Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Campeonato Brasileiro’

Por: Erik Rodrigues

Internacional e São Paulo fizeram o primeiro duelo das semifinais da Taca Libertadores da América no estádio Beira-Rio, em Porto Alegre. Antes da parada para a Copa do Mundo, o time gaúcho trocou de técnico, reforçou o elenco e venceu os quatro jogos do Campeonato Brasileiro. Já o Tricolor do Morumbi manteve o criticado Ricardo Gomes, trouxe o atacante Ricardo Oliveira e ganhou apenas um ponto dos 12 disputados no torneio nacional.

A torcida Colorada lotou o estádio e fez uma festa bonita para receber a equipe. E o resultado disso foi o domínio das ações em todo o primeiro tempo. Sim, eu disse TODO o primeiro tempo. Jogando em casa e contra um adversário covarde, o Inter partiu para cima. Taison e o argentino D’Alessandro comandavam as investidas no ataque, apoiados por Nei e Kléber nas laterais. Mas apesar da maior posse de bola, o time gaucho não chegava com perigo ao gol de Rogério Ceni. A primeira conclusão à meta tricolor foi aos 18 minutos, com D’Alessandro. Em uma bela troca de passes invertida da direita para a esquerda, Kléber recebeu e cruzou na área. O atacante Taison tocou de cabeça, mas o goleiro são-paulino voou e defendeu com segurança. Já o São Paulo nem dava sinais de que queria jogar futebol e praticava o antijogo em sua mais perfeita concepção. Fernandão e Dagoberto ficavam isolados na frente e todos os outros jogadores simplesmente davam bico para qualquer lado. Um horror!

Na segunda etapa o cenário se manteve, mas desta vez o Inter conseguiu concluir a gol com mais perigo. Logo no início, Andrezinho arriscou de fora da área, mas Rogério defendeu. Logo depois, Kléber avançou na área, mas o goleiro são-paulino saiu bem e evitou a conclusão. O gol Colorado era questão de tempo. Aos 20 minutos, o técnico Celso Roth trocou Andrezinho pelo jovem Giuliano. E o talismã, que já tinha salvado o clube no duelo contra o Estudiantes nas quartas de final, trouxe mais uma vez a sorte para o time. Três minutos depois de entrar, D’Alessandro passou para Alecsandro na entrada da área. O atacante sofreu falta, mas o árbitro Hector Baldassi corretamente deu vantagem. Na sequência, Giuliano girou e bateu no canto direito de Rogério Ceni, que nem se mexeu.

O gol premiou a equipe que relmante jogou futebol e buscou o ataque com mais eficiência. E o Colorado não parou por ai. Taison, Kléber e Alecsandro tiveram boas oportunidades, mas não conseguiram ampliar o placar. Vendo seu time acuado, o treinador Ricardo Gomes tirou o inócuo Dagoberto e promoveu a reestreia de Ricardo Oliveira. Também colocou Cléber Santana no lugar de Richarlyson, a fim de reconquistar o meio campo. As mudanças, alinhados a um recuo do adversário, surtiram um pouco de efeito. O São Paulo conseguiu, enfim, após quase 70 minutos de partida, arriscar um chute a gol. Hernanes e Ricardo Oliveira tentaram, mas sem levar perigo à meta de Renan.

Vitória mais do que merecida do Internacional que, mesmo sem criar tantas chances claras, conseguiu dominar a partida. Ao São Paulo, cabe escolher se vai voltar a jogar futebol ou mais uma vez vai fazer este papelão e apresentar uma proposta de jogo covarde diante de seu torcedor. A partida de volta será na próxima quinta-feira (05/08), no Morumbi, em São Paulo.

Read Full Post »

O novo treinador da Seleção Brasileira, Mano Menezes, foi apresentado oficialmente hoje no Rio de Janeiro e logo de cara já fez sua primeira convocação, visando o jogo contra os Estados Unidos, no próximo dia 10 de agosto, em Nova Jersey. Como era esperado, o técnico reciclou completamente a equipe, abriu espaços para os jovens e deixou de lado a maioria dos jogadores que disputaram a última Copa do Mundo.

