Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Messi’

Argentina 0 X 4 Alemanha

O duelo de duas potências do futebol mundial válido pelas quartas de final da Copa do Mundo tinha tudo para ser o grande jogo da competição. De um lado, uma Argentina empolgada e parecendo viver uma lua de mel com seu treinador Diego Maradona. Do outro, uma Alemanha renovada com um futebol rápido e envolvente. Porém, o que se viu no gramado do estádio Green Point, na Cidade do Cabo, foi uma avalanche alemã que atropelou os argentinos sem dó nem piedade e venceu facilmente por 4 a 0.

Antes mesmo do início da partida, Maradona deve ter se preocupado e rezado muito por seus defensores. Os resultados positivos contra seleções medianas até então, escondiam um problema crônico da atual Seleção Argentina: a defesa. O sistema defensivo formado por um goleiro fraco e zagueiros lentos, seria o prato cheio para a habilidade e velocidade dos jovens da Alemanha. E isso se comprovou logo aos dois minutos. Schweinsteiger cobrou falta pela esquerda, a zaga argentina ficou só olhando e Thomas Müller, de cabeça, antecipou o goleiro Sergio Romero para abrir o marcador. O começo fulminante dos europeus assustou os sul-americanos.

Prensados no campo de defesa, os argentinos não conseguiam criar jogadas ofensivas e esbarravam na forte marcação da Alemanha. Acusando o golpe, a Argentina quase levou o segundo gol aos 23 minutos. Müller fez boa jogada pela direita e rolou a bola para Klose, que finalizou para fora e desperdiçou grande oportunidade. Como não poderia deixar de ser, todas as tentativas dos argentinos passavam pelos pés de Messi, que recebia marcação de dois ou três adversários e, assim, não conseguia criar suas tradicionais jogadas.

Aos 33, num dos raros momentos interessantes, Higuaín recebeu a bola dentro da área, girou e bateu no canto, mas Neuer defendeu. No minuto seguinte, Messi cobrou falta e a bola bateu na barreira. No rebote, Heinze dominou e lançou para Tevez, que passou para Higuaín marcar o gol. Porém, o árbitro Ravshan Irmatov, do Uzbequistão, invalidou o tento acertadamente, já que Tevez e Higuaín estavam impedidos no lance.

O primeiro tempo terminou com a vantagem alemã. Assim, restavam 45 minutos para a Argentina melhorar seu futebol e tentar a virada. Entretanto, os planos dos sul-americanos foram ruíndo pouco a pouco. Com a postura diferente, os argentinos tiveram ao menos cinco chances de empatar o jogo até os 20 minutos, mas a falta de pontaria não assustou o goleiro alemão. Se aproveitando dos erros do rival, a Alemanha tratou de resolver o jogo. E o segundo gol saiu com imensa facilidade. Aos 22, Müller conseguiu tocar a bola mesmo caído para Podolski, que avançou sem marcação, esperou Klose se posicionar e só rolou para o artilheiro fazer o segundo dos germânicos.

Percebendo a fragilidade do adversário, os alemães sentiram que poderiam fazer mais gols. E fizeram mesmo. Aos 28 minutos, Schweinsteiger fez uma brilhante jogada pela esquerda, driblou três argentinos e, na saída do goleiro, só rolou para Friedrich mandar para o fundo do gol. O placar apontava 3 a 0 e cabia mais. Atônita, a Argentina sentiu o baque e passou a assistir o show da equipe de Joachim Löw. Aos 35, Podolski quase marcou o seu, em chute forte de fora da área bem defendido por Romero.

Mas aos 43 minutos, os argentinos não conseguiram escapar do quarto gol alemão. Em rápido contra-ataque, Podolski avançou com a bola, passou para Özil cruzar e encontrar Klose sozinho na área. O jogador, com a calma peculiar de um matador, tocou de primeira e fez o quarto. O gol fechou o caixão argentino neste Mundial, colocou o alemão na vice-artilharia do torneio, com quatro gols e, de quebra, atingiu à marca de 14 tentos na história das Copas do Mundo, se igualou ao seu compatriota Gerd Müller e ficou a apenas um gol de Ronaldo, o maior artilheiro de todas as competições.

A contundente vitória alemã provou que a renovação feita por Joachim Löw, de fato, foi positiva. Depois de um início avassalador na estreia da Copa, a Alemanha teve sua qualidade colocada à prova após perder para a Sérvia. Mas, de lá para cá, o que se viu foram grandes atuações dos germânicos. Thomas Müller e Özil são as grandes revelações do torneio, enquanto Podolski e Schweinsteiger são os maestros do time, além do já conhecido faro de gol do artilheiro Miroslav Klose. Assim, a equipe europeia aparece como a grande favorita para levar a taça neste ano e conquistar seu tetracampeonato.

Aos argentinos, só restam as lágrimas. O semblante de Maradona ao término da partida evidenciava o estrago que os alemães fizeram. O ex-jogador confiava demais na conquista de uma Copa do Mundo como treinador. Apostava em sua principal estrela, Lionel Messi, que nada fez no Mundial. A Argentina segue em sua sina de não conseguir um bom resultado sequer há 20 anos, desde a Copa da Itália, em 1990, quando foram derrotados pelos mesmos adversários de hoje na decisão.

Paraguai 0 X 1 Espanha

O jogo decisivo entre paraguaios e espanhóis no Ellis Park, em Joanesburgo, tinha um roteiro anunciado antecipadamente. Se tudo corresse dentro dos conformes, a Espanha venceria facilmente o Paraguai, que teve seu méritos ao chegar até as quartas de final, mas que, ao mesmo tempo, atingiu esta fase como a pior equipe entre as finalistas. Como o futebol é um esporte totalmente imprevísivel, os europeus estiveram perto de perder a vaga na semifinais e, depois de uma reviravolta, conseguiram vencer com muito suor o adversário por 1 a 0 e obtiveram a classificação.

O primeiro tempo da partida foi amarrado demais. Os paraguaios apresentaram novamente seu conhecido ferrolho e impuseram muitas dificuldades aos espanhóis. Dessa forma, nenhuma chance real de gol foi criada e os goleiros foram meros espectadores do jogo. Parecia que toda a emoção estava reservada para a segunda etapa.

Aos 11 minutos, Edgar Barreto cobrou escanteio da esquerda e, enquanto a bola viajava pela área, o zagueiro Piqué agarrou Cardozo. O árbitro não hesitou ao marcar o pênalti e o próprio Cardozo bateu e viu Iker Casillas defender. O atacante desperdiçou uma chance e tanto de ver sua equipe continuar fazendo história nos gramados da África do Sul.

