Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Lugano’

Uruguai 2 X 3 Holanda

A primeira semifinal da Copa do Mundo colocou frente a frente o bicampeão Uruguai contra a Holanda, a única seleção que chegou à esta fase com 100% de aproveitamento. Já apontados como favoritos para o confronto, os holandeses ainda se beneficiaram com os inúmeros desfalques uruguaios (Lugano e Fucile machucados, além de Luis Suárez suspenso) que forçou o técnico Oscar Tabárez até a mudar o esquema tático, e, depois de encontrarem muitas dificuldades, resolveram o jogo só no segundo tempo e venceram por 3 a 2. Este resultado recoloca a Holanda numa decisão de Copa do Mundo pela terceira vez na história.

A ‘Celeste‘ jogou quatro dos seus cinco jogos no Mundial no esquema 4-3-3, com Forlán mais recuado e Suárez e Cavani avançados. Como Suárez não pôde ser escalado hoje, o treinador uruguaio precisou mudar seu esquema de jogo para o 4-4-2, deixando Forlán no ataque, algo que diminuiu consideravelmente o desempenho do principal jogador do time. Assim sendo, a Holanda tratou de impor seu favoritismo e começou pressionando os sul-americanos. O lateral esquerdo Martín Cáceres, que substituia Fucile, parecia perdido em campo e nos cinco minutos iniciais errou todas os passes que tentou.

A primeira grande oportunidade da partida aconteceu aos três minutos. Sneijder cruzou a bola na área e o goleiro Muslera saiu errado do gol. No rebote, Kuyt pegou de primeira e chutou por cima da trave. Era o prenúncio da superioridade técnica que os holandeses teriam nos minutos seguintes da partida. Com o Uruguai recuado, a Holanda percebeu o bom momento e abriu o placar aos 17 minutos, em chute de muito longe do capitão Van Bronckhorst que entrou no ângulo de Muslera.

Com a vantagem, os comandados do técnico Bert Van Marwijk diminuiram o ritmo e deixaram espaços. Mesmo com mais liberdade, a falta de qualidade técnica da ‘Celeste’ impedia que o empate saísse. Porém, a Seleção Uruguaia vem recebendo muitos elogios neste Mundial por dois motivos: sua tradicional garra e Diego Forlán, o único jogador com poder de decidir uma partida. E não deu outra. Aos 40 minutos, Forlán — sempre ele — arriscou um chute de fora da área e fez um golaço, empatando o jogo.

O gol era tudo que os uruguaios precisavam. No retorno do intervalo, a equipe de Oscar Tabárez voltou mais confiante e passou a dominar a partida. Esse domínio durou até o vigésimo minuto da segunda etapa e, na única chance real de gol, aos cinco, a Holanda errou a saída de bola, Cavani dividiu com o goleiro Stekelenburg e na sobra Van Bronckhorst tirou a bola para salvar os europeus. O domínio não foi bem aproveitado pela ‘Celeste‘, que não conseguiu desempatar o jogo e aos poucos foi perdendo terreno. Aos 24, Sneijder arriscou um chute rasteiro, a bola passou por dois zagueiros uruguaios, traiu Muslera e morreu no fundo da rede, desempatando o jogo para a ‘Laranja Mecânica‘.

Três minutos depois veio o golpe de misericórdia. Kuyt cruzou da esquerda e Robben fez o terceiro de cabeça. O gol abateu demais o Uruguai. Mas a cultura do povo ‘charruá’ tem como tradição a raça, a determinação e a questão de jamais deixar de lutar. Dessa forma, a ‘Celeste‘ continuou lutando — mesmo que quase sem forças — e não desistiu. Foi para o tudo ou nada e conseguiu diminuir o placar aos 46 minutos, com gol de Maxi Pereira, de fora da área. O gol pôs fogo no jogo novamente. O árbitro uzbeque, Ravshan Irmatov, que havia dado apenas três minutos de acréscimos, deixou o jogo correr até os 50, para o desespero da Holanda. Em três minutos, o Uruguai jogou inúmeras bolas para a área em busca do empate, que não veio, mas ao menos a vontade da equipe deve ser exaltada.

Os uruguaios se classificaram para a Copa do Mundo na bacia das almas. Depois de terminar em quinto lugar nas eliminatórias sul-americanas, o Uruguai precisou disputar a repescagem contra a Costa Rica e a vaga só foi definida nos minutos finais do confronto. É óbvio que ninguém esperava uma campanha tão boa como essa, talvez nem mesmo os jogadores. Com qualidade técnica inferior a do adversário, a ‘Celeste‘ não deixou de lutar e vendeu caro a derrota para a forte Holanda. Mesmo não disputando a decisão da Copa do Mundo, os uruguaios merecem todos os elogios.