Acatando ordens da CBF e, principalmente, do torcedor brasileiro que clamava por mudança, Mano Menezes fez o que dele se esperava. A média de idade da atual Seleção Brasileira é de 23,1 anos, bastante inferior a da equipe que disputou o último Mundial, que era de 29,3 anos. O MFC considerou a lista positiva (veja abaixo uma análise dos selecionados) e agora é a hora dos jovens mostrarem serviço com a camisa brasileira. Os únicos remanescentes do fracasso brasileiro na África do Sul são os também jovens Ramires, Thiago Silva, Daniel Alves e Robinho.

Para o gol, o treinador convocou Victor, do Grêmio, Jefferson, do Botafogo, e Renan, do Avaí. Três boas escolhas. O goleiro gremista vem se destacando há um bom tempo e deveria ter ido à Copa do Mundo. Mesmo aos 27 anos, essa é uma idade madura para um goleiro. Jefferson e Renan foram as surpresas. Através do goleiro, o Botafogo conseguiu colocar um jogador no selecionado brasileiro após 12 anos, já que os últimos que jogaram pela Seleção e atuavam com a camisa do alvinegro foram o atacante Bebeto e o zagueiro Gonçalves, em 1998. Renan, o mais jovem dos três, vem apresentando muita qualidade no Campeonato Brasileiro e, mesmo ainda tendo muito a aprender, já demonstra ser um goleiro seguro e com um bom futuro pela frente.

Nas laterais, os escolhidos foram Daniel Alves, do Barcelona, Rafael, do Manchester United, André Santos, do Fenerbahçe, e Marcelo, do Real Madrid. Na direita, boas escolhas. Maicon é sem dúvidas o melhor lateral-direito do mundo, mas é importante testar outras peças. Daniel Alves é titular do Barcelona, já demonstrou potencial e deve ser o titular no amistoso. Rafael, por sua vez, tem apenas 20 anos, saiu do Fluminense muito cedo e, aos poucos, vem ganhando confiança na Inglaterra.

Marcelo fez o mesmo caminho. Saiu das Laranjeiras, tem 22 anos, e é titular do Real Madrid. Além disso, poderia ter ido à Copa como titular, não fosse a teimosia de Dunga. O caso de André Santos é um pouco mais complicado. Antes homem de confiança de Dunga, o lateral se envolveu em um escândalo sexual na Turquia e perdeu seu espaço. Entretanto, Mano Menezes o conhece bem dos tempos de Corinthians e lhe deu uma nova chance.

No setor defensivo, os selecionados foram os zagueiros Henrique, do Racing Santander, Thiago Silva, do Milan, Réver, do Atlético-MG, e David Luís, do Benfica. Henrique foi muito bem pelo Coritiba, chegou ao Palmeiras e também fez bons jogos, até que foi vendido ao Barcelona, que o emprestou ao Racing Santander. Zagueiro clássico e seguro que pode ajudar o Brasil. Thiago Silva dispensa apresentações, esteve na Copa do Mundo como reserva, mas já é titular do Milan e parece ser nosso melhor defensor da lista.

O zagueiro Réver é uma incógnita. Após fazer boas temporadas pelo Grêmio, o jogador foi vendido ao Wolfsburg, da Alemanha, mas não disputou um jogo sequer com a camisa do clube alemão, até ser cedido ao Atlético-MG, clube pelo qual o defensor se apresentará esta semana. Mano confia nele e o conhece desde a época do Grêmio, mas existem outros atletas no mercado mais qualificados que ele.  Desconhecido da grande maioria dos brasileiros, o zagueiro David Luís também foi lembrado. Jovem jogador do Benfica, o atleta começou a carreira no Vitória, da Bahia, e também passou pelas divisões de base da Seleção Brasileira. Uma boa aposta.