Após a defesa da penalidade, Casillas lançou a bola para o campo de ataque e, de forma incrível, David Villa avançou e foi derrubado por Alcaraz dentro da área. O árbitro guatemalteco Carlos Batres exagerou e marcou outro pênalti. Xabi Alonso cobrou e fez o gol, mas o juiz mandou voltar por ter visto uma invasão na área. Assim, o espanhol cobrou de novo e Justo Villar defendeu. Em um minuto, o jogo chato se transformou e ganhou emoção para todos os gostos. Com os erros de Cardozo e Xabi Alonso, o placar persistiu e quem se saiu bem foram os goleiros.

Com tantas emoções, o jogo melhorou consideravelmente. O Paraguai resolveu sair de trás e a partida ficou aberta. Com a habitual troca de passes, os espanhóis foram com tudo em busca do gol. Aos 17, depois de rápido contra-ataque, Iniesta chutou colocado e Villar fez boa defesa. O gol saiu, enfim, somente aos 37 minutos. Depois de boa triangulação no meio campo, Fábregas tocou para Xavi, que passou para Iniesta. O jogador do Barcelona avançou, driblou dois paraguaios e rolou para Pedro chutar a bola na trave. No rebote, David Villa bateu de primeira e, caprichosamente, a bola tocou nas duas traves antes de entrar. Foi o quinto tento anotado por Villa na Copa do Mundo em cinco partidas disputadas. Assim, o atacante espanhol é o artilheiro isolado do torneio.

Depois de sofrer o gol, o time sul-americano não teve forças para reagir e, dessa forma, se despediu da Copa do Mundo de forma honrosa. Além de ter chegado às quartas de final pela primeira vez na história, os paraguaios venderam caro a derrota para a favorita Espanha, que segue firme no Mundial em busca do inédito feito. Com a vitória, a ‘Fúria‘ quebrou uma marca que já durava 60 anos. A primeira e única vez que os espanhóis chegaram a uma semifinal de Copa do Mundo, aconteceu no longínquo ano de 1950, quando a competição foi disputada no Brasil.

Assim, o que tinha tudo para ser uma Copa América com grife, cada vez mais se transforma numa Eurocopa. O clássico europeu entre Alemanha e Espanha vale uma vaga na decisão do Mundial e acontecerá na próxima quarta-feira (7/7), no estádio Moses Mabhida, em Durban, às 15h30. Os alemães tentam chegar à oitava final de Copa do Mundo, enquanto os espanhóis buscam a primeira.

Anúncios

Read Full Post »

México 0 X 1 Uruguai

A seriedade com que mexicanos e uruguaios tratariam o jogo decisivo foi colocada em dúvida, já que o empate beneficiaria as duas equipes. Porém, o que se viu em campo foi totalmente o oposto ao possível ‘jogo de compadres’. O México foi com tudo para cima do Uruguai desde o começo, mas esbarrou na forte retranca celeste. No contra-ataque, os uruguaios ainda conseguiram ser eficientes e marcaram o gol que deu a vitória por 1 a 0 e a classificação para as oitavas-de-final.

O primeiro lance de perigo do jogo foi criado pelo Uruguai. Aos cinco minutos, o atacante Luís Suarez se aproveitou do vacilo da zaga mexicana, avançou pela direita e chutou forte na saída do goleiro Óscar Perez, mas a bola saiu pela linha de fundo. Depois de quatro minutos, outra chance desperdiçada. Forlán cobrou escanteio e o zagueiro Victorino, sozinho, cabeceou por cima da baliza. A partir daí, o México se recompôs passou a mandar no meio de campo. Aos 21, Guardado recebeu a bola e, do meio da rua, mandou uma bomba, que explodiu na trave do goleiro Muslera.

Com amplo domínio, os mexicanos corriam atrás do gol, mas a zaga do Uruguai não dava espaços. Vale lembrar que até agora, nos três primeiros jogos disputados, a zaga uruguaia ainda não foi vazada. Como a equipe de Javier Aguirre se lançava totalmente à frente, o setor defensivo ficava desguarnecido. E essa foi a grande sacada do Uruguai. Forlán, o jogador mais lúcido em campo, pegou a bola no meio de campo e tocou para Cavani na direita. O atacante avançou e cruzou na cabeça de Luís Suarez, que só teve o trabalho de testar para o fundo do gol.

A postura tática da equipe sul-americana foi o diferencial. Bem postada atrás e insinuante nos contra-ataques, o Uruguai aproveitou uma das únicas chances que teve e foi para o intervalo com a vantagem. O resultado não era bom para o México, que com a derrota, corria riscos de ficar de fora das oitavas de final.

Mas o Uruguai voltou querendo mais e quase ampliou aos oito minutos da segunda etapa. Forlán cruzou a bola na área e o zagueiro Diego Lugano mandou de cabeça, obrigando o goleiro mexicano a fazer uma defesa incrível. Aos 19 foi a vez do México perder um gol feito. O zagueiro Maza recebeu um cruzamento na medida e, sozinho, cabeceou para fora. Esses foram os principais lances de perigo na etapa final.

Com o resultado final, os jogadores da ‘Celeste Olímpica‘ comemoraram muito a classificação para a segunda fase da Copa do Mundo, algo que não acontecia desde 1990, na Itália. Os mexicanos ficaram em campo aguardando o término da partida entre África do Sul e França e o resultado final foi favorável. A ‘El Tri‘ conquistou a vaga pelo saldo de gols: um positivo contra dois negativos dos sul-africanos.

Assim, o Uruguai terminou o grupo A na liderança com sete pontos (duas vitórias e um empate) e por esse motivo vai enfrentar a segunda colocada do grupo B, a Coreia do Sul, nas oitavas de final. O jogo entre uruguaios e sul-coreanos será disputado no próximo dia 26 (sábado), às 11h, em Porto Elizabeth. O México, segundo colocado do grupo A, jogará contra a Argentina, líder do grupo B, nas oitavas de final. A partida acontecerá no dia 27 (domingo), às 15h30, em Joanesburgo.

França 1 X 2 África do Sul

O jogo dos desesperados do grupo A foi vencido pelos sul-africanos por 2 a 1, numa partida onde alguns fatores foram evidenciados novamente. A equipe de Carlos Alberto Parreira, bem ao seu estilo retranqueiro, teve um jogador a mais durante 65 minutos dos 90 disputados e, em nenhum momento, o treinador fez alguma substituição a fim de dar mais velocidade ou até tirar um volante e colocar um atleta mais ofensivo. Por esse motivo, a vitória não valeu de nada, já que os ‘Bafana Bafana’ precisavam ter saldo de quatro gols positivos para obter a vaga. Além disso, a França continua a mesma zona. Raymond Domenech trocou cinco jogadores em relação ao time titular que perdeu para o México na segunda rodada, mas de nada adiantou, já que os jogadores continuam completamente desunidos e sem força de vontade.