A Holanda, por sua vez, vem fazendo seu papel de forma pragmática, é bem verdade, mas não é justo desconfiar da qualidade de um time que não perde há 25 jogos, que até aqui venceu os seis jogos que disputou no Mundial e que tem dois jogadores com a qualidade de Sneijder e Robben. Depois de 32 anos, a ‘Laranja Mecânica‘, sem o mesmo brilho de outrora, está na decisão da Copa do Mundo pela terceira vez em sua história. Independente do título, os craques do passado que chegaram tão perto das conquistas em 1974 e 1978 devem estar orgulhosos com a nova geração. A Holanda conhecerá seu adversário na decisão amanhã, no confronto entre Alemanha e Espanha.

Read Full Post »

Por: Erik Rodrigues*

Uruguai 2 X 1 Coreia do Sul

Uruguai e Coreia do Sul abriram as oitavas de final da Copa do Mundo, no estádio Nelson Mandela Bay, na cidade de Porto Elizabeth. De um lado, um surpreendente Uruguai, que terminou a primeira fase como líder de seu grupo. Do outro, o bom e rápido time sul-coreano, que vem evoluindo bastante tecnicamente. Os asiáticos vieram para a partida com uma formação mais defensiva, com cinco jogadores no meio de campo e apenas um atacante. Já o Uruguai manteve o esquema com Forlán como armador e dois atacantes, Cavani e Suarez.

No início, as duas esquipes mostraram que iriam partir pra cima. E a Coreia do Sul assustou primeiro. Em cobrança de falta, Park Chu-young acertou a trave direita do goleiro Muslera. Mas a resposta não demorou. Aos sete minutos, Forlán recebeu na esquerda, cortou o zagueiro e cruzou para a área. A bola passou por toda a defesa, pelo goleiro Sung-ryong e sobrou para Suarez que, mesmo sem ângulo, bateu de primeira e abriu o placar.

O gol deixou os sul-coreanos perdidos e o time do técnico Oscar Tabárez tocava a bola com tranquilidade. Ao adiantar a marcação, os sul-americanos obrigavam a Coreia do Sul a dar chutões da defesa direto para o ataque. Com isso, recuperavam a bola e criavam mais chances. Em uma destas oportunidades, Forlán avançou e passou para Suarez que bateu para o gol. A bola desviou no braço do meia Ki Sung-yueng, mas o juiz alemão Wolfgang Stark não marcou o pênalti. A Coreia do Sul arriscava pouco, pois estava mais preocupada em não levar o segundo gol. Em um chute de longe, Park Chu-young assustou o goleiro Muslera e essa foi a última chance da etapa inicial.

No segundo tempo, o zagueiro Godín saiu, com problemas estomacais. Victorino entrou em seu lugar. Além disso, os sul-coreanos voltaram com mais disposição para buscar o empate. O efeito deste ânimo foi logo percebido aos seis minutos. Park Chu-young recebeu sozinho na grande área, mas desperdiçou a chance. O Uruguai recuou e passou a apostar no contra-ataque. Mas os asiáticos continuaram buscando a igualdade. Park Ji-Sung teve ótima oportunidade aos treze minutos, mas Muslera fez bela defesa. Com dificuldades para trocar passes no meio campo, os uruguaios ficaram acuados.

O técnico Huh Jung-Moo colocou mais um atacante e partiu para cima do adversário. E de tanto insistir, o time asiático foi compensado. Aos 23, Muslera saiu mal do gol e Lee Chung-yong marcou. Foi o primeiro gol sofrido pelo Uruguai no Mundial. Na sequência, a Coreia do Sul quase virou. O mesmo Lee Chung-yong recebeu livre pela direita, mas chutou fraco em cima do goleiro.

O domínio sul-coreano acabou aos 27 minutos, quando Suarez, sempre ele, bateu cruzado para a defesa de Sung-ryong. Era o indício de que os uruguaios voltavam para o jogo. O começo da chuva dava o toque de dramaticidade à partida. E o gol não demorou a surgir. Suarez recebeu pela esquerda, cortou para o meio e bateu de chapa, de pé direito, com curva, no canto esquerdo do goleiro asiático. Festa e êxtase no banco de reservas e certamente por todo o Uruguai. O gol de Suárez abateu o time da Coreia do Sul. Mesmo assim, eles foram para cima, na tentativa de igualar o marcador. Aos 42, Park Chu-young teve ótima chance, mas bateu fraco. A bola ainda passou por baixo de Muslera, mas foi fraca para o gol e Lugano afastou.