No meio de campo, os nomes agradaram. O volante Lucas, do Liverpool, tem bom desempenho na Europa e também pela Seleção, já que participou dos Jogos Olímpicos, em 2008. Ramires continuou na equipe brasileira, já que foi um dos poucos que se destacou no Mundial e vem jogando bem pelo Benfica. Carlos Eduardo, do Hoffenheim, da Alemanha, também foi lembrado. O jogador atuou sob o comando de Mano Menezes no Grêmio e já fez três boas temporadas pelo clube alemão. Paulo Henrique Ganso, do Santos, dispensa comentários e, novamente, não fosse a teimosia do antigo treinador, era nome certo no time que foi à África do Sul. Sandro, do Internacional, e Hernanes, do São Paulo, já demonstram há um bom tempo serem jogadores maduros e que, ao que tudo indica, terão lugar cativo na Seleção Brasileira daqui pra frente.

Outro ‘desconhecido’ do povo brasileiro é o meia Ederson, do Lyon. O paulista começou sua carreira no Rio Grande do Sul, com passagens pelo RS Futebol, Internacional e Juventude, indo depois para o time francês. Titular absoluto e camisa 10 do Lyon, o jogador mereceu a chance muito pela boa campanha na Liga dos Campeões. Talvez o único nome pouco entendido foi o de Jucilei, do Corinthians. Mesmo sendo um bom jogador e versátil nos mais variados esquemas, o corintiano é reserva na equipe que Mano Menezes comandou até ontem, portanto, o mais sensato seria convocar o volante Elias, que se destaca há um bom tempo e que é o titular da posição no ex-clube do atual treinador do Brasil.

No ataque, ótimas apostas. O trio do Santos (Neymar, André e Robinho) fez um primeiro semestre incrível e virou manchete em todo o mundo. Robinho, mesmo jovem, já é bastante experiente. Já se demonstrou mais maduro durante a Copa do Mundo e, daqui para frente, será um dos líderes desta equipe. Neymar é outro que dispensa comentários e também deveria ter ido ao Mundial. André, companheiro dos dois no alvinegro praiano, pode ser considerado uma surpresa, mas o seu faro de gol e oportunismo já fez com que o Dínamo de Kiev, da Ucrânia, apostasse em seu talento e levasse mais uma joia do futebol brasileiro para o Velho Continente.

Aos 20 anos, Alexandre Pato, do Milan, é outro que despontou muito cedo no futebol, foi vendido ao Milan e atualmente é titular do time italiano. O mais velho dos atacantes é Diego Tardelli, do Atlético-MG, que há muitas temporadas demonstra ser um artilheiro nato e que chegou a ficar na lista de espera de Dunga para a Copa do Mundo.

Num modo geral, a convocação de Mano Menezes foi satisfatória. Dos 24 jogadores convocados, apenas cinco têm idade superior a 25 anos, o que é algo importante. Além disso, outros sete atletas possuem idade olímpica, outro adendo importante, já que daqui a dois anos acontecerá as Olimpíadas de Londres. O trabalho será árduo, mas com tantos talentos, basta Mano Menezes ser sensato, chamar quem realmente merece ir e que não convoque este ou aquele por afinidade ou lealdade, como vimos recentemente.

E você torcedor, o que achou da lista? Quem você colocaria? Quem tiraria? A convocação foi justa? Opine!

Read Full Post »

A Confederação Brasileira de Futebol, por meio de seu eterno presidente, Ricardo Teixeira, anunciou Muricy Ramalho como o novo treinador da Seleção Brasileira. Dessa forma, o técnico está reunido com a diretoria do Fluminense neste momento para acertar sua rescisão de contrato e, a partir de seguinda-feira, iniciar seu mais desafiador trabalho na carreira.

Enquanto todos acreditavam que Mano Menezes seria o eleito, Muricy Ramalho correu por fora e foi o escolhido. Aliás, escolhido com todos os méritos. Amante do futebol, Muricy tem fama de trabalhador e é o treinador mais vitorioso no cenário nacional nos últimos anos.

Com o bordão “Aqui é trabalho, meu filho”, Muricy iniciou sua carreira como treinador do Puebla, do México, em 1993. Depois, virou discípulo do mestre Telê Santana e trabalhou no São Paulo entre 1994 e 1996. Após rodar por Guarani, Shenhua (China), Ituano, Botafogo-SP e Santa Cruz, em 2002, Muricy chegou ao Náutico, foi bicampeão pernambucano e se tornou ídolo da torcida, sendo até sócio do clube.