A África do Sul se lançou à frente desde o início. Aos 20 minutos veio a primeira chance e Khumalo não desperdiçou, concluindo o cruzamento de Tshabalala e se aproveitando da falha do goleiro Lloris. O gol animou a torcida sul-africana, que ainda confiava na classificação. As esperanças aumentaram ainda mais aos 26, quando o meia francês Gourcuff deu uma cotovelada em Subaya e foi expulso pelo árbitro. Com 1 a 0 no placar e a superioridade numérica, a equipe africana tinha chances até de golear a França, não fosse a teimosia tática de Parreira.

Mesmo assim, a empolgação dos jogadores falou mais alto que as coordenadas vindas do banco de reservas. Aos 37 minutos, a zaga francesa falhou e deixou a bola nos pé de Masilela, que bateu cruzado e encontrou Mphela. O atacante apenas completou para o gol vazio e ampliou o placar. Faltavam apenas mais dois gols. A euforia tomava conta de torcida e atletas.

No início do segundo tempo, quase veio o terceiro gol. Tshabalala, o melhor sul-africano em campo, enfiou com açúcar para Mphela, que chutou na trave e perdeu a chance. O próprio Mphela perdeu outro gol, dessa vez aos 17. O jogo foi ficando mais morno e a entrada de Henry fez a equipe francesa melhorar. Só Domenech crê que o atacante do Barcelona não tenha lugar nessa equipe. Com o último algoz brasileiro em Copas do Mundo em campo, a França descontou aos 25 minutos. Sagna lançou para Ribéry, que ganhou na velocidade e rolou a bola para o meio da área, encontrando Malouda sozinho e sem goleiro para diminuir.

O jogo terminou e a África do Sul, mesmo tendo muitas dificuldades técnicas e táticas, fez o que a torcida queria. Honrou o nome do país, venceu ao menos um jogo no Mundial disputado em casa e foi aplaudida de pé pelos torcedores, que reconheceram o empenho dos jogadores. Já a França… o que dizer? Uma melancólica eliminação, um técnico bizarro no banco de reservas e uma equipe totalmente rachada em campo. Em três jogos, duas derrotas e um empate, com apenas um gol marcado. Parece que os ‘deuses do futebol’, de fato, existem. Depois do conhecido gol irregular que deu a vaga aos franceses nesta Copa, os ‘Bleus‘ fizeram um verdadeiro papelão e envergonharam seus torcedores.

Nigéria 2 X 2 Coreia do Sul

A campanha nigeriana na Copa do Mundo foi decepcionante. A seleção que já conquistou medalha de ouro nas Olimpíadas de 1996, em Atlanta e que nos últimos anos revelou bons talentos, não se encontrou nos gramados de seu continente. Depois de duas derrotas, ainda assim a Nigéria chegou à última rodada com boas chances de se classificar. Bastava vencer o adversário por placar mínimo, mas os jogadores abusaram de perder gols, só empataram com a Coreia do Sul em 2 a 2 e estão eliminados do Mundial. Os sul-coreanos comemoraram a classificação às oitavas de final pela primeira vez fora de seu continente. A única participação dos asiáticos nesta fase do torneio aconteceu em 2002, quando atuaram em casa e avançaram até as semifinais.

No primeiro lance perigoso da partida, os nigerianos conseguiram abrir o placar. Aos 12 minutos, Odiah fez boa jogada pela direita e cruzou para a área. O meia Uche se antecipou ao adversário e fez o gol. Melhor em campo, a Nigéria teve outra ótima oportunidade aos 36. Uche chutou de fora da área e a bola explodiu na trave do goleiro Sung Ryong. Porém, no minuto seguinte, os sul-coreanos empataram o jogo com Jung-Soo, que surpreendeu a defesa nigeriana.

Na segunda etapa, os nigerianos continuaram melhores, mas também continuavam perdendo chances de gol. E quem não faz, toma. A virada da Coreia do Sul veio aos quatro minutos. Chu-Young cobrou falta da entrada da área, com efeito, e acertou o canto do arqueiro Enyeama. Ai que a Nigéria foi de vez com tudo para cima. Aos 21 minutos aconteceu um lance incrível, para não dizer outra coisa. Yussuf avançou e, quase na linha de fundo, cruzou rasteiro para o meio da área. Debaixo da trave e, sem goleiro, Yakubu conseguiu a proeza de chutar para fora. Menos mal que três minutos ele se redimiu. Obasi sofreu pênalti e Yakubu converteu a cobrança. Obafemi Martins, que entrou no lugar do veterano Kanu, jogou fora a chance de classificação aos 36 minutos. O jogador recebeu a bola livre e, de frente com o goleiro, tocou por cima pela linha de fundo.

Grécia 0 X 2 Argentina

Os argentinos sofreram mais do que imaginavam para bater a Grécia por 2 a 0 e fechar sua participação na primeira fase do Mundial com três vitórias em três jogos disputados. Muito disso aconteceu por Maradona ter mandado a campo um time com apenas quatro titulares e muitos jogadores desentrosados. Os gregos, por sua vez, não levaram perigo aos rivais e com a derrota, estão eliminados do torneio.

O primeiro tempo foi muito fraco e sem emoção, tanto que o único lance perigoso aconteceu no último minuto, aos 45. Maxi Rodriguez mandou uma bomba para o gol e Tzorvas fez ótima defesa. No rebote, Messi avançou pela direita e obrigou o goleiro grego a operar outro milagre. Para o segundo tempo, a Grécia teria que se expor mais em busca do resultado positivo e isso seria bom para as pretensões argentinas.

O jogo melhorou um pouco, muito pela ofensividade da equipe sul-americana. Aos 32, enfim, saiu o gol da Argentina. Em um bate-rebate dentro da pequena área, a bola bateu em Milito e sobrou livre para o zagueiro Demichelis, que encheu o pé e abriu o placar. Dez minutos saiu o segundo gol. Em belíssima jogada de Messi, o goleiro Tzorvas fez outra boa defesa e a bola sobrou no pé de Palermo, que havia entrado poucos minutos antes. O atacante do Boca Juniors chutou de primeira e deu números finais ao placar.

Com a vitória e a boa campanha na primeira fase, a Argentina segue em frente na competição. O adversário nas oitavas de final será o México, assim como acontecera em 2006. Na ocasião, os ‘hermanos’ tiveram muitas dificuldades e venceram o duelo apenas na prorrogação, com gol salvador de Maxi Rodriguez.