Fim de jogo e festa uruguaia em Porto Elizabeth. O Uruguai, após 40 anos, está entre os oito melhores times da Copa. E tem boas chances de chegar às semifinais, algo que não consegue desde a Copa de 1970. Os asiáticos ficaram desolados pela eliminação, mas estão de parabéns, pois apresentaram um bom futebol e mantiveram a evolução de seu jogo.

Com a vitória, o Uruguai renasce para o futebol mundial. E é muito bacana ver um time, com a tradição da ‘Celeste Olímpica‘, se recuperar. Independente de vencer a Copa ou não, os uruguaios já conseguiram um feito maior: mostrar que ainda podem ser uma equipe muito competitiva, como foi por vários anos no passado. E dar ainda mais orgulho ao seu povo. Gana e Uruguai se enfrentam na próxima sexta-feira (2/7), em Joanesburgo, às 15h30.

Estados Unidos 1 X 2 Gana

Estados Unidos e Gana fizeram a segunda partida do dia pelas oitavas de final da Copa do Mundo. Os norte-americanos surpreenderam e ficaram em primeiro no grupo C, à frente da poderosa Inglaterra, com um bom futebol baseado na rápida troca de passes. Já os ganeses conquistaram a vaga ao ficar em segundo lugar no grupo D, atrás da Alemanha.

O primeiro tempo foi dominado pelos africanos, que logo aos cinco minutos fizeram o gol. Prince Boateng aproveitou o erro de Richard Clark no meio campo, avançou pela esquerda e bateu rasteiro, sem chances para Tim Howard. A vantagem deixou os sobrinhos do Tio Sam assustados e Gana partiu pra cima. Boateng, de fora da área, e Gyan, de falta, obrigaram o goleiro norte-americano a fazer defesas difíceis.

Percebendo que seu time estava dominado, o técnico dos Estados Unidos, Bob Bradley, tirou Clark e colocou Maurice Edu, aos 30 minutos. A mudança surtiu efeito, a equipe passou a trocar mais passes com calma e conseguiu chegar ao ataque. Aos 34, Findley teve ótima oportunidade, mas bateu em cima do goleiro. Na volta para o segundo tempo, Findley saiu e deu lugar para o brasileiro naturalizado norte-americano Feilhaber. E já em seu primeiro lance ele saiu na cara de Kingson, que fez milagrosa defesa. O time africano recuou para evitar o empate e apostou nos contra-ataques puxados por Gyan.

Mas os Estados Unidos estavam melhores em campo. E o resultado disso foi a jogada de Dempsey na direita. Ele recebeu na frente, tocou no meio das pernas de John Mensah e, quando invadiu a área, foi derrubado por Jonathan Mensah. Pênalti convertido por Donovan. Empolgados com o gol, os norte-americanos continuaram atacando. Aos 23, Altidore recebeu lançamento e saiu na cara de Kingson, que deu carrinho na bola e afastou o perigo. Aos 32, Bradley invadiu a área, mas chutou fraco. Mas ao invés de tocarem a bola, o time de Bob Bradley tentava o gol com chutões para a área. A tática não surtia efeito, graças à altura e força dos ganeses.

Fim do tempo normal e a partida foi para a prorrogação. Nos ‘Yankees‘, Altidore saiu para a entrada de Gomez. Mas logo no início, aos três minutos, um chutão da defesa achou o craque do time ganês, Gyan. Ele trombou com o zagueiro Bocanegra, saiu da falta, ganhou de Jay DeMerit na corrida e soltou a bomba. Gol de Gana, gol de toda a África! A partir daí, só deu Estados Unidos. Na base da pressão, os norte-americanos lançavam a bola para a área de qualquer lugar do campo. No melhor estilo argentino, Gana fazia a famosa “cera” e tentava ganhar tempo. Porém, os cruzamentos eram todos afastados pela defesa africana. Até o goleiro Howard foi para o ataque no final do jogo, mas sem sucesso.

Fim de jogo, festa de Gana em Rustemburgo. Pela terceira vez na historia, uma equipe africana chega às quartas de final. Nas arquibancadas, os torcedores ganeses comemoravam muito a conquista da vaga. Não era apenas a classificação de um time, era a classificação de um continente, pois os sul-africanos adotaram a equipe, após a eliminação dos ‘Bafana-Bafana‘. Aos Estados Unidos, mais uma vez fica a boa campanha. Após o vice-campeonato na Copa das Confederações do ano passado, os norte-americanos mostraram clara evolução. Mas ainda precisam melhorar.

* Erik Rodrigues é jornalista e são-paulino.

Read Full Post »