A guinada na carreira de Muricy Ramalho aconteceu no Internacional. Em 2003, o técnico levou o troféu do campeonato gaúcho pelo Colorado. Saiu e foi para o São Caetano, conseguindo levar o Azulão ao único título de sua história, o Campeonato Paulista de 2004. Voltou para o Inter, conquistou novamente o título gaúcho e levou a equipe ao vice-campeonato nacional, em 2005.

Os bons resultados fizeram Muricy desembarcar novamente no São Paulo, clube pelo qual ele foi um talentoso meio-campista nos anos 70 e no qual havia trabalho no início dos anos 90. A história de Muricy Ramalho com o Tricolor não poderia ser melhor. O treinador levou o clube paulista ao tricampeonato brasileiro (2006, 2007 e 2008) e colocou seu nome na história. Após tanto tempo, Muricy deixou o São Paulo e foi para o rival Palmeiras, único clube onde o técnico não conseguiu ter sucesso nos últimos tempos.

Neste ano, Muricy foi contratado pelo Fluminense e, mesmo em pouco tempo, o técnico obteve sucesso. Muricy deixa as Laranjeiras pela porta da frente, deixando o time na liderança do Brasileirão-10 e segue para o maior desafio de um treinador de futebol.

A escolha do técnico foi surpreendente, mas positiva. Muricy Ramalho tem contra ele a fama de ser rabugento e enfrentar mais do que o necessário a imprensa. Entretanto, o paulistano parece estar mudado e tem sido mais maleável desde a época em que estava no Palmeiras.

Após o insucesso da Seleção Brasileira na Copa do Mundo, muito se criticou o Dunga pela inexperiência e, com Muricy no comando, o cenário é completamente oposto. O novo treinador tem um currículo invejável, já trabalho nos principais clubes do Brasil e ainda conseguiu inúmeros títulos. 

De fato, o nome de Muricy Ramalho parece ser o ideal para a renovação pretendida pelo torcedor brasileiro. Muricy é um alucinado por futebol, acompanha todos os tipos de campeonatos e sabe muito bem quem têm e quem não têm condições de vestir a camisa mais tradicional do mundo. Mesmo criticado pela força defensiva de seus elencos e pela insistência com o tal ‘chuveirinho’, Muricy Ramalho é um ótimo trabalhador, não foge da pressão, não faz média com ninguém e, o principal, é honesto.

Por fim, um bom nome e que, ao que tudo indica, terá sucesso à frente da Seleção Brasileira. “A torcida paga ingresso para ver o time vencer. Quem quiser ver espetáculo que vá ao Teatro Municipal”, afinal “a bola pune, meu filho”.

E você torcedor, o que achou da escolha da CBF? Muricy Ramalho é um bom nome? Acredita no sucesso do treinador à frente da Seleção Brasileira? Opine!

Read Full Post »

As duas principais divisões do Campeonato Brasileiro tiveram seus últimos jogos antes da Copa do Mundo neste final de semana. Séries A e B tiveram sete rodadas e agora só terão os próximos jogos depois da decisão do mundial, dia 11 de julho.

Na série A, o Corinthians fez o que dele se esperava. Depois de ser eliminado da Copa Libertadores, principal objetivo da temporada, o Campeonato Brasileiro se tornou obrigação para o time do Parque São Jorge. Com cinco vitórias e dois empates, o Timão somou 17 pontos e ficará, pelo menos nos próximos 38 dias, na liderança da competição.

A grande surpresa do torneio até o momento vem do Nordeste. Recém-promovido à primeira divisão, o Ceará surpreendeu e fez a mesma campanha que o Corinthians, ficando na segunda posição apenas por ter um gol a menos de saldo. Mesmo que não consiga se manter entre os primeiros até dezembro, o Vovô tem grandes chances de fazer campanha intermediária e conquistar a vaga na Copa Sul-Americana no ano que vem, o que já será uma vitória.