Read Full Post »

Argentina 4 X 1 Coreia do Sul

A vitória sobre a Nigéria na primeira rodada da Copa do Mundo deixou os argentinos com ‘sabor de quero mais’. O resultado por um gol de diferença contra uma seleção amplamente inferior fez Diego Maradona e seus comandados acreditarem que podiam mais. E, de fato, eles podem muito mais. Isso ficou provado no jogo de hoje, quando não precisaram se esforçar muito para golear a Coreia do Sul por 4 a 1 e praticamente selar uma vaga nas oitavas de final.

A Argentina não pôde contar com o meia Juan Verón, que está lesionado e foi poupado pela comissão técnica. Dessa forma, a única diferença em relação à estreia foi a escalação de Maxi Rodriguez no meio campo. Os sul-coreanos, que vinham de boa vitória ante a Grécia, logo perceberam que não poderiam fazer frente aos sul-americanos e ainda fizeram questão de ajudá-los. Aos 16 minutos, Messi cobrou falta na área e a bola tocou caprichosamente na canela do atacante Chu-young, traindo o goleiro Sung-ryong e abrindo o placar para a ‘Albiceleste’.

As duas equipes tiveram chance de marcar após a abertura do placar. Maxi Rodriguez isolou a bola e desperdiçou sua oportunidade, aos 17. Na sequência do lance, quem perdeu foi a Coreia do Sul. Sung-yueng viu o goleiro Romero adiantado e fuzilou, mas a bola passou por cima da baliza. Dez minutos depois, Tevez cobrou falta com perigo também. Aos 32 minutos, Messi rolou para Maxi Rodriguez que cruzou para a área, a bola desviou no zagueiro Burdisso e sobrou livre para Higuaín fazer de cabeça o segundo, contando com ajuda do goleiro.

Seis minutos mais tarde, Higuaín fez ótima jogada pela direita, arrancou e chutou cruzado, o arqueiro sul-coreano espalmou a bola para o meio da área e, no rebote, Di Maria encheu o pé e viu Sung-ryong operar outro milagre, evitando o terceiro tento. Aos 43, outra chance perdida. Messi, o melhor jogador do mundo, fez uma jogada de cinema, passou por quatro adversários e deu um leve toque, mas a bola passou rente a trave. Ainda deu tempo de a Coreia descontar. O goleiro deu um chutão despretensioso para frente, a zaga argentina bateu cabeça e Demichelis entregou a bola de bandeja no pé de Lee Chung-yong, que avançou e tocou na saída do arqueiro da Argentina.

Mesmo sem apresentar um futebol perfeito, os argentinos foram muito melhores que os adversários. Se tivessem calibrado a pontaria, poderiam ter feito mais gols na primeira etapa. O segundo tempo começou quente e logo aos seis minutos, duas chances foram perdidas pela ‘Albiceleste’. Primeiro Higuain finalizou em cima do goleiro sul-coreano, que fez ótima defesa novamente. Alguns segundos depois, Tevez arriscou da entrada da área e viu Sung-ryong defender outra.

Não fosse o arqueiro da Coreia do Sul, a equipe de Maradona teria feito pelo menos uns cinco gols até os 30 minutos do segundo tempo. Mas quem tem Messi, tem tudo. O craque do Barcelona deu uma arrancada típica dele, chutou e o goleiro defendeu, no rebote o camisa 10 tentou de novo e a bola bateu na trave, sobrando livre para Higuaín marcar o terceiro tento argentino na partida. Quatro minutos depois, Messi aprontou outra das suas. Cercado por quatro adversários, o meia achou uma brecha e encontrou Sérgio Agüero livre na esquerda. O genro de Maradona tocou de primeira para o meio da área e Higuaín só teve o trabalho de testar a bola para o fundo do gol e dar números finais ao jogo.

A vitória mostrou uma equipe entrosada e que chegará longe no Mundial. E Maradona mais uma vez provou ter estrela: peitou a opinião de muitos e bancou a escalação de Higuaín como titular, ao invés do badalado Milito, que segue na reserva. E não deu outra. Higuaín marcou três gols no jogo, fez algo que nem o técnico conseguiu com a camisa argentina – fazer um hat-trick na mesma partida – e ainda se isolou na artilharia da Copa do Mundo.

Grécia 2 X 1 Nigéria

O duelo dos ‘desesperados’ do grupo B foi emocionante. A Nigéria mostrou força no início, viu um de seus jogadores ser expulso em um lance ridículo e, a partir daí, tudo foi por água abaixo. A Grécia, que jamais tinha vencido um jogo em Copas do Mundo e nem marcado um gol sequer, se aproveitou da superioridade numérica e, de virada, venceu o jogo por 2 a 1.

A Seleção Grega foi duramente criticada após a estreia, quando foi derrotada pela Coreia do Sul e apresentou um futebol fraco e nada empolgante. Pelo visto, as críticas deram força para os jogadores e hoje, se não fizeram uma partida primorosa, jogaram com raça e transformaram o dia 17 de junho em uma data histórica para o futebol do país.

Entretanto, quem abriu o placar foi a Nigéria. Aos 16 minutos, o volante Uche cobrou falta para o meio da área, todo mundo ficou olhando, inclusive o goleiro, e a bola entrou direto para o gol. Tudo corria bem para os africanos. O domínio da partida e as melhores chances eram criadas pelos comandados do sueco Lars Lagerback. Até que, aos 33 minutos, o meia Kaita conseguiu a proeza de ser expulso fora de campo. Era lateral para os gregos e o lateral esquerdo Torosidis se preparava para cobrar, quando o nigeriano o chutou. Como o juiz estava próximo do lance, não hesitou e expulsou o jogador da Nigéria. Uma tolice sem tamanho, que pode custar a eliminação dos africanos do Mundial.

Daí para frente, a Grécia pôs ordem na casa e mandou no jogo. Aos 43, Salpingidis recebeu passe açucarado de Katsouranis e, de fora da área, encheu o pé. A bola desviou em Haruna e matou o goleiro Enyeama. Com o jogo empatado, o segundo tempo tinha tudo para ter uma Nigéria totalmente fechada e uma Grécia pressionando em busca da vitória. E não deu outra.

Sendo pressionado, os nigerianos acharam uma brecha e por muito pouco não fizeram o segundo gol. O goleiro Enyeama repôs a bola para o ataque, Yakubu não conseguiu passar pelo goleiro e a bola sobrou para Obasi, que, sem goleiro, conseguiu errar. Depois disso, tome pressão da equipe europeia novamente. Assim como fizera contra a Argentina, Enyeama se destacava com defesas incríveis, principalmente, uma feita aos 23 minutos, numa cabeçada de Samaras. Mas a vida do goleiro é tão ingrata que, num instante, todo o cenário foi alterado. Três minutos mais tarde, Tziolis chutou forte, Enyeama bateu roupa e a bola sobrou no pé de Torosidis, que só teve o trabalho de empurrar para o gol e virar o jogo para a Grécia.

