgem novos candidatos a esses cargos, pois sabem que vão perder e serão apenas mais um.

Nota: Ricardo Teixeira preside a CBF desde 1989, enquanto Carlos Arthur Nuzman comanda o COB desde 1995.

Read Full Post »

Em má fase no São Paulo, Hernanes pode se transferir para o Milan

O ano de 2008 foi mágico na carreira de Hernanes. Além de deixar de ser considerado uma promessa e se tornar realidade no futebol nacional, o volante foi campeão do Campeonato Brasileiro e ainda foi eleito o melhor jogador da competição. Após um ano brilhante, Hernanes acreditava que 2009 seria melhor ainda.

Mas o desejo do jogador ainda não se concretizou. O primeiro semestre não foi nada bom para o São Paulo e, principalmente, para Hernanes. As eliminações no Campeonato Paulista e na Taça Libertadores da América e a má campanha no Brasileirão-09 custaram a titularidade do jogador e acenderam o sinal de alerta na diretoria do clube. Mas mesmo com essa situação atípica para o Tricolor nos últimos anos e a má fase do volante, Hernanes ainda tem mercado na Europa.

Segundo o site italiano Mediaset, alguns dirigentes do Milan estão no Brasil para contratar Hernanes. Em tempos de crise, a proposta é tentadora. A informação é que o São Paulo receberia € 20 milhões (cerca de R$ 55 milhões) caso a negociação se concretize. A diretoria rossonera quer contar com o atleta já em agosto e Hernanes chegaria para substituir o experiente volante Andrea Pirlo, que possivelmente será negociado com o Chelsea.

Vale lembrar que no ano passado o São Paulo recusou € 13 milhões oferecidos pelo Barcelona e ainda aumentou a multa rescisória do atleta para € 40 milhões. Nos próximos dias saberemos se Hernanes irá ou não para o Milan. Enquanto isso, o camisa 10 são paulino continua frequentando o banco de reservas e não consegue encontrar o futebol apresentado na última temporada.

Veja a notícia publicada pelo site Mediaset (em italiano): Milan: Pirlo va, Hernanes arriva

E você torcedor, acha que a má fase vivida pelo volante é passageira?  A diretoria são paulina deve aceitar a proposta do Milan? Caso a negociação se concretize, Hernanes terá sucesso na Itália? Opine!

Nota: Publicada também no site FutNet.

Read Full Post »

Kaká

Kaká surgiu no São Paulo, chegou à Seleção Brasileira, fez história e apareceu para o mundo atuando pelo Milan e a partir de hoje é oficialmente jogador do Real Madrid, procurando consolidar ainda mais sua brilhante carreira e também fazer história pelo clube merengue. Essa é a história que qualquer garoto sonha para sua carreira dentro do futebol. De inicio promissor a reserva de luxo na campanha no pentacampeonato em 2002 pelo Brasil. De seis anos e muitos títulos pela equipe Rossonera a um quase certo futuro brilhante na Espanha. Esse é Kaká, ídolo dos brasileiros e, principalmente, ídolo dos amantes do futebol.

A novela já se prolongava há alguns dias, mas hoje todas as partes envolvidas resolveram se pronunciar e confirmaram a segunda maior transação de um jogador de futebol na história do esporte, perdendo apenas para Zidane, que em 2001, foi vendido pela Juventus para o clube merengue pela bagatela de € 70 milhões (quase R$200 milhões). Mesmo não confirmado pelos clubes, especula-se que o Real Madrid pagou € 65 milhões (aproximadamente R$180 milhões) para contar com Kaká na próxima temporada. Alguns se chocam com esses valores astronômicos, outros pensam que vale a pena pelo futebol e principalmente pelo caráter de Kaká. Eu fico com a segunda opção, já que num mundo tão poderoso como é o futebol, se você pensar pelo lado da imagem que o atleta tem mundialmente, patrocínios, direitos de TV e outros tipos de renda não faltam para bancar uma estrela como Kaká num galáctico clube como o Real Madrid.

Pelo clube milanista, Kaká conquistou tudo que disputou. Em pouco mais de meia década foram 95 gols, duas Champions League, um Campeonato Italiano, duas Supercopas da Europa, uma Supercopa Italiana e um Mundial de Clubes. Foi um casamento perfeito e que deixará marcas eternas no torcedor do Milan, que vê Kaká como um dos maiores ídolos da história do clube e que gostaria de tê-lo até o fim de sua carreira. Mas com a crise econômica, a diretoria Rossonera viu que se desfazer de sua principal estrela era um modo de conseguir contornar os problemas financeiros e assim o fez. Venhamos e convenhamos, uma proposta como essa é irrecusável a qualquer clube de futebol do mundo, não?

O todo poderoso que bancou essa histórica contratação é Florentino Pérez, eleito pela terceira vez presidente do Real Madrid e dono de uma fortuna avaliada em nada mais nada menos que € 1.360 milhões. Está explicado como é possível contratar Kaká? Assim fica fácil. E o novo presidente quer transformar o clube merengue, que foi eleito em 2009 pela Deloitte Football Money League – pelo quarto ano seguido -, o clube mais rico do mundo com uma receita de € 365,8 milhões, novamente num time galáctico. Para isso, Kaká é a primeira de muitas possíveis contratações.

Com tantos números, cifras e valores altos, Kaká e Real Madrid têm tudo para formarem uma história de sucesso, sem dúvidas. Grande parte dessa aposta deve-se ao brasileiro, que além de ser um jogador completo, experiente, maduro e de um caráter exemplar, pode liderar a equipe em campo, ser decisivo quando for necessário e chamar as responsabilidades. Tudo indica que será mais um casamento de sucesso na trajetória de Kaká no futebol. Quem mais quer que isso aconteça são os dirigentes madrilenos e, principalmente, a torcida merengue. Enquanto o clube espanhol está festejando a chegada do craque (veja a nota oficial publicada no site do Real Madrid), os italianos do Milan já sentem saudades, reverenciam Kaká e deixam as portas abertas para seu grande ídolo que partiu (veja o comunicado no site do Milan).

Para quem não assistiu a entrevista coletiva concedida por Kaká na noite desta segunda-feira, no Recife, veja na íntegra as palavras do jogador no Globoesporte.com.

E você torcedor, o que achou dessa histórica contratação do Real Madrid? Kaká também será ídolo no clube espanhol? Esse casamento renderá bons frutos para as duas partes? Faça suas apostas e deixe sua opinião! 

Read Full Post »

Older Posts »