Na terceira posição, outra surpresa. Muricy Ramalho chegou ao Fluminense num período ruim, foi eliminado da Copa do Brasil e as coisas pareciam rumar para o mesmo fim que 2009, quando o clube lutou até a última rodada para se manter na primeira divisão. Ledo engano. Em pouco tempo, o tricampeão brasileiro mudou a forma do time jogar, os atletas melhoraram o rendimento e a confiança fez com que o Tricolor terminasse essa primeira etapa do Brasileirão com quatro vitórias consecutivas e a terceira colocação assegurada. Até aqui foram cinco vitórias e duas derrotas.

O Santos, apontado como o principal favorito para o título, também não fez feio. Com três vitórias, três empates e somente uma derrota, o Peixe passará a Copa do Mundo na quarta colocação. Depois do mundial, o alvinegro disputará a decisão da Copa do Brasil contra o Vitória e ainda tentará o terceiro título nacional.

Atrás do Santos aparece outra surpresa do campeonato, o Guarani. Também vindo da segunda divisão neste ano, o Bugre figura na quinta colocação, com 12 pontos e com o atacante Roger, artilheiro do certame com seis gols. Depois de tantos anos penando nas divisões inferiores, o Guarani tem grandes chances de se firmar na série A e manter o mesmo ritmo no segundo semestre.

Outros postulantes ao título também fazem campanha razoável como são os casos de São Paulo (), Flamengo () e Cruzeiro (11º). O Palmeiras (10º), em meio a tantas crises e polêmicas, até que não faz má campanha.

Os destaques negativos ficam por conta do Internacional (16º) que somou apenas sete pontos em sete jogos e depois do mundial, além de ter de se preocupar com a semifinal da Libertadores contra o São Paulo, terá que melhorar bastante seu rendimento para figurar nas primeiras posições da tabela. Além dos gáuchos, os três Atléticos passarão a Copa do Mundo na zona de rebaixamento do Brasileirão.

O Atlético-PR (17º), que nas últimas temporadas vêm colecionando fracassos e campanhas pífias, parece que fará o mesmo papel em 2010. Já o Atlético-MG (18º), que tem no banco de reservas um treinador todo confiante e que prometeu conquistar o título nacional para os mineiros, vai descendo ladeira abaixo. O Galo somou apenas seis pontos em sete rodadas, com duas vitórias e cinco derrotas.  Lá embaixo, na lanterna do torneio, figura o Atlético-GO (20º), que fez boa campanha na Copa do Brasil, perdeu a força e só venceu um jogo até aqui. No meio das três equipes atleticanas, aparece o Vasco (19º), que retornou à série A neste ano e, se não tomar jeito, voltará para a divisão inferior do Brasileirão.

SÉRIE B

O ‘Brasileirinho’ fechou a 7ª rodada sem nenhuma surpresa. O Paraná é líder com 15 pontos (5V e 2D), seguido por América-MG, Coritiba e Náutico, ambos com campanhas semelhantes (14 pts, 4V, 2E e 1D), separados apenas pelo saldo de gols.

Outras equipes que sonham em voltar à séria A precisam melhorar. Figueirense (), Portuguesa (), Bahia (), São Caetano (), Sport (14º), Santo André (15º) e Ponte Preta (16º) ainda fazem campanha irregular e têm a chance de melhorar durante a pausa para a Copa do Mundo.

Na zona do rebaixamento, figuram equipes medianas como América-RN (17º), Ipatinga (18º), Duque de Caxias (19º) e Vila Nova-GO (20º). No quesito artilharia, Eduardo, do São Caetano,  segue na frente, isolado, com seis gols anotados.

Agora, resta aos torcedores se prepararem para o início da Copa do Mundo e voltarem todas as energias positivas para a Seleção Brasileira. Aqueles não-patriotas, estarão ligados em sua seleção preferida. O Brasileirão e o Brasileirinho dão uma pausa, mas o futebol continuará acontecendo com altas doses de emoção nos gramados da África do Sul.

E aí torcedor, o que você achou dessas sete rodadas iniciais do Brasileirão e do Brasileirinho? Será que os que figuram na parte de cima da tabela se manterão lá até o final? E quem está embaixo, tem chances de melhorar? Opine!