O jogo foi bem movimentado e os gregos mereceram a vitória. Já a Nigéria, que foi muito prejudicada por um ato impensado de seu atleta, fez o que pode e ainda tem chances de avançar de fase. A situação do grupo é a seguinte: a Argentina tem seis pontos, Coreia do Sul e Grécia somam três (os asiáticos levam vantagem por terem marcado um gol a mais) e a Nigéria aparece na lanterna, sem pontuação. A última e decisiva rodada do grupo B será disputada no dia 22 (terça-feira). A Nigéria pega a Coreia do Sul em Durban, às 15h30 e a Grécia encara a Argentina em Polokwane, no mesmo horário.

França 0 X 2 México

O jogo disputado em Polokwane foi importante para evidenciar muitas coisas. A fácil vitória do México por 2 a 0 contra a França, mostrou que os mexicanos têm uma equipe bastante qualificada e que, mesmo ainda jovem, podem ter um futuro promissor, além de provar mais uma vez que a Seleção Francesa não é nada sem Zinedine Zidane.

A primeira etapa do confronto foi fraca tecnicamente e ninguém se destacou. Giovanni dos Santos era o melhor mexicano em campo, mas seus companheiros pareciam não entender suas jogadas, da mesma forma que ocorreu no jogo contra a África do Sul, na semana passada. A equipe do excêntrico técnico Raymond Domenech estava completamente perdida em campo. O treinador deixou Gourcuff e Henry (de novo) no banco de reservas e manteve jogadores inoperantes como Anelka e Govou entre os titulares.

Se o primeiro tempo não foi bom, a segunda etapa foi totalmente diferente. O técnico Javier Aguirre, sabendo que precisava da vitória para continuar sonhando, tirou o volante Efraín Juárez e colocou o atacante Javier Hernández. Não demorou muito para a substituição dar resultado. Veloz e habilidoso, Hernández recebeu a bola em posição duvidosa, driblou o goleiro Lloris e mandou para o fundo do gol, enlouquecendo a grande torcida mexicana no estádio Peter Mokaba. O gol fez justiça a quem queria jogo. Os franceses, dispersos e desunidos, pareciam não ver a hora de o jogo acabar.

Aos 33 minutos, o México deu o golpe de misericórdia. Pablo Barrera, que havia entrado há pouco no lugar do machucado Carlos Vela, avançou pela direita, fez grande jogada e foi derrubado por Abidal dentro da área. O juiz marcou pênalti e, na cobrança, o veterano atacante Blanco fez o segundo gol, fechando o caixão dos ‘Bleus’.

A vitória dos mexicanos foi justa e o técnico Javier Aguirre teve grande parcela nisto, já que foi audaz e fez o time jogar para frente em busca dos gols. Méritos para ele, já que agora o México chegou aos quatro pontos no grupo A, empatou com o Uruguai (só perde para os uruguaios no saldo) e tem tudo para conquistar uma vaga nas oitavas de final. Mexicanos e uruguaios farão o confronto latino na última rodada da chave e, se não quiserem correr riscos, têm tudo para fazer o chamado ‘jogo de compadres’, já que o empate classifica os dois. O jogo será disputado no dia 22 (terça-feira), em Rustemburgo, às 11h. No mesmo dia e no mesmo horário, França e África do Sul jogam suas últimas fichas em duelo que será jogado em Bloemfontein.

Read Full Post »

A super quarta-feira no mundo do futebol não foi das melhores. De qualquer forma, confira abaixo uma pequena opinião sobre as principais partidas de ontem:

BARCELONA X INTERNAZIONALE (Champions League)
A vantagem obtida no primeiro confronto pela equipe italiana realmente foi importante no duelo. Na partida disputada ontem no Camp Nou, em Barcelona, o que se viu foi um jogo de ataque contra defesa. Uma defesa sólida comandada pelo gigante Lúcio e um ataque sem muitas alternativas liderado pelo argentino Messi. O jogo não foi tudo o que se esperava. A Inter, com razão, entrou em campo apenas para se defender, não se preocupou em tentar um contra-ataque uma mísera vez. Se tivesse tentado, com certeza teria vencido o jogo, pois até o goleiro Victor Valdés tentava atacar, jogando grande parte da partida no meio de campo. Um ataque teria sido fatal. O Barcelona tentou de todas as formas fazer os gols e, quando conseguiu, já era tarde. O gol de Pique, em impedimento, não foi o suficiente e a Inter mesmo jogando com um a menos em grande parte do jogo (Thiago Motta foi expulso), foi mais eficiente e mereceu a vaga. Agora disputará a final da Champions League contra o Bayern de Munique, no dia 22 de maio, no estádio Santiago Bernabéu, na Espanha.

UNIVERSITÁRIO X SÃO PAULO (Copa Libertadores)
O São Paulo encarou, possivelmente, o pior time dos 16 que estão nas oitavas-de-final da Libertadores de 2010. Nem a pressão da torcida que lotou o estádio Monumental de Lima, no Peru, ajudou os anfitriões. Era um jogo para o São Paulo obter uma boa vantagem para a partida de volta e conseguir melhorar seu futebol. Mas novamente o que se viu foi um time mal em campo, sem jogadas definidas e errando demais.  O resultado de 0 a 0 não foi ruim, mas graças a insistência do treinador Ricardo Gomes em escalar o volante Richarlyson na lateral esquerda, sendo que no elenco há três laterais de origem: Júnior César, Carleto e Diogo, o São Paulo quase se complicou e perdeu o jogo depois de Richarlyson ser expulso corretamente por ter dado um carrinho violento no adversário. Além disso o jogador se descontrolou e precisou ser contido pelos companheiros. Uma cena bizarra. O bom para o torcedor são paulino é que no jogo de volta, na próxima terça-feira, no Morumbi, Richarlyson estará suspenso e não poderá jogar. Um reforço para o time, é óbvio. O São Paulo deve passar com certa tranquilidade pelo Universitário e avançar às quartas-de-final, mas com o time não demonstrando melhoras, será difícil chegar longe nesta Libertadores.

FLAMENGO X CORINTHIANS (Copa Libertadores)
O jogo tinha todos os ingredientes para ser um dos melhores do primeiro semestre. Porém, a chuva torrencial que caiu no Rio de Janeiro, afetou o gramado do Maracanã e dificultou as coisas para os dois times. O primeiro tempo foi horroroso, a bola não rolava e nada de bom era feito. Na segunda etapa, São Pedro deu uma trégua e o gramado teve suas condições um pouco melhores. O Corinthians não se apresentou bem, novamente. A semana de treinamento de Ronaldo parece não ter surtido efeito algum, mesmo com um leve emagrecimento, o fenômeno está muito longe do ideal. Mesmo assim, o Corinthians perdeu algumas chances preciosas de abrir o placar e foi beneficiado quando o jogador Michael, do Flamengo, foi expulso de maneira correta. Eram 11 contra 10. Era a chance do Timão conseguir um bom resultado. Entretanto, quem se deu bem com a expulsão parece ter sido o Flamengo, que melhorou em campo e conseguiu marcar o gol, em pênalti sofrido por Juan e convertido por Adriano. A vantagem de 1 a 0 foi mínima, mas o importante foi o Mengão não ter tomado gols dentro de casa. Na partida da semana que vem, no Pacaembu, o Corinthians precisará vencer por dois gols de diferença para garantir a vaga nas quartas-de-final. É possível, mas o grupo de Mano Menezes precisa melhorar.

BANFIELD X INTERNACIONAL (Copa Libertadores)
Jogando em um estádio acanhado, o Internacional se complicou na Libertadores ao perder por 3 a 1 para o Banfield, atual campeão argentino. Na partida de volta, no Beira-Rio, quinta-feira que vem, o time brasileiro terá que vencer por dois gols de diferença. Mesmo mal organizado taticamente pelo treinador Jorge Fossati, o Inter merecia sorte maior, ao menos no quesito arbitragem. O árbitro do jogo deixou de marcar um pênalti para os gaúchos, validou um gol irregular para o Banfield e ainda expulsou o lateral esquerdo Kléber injustamente. O Colorado deve conseguir o resultado em casa, mas não será nada fácil.

ATLÉTICO-MG X SANTOS (Copa do Brasil)
O duelo dos ‘Meninos da Vila’ contra o técnico Vanderlei Luxemburgo era muito esperado. Quem se sairia melhor? O técnico ou os garotos? Na partida de ida, disputada ontem no Mineirão, o Galo levou a melhor e venceu por 3 a 2, com três gols do atacante Diego Tardelli. Robinho e Edu Dracena descontaram para o Peixe. Mesmo com a vitória, o resultado não foi maravilhoso para o Atlético-MG, principalmente por ter tomado dois gols em casa. Na Vila Belmiro, na semana que vem, uma vitória simples por 1 a 0 coloca o time do Dorival Júnior na semifinal da Copa do Brasil. É bem provável que o Santos siga adiante na competição.

Read Full Post »

O Bayern de Munique venceu a primeira partida da semifinal da UEFA Champions League contra o Lyon por 1 a 0, na semana passada. A vantagem era mínima e mesmo jogando pelo empate, o time alemão mandou no jogo e venceu por 3 a 0, com três gols do croata Ivica Olic.

Jogando no estádio Gerland, em Lyon, os comandados de Louis Van Gaal foram melhores em campo desde o começo, tanto que o Bayern perdeu um gol feito nos primeiros minutos, mas mesmo assim não desistiu de atacar. Mesmo sem Ribéry, expulso no último jogo, o seu substituto Hamit Altintop fez um grande jogo e levou muito perigo pelo lado esquerdo do campo. Robben, destaque da equipe nas últimas fases da competição, pouco produziu durante o jogo, já que a marcação do time francês foi implacável em cima dele.

Enquanto os zagueiros do Lyon se preocupavam com Robben, Olic fez a festa. Aos 26 minutos do primeiro tempo, o croata recebeu ótimo passe dentro da área, girou e marcou o primeiro. Alguns minutos depois o Lyon teve uma das únicas chances no jogo, mas o brasileiro Michel Bastos perdeu gol incrível.

Na segunda etapa, Olic continuou fazendo a diferença. O croata sofreu uma falta do zagueiro Cris, lance que ocasionou a expulsão do brasileiro, deixando o caminho ainda mais livre para a vitória alemã. Aos 22 minutos, o atacante recebeu precioso passe na esquerda, invadiu a área e anotou o segundo do Bayern. Onze minutos depois, Olic fechou o placar marcando um gol de cabeça, o terceiro da equipe bávara no jogo, o terceiro de Olic na partida. Com os três gols anotados hoje, Olic chegou à vice-liderança na artilharia da Champions League, com sete gols no certame, um a menos que o argentino Messi, do Barcelona.

Depois de nove anos, o Bayern de Munique volta a decidir a decisão do principal torneio de clubes do mundo. Tetracampeão europeu, os alemães conquistaram o título na última vez que disputaram a final, na temporada 2000/2001, quando venceram o Valência nos pênaltis. Amanhã os alemães conhecerão o adversário da decisão, que sairá do jogo entre Barcelona e Internazionale.

Read Full Post »

Como esperado, Internazionale e Barcelona fizeram um grande duelo na tarde desta terça-feira no estádio Giuseppe Meazza, em Milão. O jogo foi válido pela partida de ida das semifinais da Champions League e os italianos venceram por 3 a 1, de virada.

Muito disputado e recheado de craques, o jogo foi movimentado desde o início. O Barcelona tinha bastante posse de bola e dominava o meio de campo. Não demorou muito para o primeiro gol sair. O brasileiro Maxwell fez boa jogada pela esquerda, bateu cruzado para a área e Pedro, de primeira, abriu o marcador, aos 19 minutos. Depois do gol, a Inter melhorou e a partir daí, deu um banho de aplicação tática no adversário.

Outro brasileiro, Thiago Motta, anulava as investidas de Messi. Com marcação forte, o argentino pouco produziu na primeira etapa. Bem postada, a equipe italiana equilibrou o confronto e através de uma jogada iniciada por Maicon, Diego Milito recebeu dentro da área, girou e deixou o holandês Sneijder livre para empatar a partida.

Na segunda etapa, o jogo continuou da mesma forma, com a Inter marcando forte e investindo nos contra-ataques. Logo aos três minutos, numa rápida descida, Milito viu Maicon entrar livre pelo meio da defesa e tocou para o brasileiro, que dominou e bateu na saída do goleiro Valdes. Em desvantagem, a equipe catalã foi para cima e obrigou Júlio César a fazer pelo menos três defesas importantes.

A Inter queria mais e conseguiu. Aos 16 minutos, Maicon recebeu a bola pela direita, cruzou para a área e Sneijder escorou para o meio, Milito, em impedimento, tocou de cabeça para o fundo da rede para marcar o terceiro gol da Inter. Com ampla desvantagem no placar, algo pouco provável para o atual time do Barcelona, a equipe foi com tudo para cima e continuou dando trabalho para o goleiro Júlio César. Seguro, o brasileiro garantiu o placar e a vantagem para o segundo confronto. O zagueiro Lúcio também salvou os italianos, ao tirar uma bola em cima da linha no final do jogo.