Read Full Post »

Andres Sanches é presidente do Corinthians desde outubro de 2007, quando substituiu Alberto Dualib, que comandou o clube por incríveis 14 anos e renunciou o cargo depois de inúmeros escândalos e problemas administrativos.  Em 2009, Andres foi reeleito por mais três anos e afirma categoricamente sempre que pode que não ficará nenhum dia a mais depois do término de seu mandato. Essa afirmação, é óbvio, tem tons políticos. Os rumores que o atual presidente corintiano é um dos mais indicados para assumir o comando da CBF crescem a todo instante. Uma das evidências é que Andres foi o escolhido para ser o chefe da delegação brasileira na Copa do Mundo de 2010.

O presidente alvinegro é muito contestado por aí. De fato, deve ser difícil uma pessoa apaixonada por um clube, estar no posto mais alto da agremiação e saber lidar com a razão muitas vezes em detrimento da emoção. Andres foi eleito presidente em uma situação extremamente complicada. Herdou uma gestão deficiente, com altas dívidas e logo que entrou o Corinthians foi rebaixado para a segunda divisão do Campeonato Brasileiro. O presidente foi muito importante na reestruturação do clube, no retorno do Timão à elite do futebol nacional e também com inúmeros projetos de marketing bem sucedidos: como a rede de lojas Poderoso Timão e, principalmente, com a contratação do fenômeno Ronaldo.

Mas ainda há muita coisa errada no clube. Denúncias de favorecimento de empresários e ganhos altos de porcentagens na venda de jogadores, entre outras. Depois da eliminação na Copa Libertadores da América no ano do centenário, muita coisa deve mudar no Corinthians. Ou pelo menos devia. Abaixo você saberá porque é muito provável que nada mude.

Em meio a aspectos positivos e negativos, Andres estará ausente do Corinthians durante a Copa do Mundo. Ele exercerá um cargo simbólico na África do Sul, algo meramente político. Chefe de delegação não manda nada, falando o português claro. Não faz a seleção perder e nem ganhar. Esta lá apenas para fazer número. Tantos outros cartolas já ocuparam o ‘cargo’ que Andres ocupará no mundial. Paulo Machado de Carvalho, João Havelange, Mustafá Contursi, Fábio Koff, Marco Polo Del Nero, entre outros. E nenhum deles interferiu diretamente no sucesso ou no fracasso.

O que chama atenção no caso de Andres Sanches foi uma entrevista que ele concedeu a jornalista Mônica Bergamo, do jornal Folha de São Paulo, publicada nesta segunda-feira (24/05). Entre assuntos variados, Andres deixou claro sua filosofia de trabalho no clube, praticamente confirmou que os dias de Ricardo Teixeira no comando da CBF estão contados e, pasmem, evidenciou qual é a melhor formula para lucrar no futebol. Para ler a esclarecedora entrevista de Andres Sanches na íntegra, clique aqui: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrad/fq2405201006.htm

A colunista do jornal questionou Andres Sanches sobre uma frase que ele próprio disse no passado: “É só não roubar muito”. A resposta do presidente corintiano não poderia ser mais emblemática: “O termo não é esse, vamos dizer assim, publicamente. Mas é ter um limite na vida”. Limite? Qual limite? Então quer dizer que não pode roubar muito na administração de um clube, mas se tiver o tal limite, não há problema? Essa frase vai de encontro com todas as ações de Andres no comando do Corinthians. Afeta os apaixonados torcedores que chegam a pagar até R$600 por ingresso em jogos do clube. O comentário imbecil do mandatário alvinegro afere toda a nação alvinegra, em todos os aspectos.

Num outro momento da entrevista, Andres afirma que ninguém é santo, tecendo o chulo comentário: “Não quero dizer que não sou santo porque posso roubar. Estou dizendo num geral de sociedade como um todo”. Para complementar, enfatiza o que todos nós sabemos: “Já teve muito mais (roubo no futebol). O futebol era uma caixa preta e hoje ela já não é mais preta, é cinza. Tá branqueando”. Inacreditável a normalidade com que Andres trata assuntos que envolvem milhões de pessoas, que são lesadas, enganadas e prejudicadas em troca do enriquecimento do dirigente.