No dia em que Messi não teve o mesmo brilho de outros jogos, outro argentino se encarregou de fazer a diferença. Diego Milito foi o principal destaque da partida, fazendo o último gol e dando as assistências para os dois primeiros tentos. Cansado, o atacante foi substituído por Balotelli e deixou o gramado aplaudido.

Na próxima semana, no Camp Nou, em Barcelona, os catalães precisarão ganhar por 2 a 0 ou por três gols de diferença para conquistar a vaga na decisão europeia. A Inter fez muito bem a sua lição de casa e está próxima de chegar a uma final da Champions League depois de 38 anos, já que a última vez que disputou o título foi na temporada 1971/1972, quando perdeu a decisão para o Ajax por 2 a 0.

Read Full Post »

Arthur Antunes Coimbra.

Mundialmente, Zico.

Nascido em 1953, na cidade do Rio de Janeiro, o ex-jogador e atual técnico foi um dos principais jogadores brasileiros em todos os tempos. Começou a carreira aos 14 anos no Flamengo e pelo clube da Gávea fez história. Foi o grande líder da célebre equipe rubro-negra dos anos 70 e 80, conquistando inúmeros títulos como seis campeonatos cariocas (1972, 1974, 1978, 1979, 1981 e 1986), quatro campeonatos brasileiros (1980, 1982, 1983 e 1987), além das principais conquistas do clube da Gávea na história, ambas em 1981, com os títulos da Copa Libertadores e do Mundial Interclubes. Zico é o maior artilheiro da história do Flamengo com 508 gols em 731 partidas disputadas. Com 333 tentos anotados, o ex-jogador também é o maior artilheiro de todos os tempos no Maracanã.

O ‘Galinho de Quintino’ (apelido recebido pelo corpo franzino e por ter nascido no bairro carioca de Quintino) também atuou pela Udinese, na Itália e pelo Kashima Antlers, no Japão, além de ter disputado três Copas do Mundo pela Seleção Brasileira, nos anos de 1978, 1982 e 1986.

Depois de pendurar as chuteiras, Zico teve uma passagem como Coordenador técnico da Seleção Brasileira na Copa de 1998 e se tornou treinador, tendo passado por Kashima Antlers, do Japão; CFZ (clube fundado por ele no Rio de Janeiro); Seleção Japonesa; Fenerbahçe, da Turquia; Bunyodkor, do Uzbequistão; CSKA, da Rússia e Olympiakos, da Grécia.

Em sabatina do jornal Folha de São Paulo, realizada na manhã desta terça-feira no Teatro Folha, Zico foi questionado sobre diversos assuntos pelos jornalistas presentes e também pela platéia. O MFC esteve presente na entrevista e abaixo reproduz os principais trechos da entrevista desde a fatídica partida contra a França na final da Copa de 1998, passando pelas possíveis convocações de Neymar, Ronaldinho Gaúcho e Adriano para o mundial de 2010, até a sua opinião contundente quanto ao continuísmo dos presidentes das principais entidades que gerem o esporte no país.

CASO ‘RONALDO’ NA COPA DO MUNDO DE 1998

Às cinco horas da tarde, o Ronaldo estava mais ou menos uns 50 metros na minha frente, ele parou na frente da porta do refeitório e ficou como se tivesse fazendo um aquecimento, levantando a perna e tal. Então eu falei: “Pô, Ronaldo. O jogo é às 21h e você está fazendo aquecimento agora? É muito cedo”. Ele respondeu: “Eu não sei o que me aconteceu. Estou todo dolorido, parece que eu recebi uma surra, minha musculatura está dura”. Depois do lanche das cinco horas, foi feita uma reunião entre a comissão técnica. O Dr. Lídio (Lídio Toledo, médico da Seleção Brasileira na época) explicou o que o Ronaldo teve para todos nós e falou: “Zagallo, ele não tem condição de jogo”. Então ele estava vetado para a decisão. Depois o Ronaldo foi para o hospital e o Zagallo escalou o Edmundo para jogar a final em seu lugar. Realmente fizemos o que devia ser feito. Fomos para o estádio, havia uma tensão muito grande.  No ônibus indo para o estádio, foi difícil o Zagallo explicar para o grupo porque o Ronaldo não iria jogar. Ele apenas deu muita força para o Edmundo e fez aquela preleção que ele sempre faz. Já no estádio, houve uma reunião no vestiário. Eu participei e quando cheguei lá, em um canto estava o Ronaldo, de calção e meia, no outro estava o Américo Faria (supervisor da CBF), Zagallo, Lídio Toledo, Ricardo Teixeira (presidente da CBF) e o Fábio Koff (chefe da delegação na Copa do Mundo de 1998 e atual presidente do Clube dos 13) todos sentados e o Ronaldo em pé, dizendo: “Eu fiz os exames, estou bem e não tenho nada, vou jogar”. Aí o Dr. Lídio ficou quieto e o Zagallo perguntou: “Você está bem mesmo?” Ele respondeu: “Estou!” Então o Zagallo disse para ele ir aquecer para entrar em campo. Com tudo isso, se tivesse alguém que poderia ter vetado o jogador para aquela partida, seria o médico. Mas como o médico não falou nada, acho que o Zagallo tomou a decisão que deveria ser tomada. Essa é a versão que eu vi, que eu participei. E essa minha versão vai ser a de 1998, de 2000, 2010 e eu vou ficar velhinho contando a mesma coisa, que foi o que eu vi. Eu não vi outras coisas. Aí cabe as pessoas acreditarem ou não. Com certeza essa questão toda foi fundamental para a Seleção ter se comportado daquela forma dentro de campo. Esse foi um problema que realmente foi difícil de solucionar e acho que o outro grande erro foi esconder isso, pois deu margem para cada hora surgir uma nova versão do caso. Eu escutei declarações que o Ronaldo não ia jogar porque tinha problema no tornozelo, depois que a culpa era de um cozinheiro marroquino, que a Nike pagou o Brasil para entregar a Copa do Mundo, etc. Cada um criou a sua versão da sua maneira e acho que faltou naquele momento, quando aconteceu o episódio, chamar todo mundo, inclusive o presidente da CBF e procurar uma solução para o caso. Se tivesse acontecido na véspera da partida, talvez fosse mais fácil de resolver o problema, mas como aconteceu depois do almoço no dia do jogo, foi difícil. Então, tudo isso contribuiu para aquela atuação pífia da Seleção, acho que poderíamos até perder, pois a Seleção Francesa tinha um ótimo time, mas é inadmissível que uma seleção que jogou o que jogou na semifinal contra a Holanda, numa partida brilhante e, de repente, quatro dias depois, não sabia o que fazia em campo. Eu acredito que aquilo foi um fator decisivo na atuação da Seleção Brasileira.

NEYMAR

Em 1974, eu estava com 21 anos e já jogava o Campeonato Brasileiro, inclusive recebi o prêmio “Bola de Ouro”, da revista Placar. É lógico que eu estava totalmente preparado para jogar aquela Copa do Mundo, mesmo sendo jovem. (Zagallo era o treinador brasileiro e não convocou Zico para o mundial). O mesmo caso ocorre atualmente com o Neymar, do Santos. Ele está totalmente preparado para ir à Copa. Ele é um jogador diferenciado, do mais alto nível, da maior qualidade e, infelizmente, no processo de testes que o Dunga fez nos últimos anos, quando o treinador deu chances para muita gente nesse período, o Neymar não tinha aparecido ainda. Mas se ele apareceu agora e é bom, acho que tem que levar. Esse é o jogador que eu levaria e acho que ele poderia modificar e ajudar muito a Seleção. Não apenas levá-lo para adquirir experiência e amadurecê-lo para daqui quatro anos, não é isso. Então, se o cara é bom, pode servir como mais uma opção para o treinador, ele tem que ir independentemente da idade. Pela postura dele em campo, você percebe que ele está pronto e pode ser aproveitado.

ADRIANO

Eu levaria o Adriano para a Copa do Mundo. Se ele estiver com o estado de espírito consciente como um atleta para jogar uma competição dessas, ele tem que ir. E na Seleção me parece que até hoje ele não teve problemas. Agora, realmente hoje ele está mais pesado e, por isso, ele está numa condição abaixo para numa Copa do Mundo enfrentar os europeus. Então ele deve entrar num processo de perceber que é importante para o Brasil e que tem capacidade para isso. Se ele colocar isso na cabeça, nesses dois meses aí que faltam para o mundial, ele pode reunir condições e ajudar o Brasil.

RONALDINHO GAÚCHO

Eu não creio que o Dunga não convoque o Ronaldinho por uma questão pessoal. A questão que eu discuto é que você não pode abrir mão de um jogador que foi duas vezes o melhor jogador do mundo. Não é qualquer um que consegue isso. O Ronaldinho com toda essa qualidade, o que todo mundo espera é que ele continue fazendo o que sempre fez. Vendo o Messi fazer tudo o que está fazendo, a gente sabe que ele também pode fazer, tem capacidade para isso. O que eu não quero ver é o Ronaldinho limitado, como ele está hoje. Limitado a jogar numa certa faixa do campo, em pegar a bola, dar um drible pro meio e jogar a bola para a área. Quero que ele tenha uma participação intensa. O problema é que nos últimos dois anos, ele se acomodou muito em fazer duas ou três coisas numa partida e não ter uma participação intensa. O problema pode ter sido a participação dele nas Olimpíadas de 2008, quando ele não rendeu o esperado. Dali para cá, o Ronaldinho não teve muitas oportunidades. Será que aconteceu alguma coisa? Não sei. O problema está aí. Pode ter acontecido alguma coisa e o Dunga perdeu a confiança nele. Mas isso só o treinador pode responder. Como jogador, pelo o que ele já mostrou, deve ir. Mesmo não atravessando um bom momento assim como o Robinho, Nilmar e Luís Fabiano, que são titulares absolutos. Até mesmo o Kaká que não está jogando, o Felipe Mello está cheio de problemas na Juventus e na reserva. O Júlio Baptista, Doni e Josué também estão na reserva. Enfim, tudo isso é uma escolha do técnico.

FUTEBOL BRASILEIRO X FUTEBOL EUROPEU

Em termos de gestão, nós (brasileiros) perdemos nossos principais jogadores. É inadmissível que uma Seleção Brasileira não tenha cinco jogadores que atuem aqui no Brasil. Então isso aí é o que? Má gestão. Você não tem condições econômicas para manter esses jogadores. Isso é totalmente diferente do que acontece na Europa. Por exemplo, os jogadores da Holanda não saem de lá para jogar na Inglaterra ou na Espanha por uma má gestão dos clubes holandeses ou por questões financeiras. Eles saem por visibilidade. É diferente. A maioria dos jogadores brasileiros saem pela parte financeira acima de tudo. O Campeonato Brasileiro é um dos mais difíceis do mundo. Quando começa a competição, é fácil apontar 15 times favoritos. Ele pode ser o campeão ou ser o décimo quinto. Isso é o equilíbrio. Lá fora não acontece isso. Na Espanha, por exemplo, quantos anos o título ficou com o Barcelona e o Real Madrid? Uma vez ou outra aparece um time diferente como apareceu o La Coruña uma vez. Na Itália é Milan, Juventus ou Internazionale. E todo mundo fala do futebol italiano, mas são sempre os mesmos que ganham. Na Holanda é o PSV e o Ajax. Na Turquia é o Galatasaray, Besiktas ou Fenerbahçe. No Brasil não. Aqui é uma dificuldade muito maior. Essa é a questão. A CBF também tem uma parcela de culpa, pois não paga um tostão para trazer os jogadores para a Seleção. Imagina se tivesse que pagar ao Real Madrid para trazer o Kaká ou ao Sevilla pelo Luís Fabiano? Então, a CBF quer mais é que os jogadores vão para fora mesmo. Além disso, a entidade poderia ajudar mais os clubes e fazer um calendário melhor, porque o jogador brasileiro gosta de jogar no Brasil. Se eles tiverem uma estrutura boa para poder atuar bem, eles jogam aqui. Isso tudo é o motivo por termos que ficar assistindo os campeonatos dos outros países.

CONTINUISMO DOS DIRIGENTES BRASILEIROS

Eu penso que não é possível que só tenha uma pessoa para gerir as entidades em cada esporte brasileiro. As pessoas têm competência, mas ficar 20 anos como o Ricardo Teixeira está na CBF e o Carlos Arthur Nuzman no COB (Comitê Olímpico Brasileiro). Agora o Fábio Koff é reeleito no Clube dos 13. Pô, não é possível que só tenham essas pessoas para gerenciar e administrar. Que eles conseguiram resultados através da competência, isso é óbvio, mas existem outras pessoas também que podem dar sua contribuição. Com isso, nem surgem novos candidatos a esses cargos, pois sabem que vão perder e serão apenas mais um.

Nota: Ricardo Teixeira preside a CBF desde 1989, enquanto Carlos Arthur Nuzman comanda o COB desde 1995.

Read Full Post »

Older Posts »