Outro trecho bastante polêmico é sobre o atacante Ronaldo. Quando questionado se o fenômeno está gordo, Andres não hesita e solta a seguinte pérola: “Se ele estivesse 100%, bonitão, 70 kg, blá-blá-blá, você acha que ele tava aqui no Corinthians? E no Brasil? Ele tava na Europa!”. Um absurdo tratar um assunto tão importante como esse com tanta falta de comprometimento. É óbvio que Ronaldo está há muito tempo fora do peso ideal e cada dia mais parece não ter condições de jogar futebol. Mas se a carreira do jogador está próximo do final, é interessante contar com um jogador como ele? Para Andres sim, afinal: “Você tem que se contentar com aquilo que pode dar e receber. Eu tô contente com o que ele tá dando…”. O futebol do Corinthians é completamente prejudicado pela falta de preparo físico de Ronaldo, que mesmo sem ter condições para disputar uma pelada, é titular absoluto do time. Mas o presidente corintiano não está nem aí para isso, afinal, os contratos de marketing e patrocínios das camisas lhe rendem algo jamais imaginado no futebol brasileiro. Mais uma vez, o elenco é deixado de lado.

As baboseiras proferidas por Andres Sanches não param por aí. Quem quiser ler e se irritar ainda mais, deve clicar no link exposto acima. É inadmissível que o presidente de um dos clubes mais tradicionais do mundo pense e aja dessa maneira. Lamentável, para não dizer outra coisa. ‘Todas’ as coisas boas realizadas, vão por água abaixo num piscar de olhos, depois de duas ou três frases ditas por ele. Esse será o comandante chefe da nossa delegação na África do Sul. Torçamos para que ele não influencie em nada mesmo, porque senão…

E você torcedor corintiano, o que pensa sobre essas declarações? Quem não torce pelo Corinthians, sabe bem que a grande maioria dos dirigentes pensa da mesma forma que Andres Sanches. Qual é a sua opinião sobre isso? Externe seus sentimentos sobre essa pouca vergonha!

Read Full Post »

O Palmeiras continua vivendo dias de crise e os momentos turbulentos parecem não ter fim. Já perdi as contas de quantas vezes escrevi esse tipo de texto aqui no MFC nos últimos meses. Mas é impossível não relatar o novo capítulo ocorrido no começo desta semana pelos lados do Palestra Itália. A nova crise ocorreu depois do último jogo da equipe pelo Campeonato Brasileiro, em partida jogada no Rio de Janeiro contra o Vasco. Conforme veiculado, mesmo após apresentar um futebol melancólico, alguns jogadores do Palmeiras foram curtir noitadas na Cidade Maravilhosa e retornaram para a concentração muito depois da hora combinada e ainda acompanhado por mulheres. Os envolvidos até onde se sabe eram os atacantes Robert e Ewerthon, além do meia Marquinhos.

Com o atraso dos três, o treinador Antonio Carlos Zago cobrou uma postura decente dos atletas e chegou as vias de fato com Robert. Resultado? Ambos foram mandados embora do Verdão. Esse é apenas mais um exemplo da bagunça que se tornou a equipe paulista.

Quando o economista Luiz Gonzaga Belluzzo assumiu a presidência alviverde, tudo levava a crer que dias melhores viriam. Além de ser uma pessoa esclarecida e inteligente, Belluzzo tinha o perfil que o torcedores palmeirenses queriam ver no comando do clube. Depois de anos de marasmo, queda para a segunda divisão e nenhum título conquistado, era a hora da mudança e da reformulação. Muita gente pensou dessa forma também quando ele foi eleito para comandar o clube no dia 26 de janeiro de 2009.

Um ano e meio depois, as coisas aconteceram totalmente diferente do imaginado. Neste período, o Palmeiras já teve quatro treinadores (Vanderlei Luxemburgo, Jorginho, Muricy Ramalho e Antonio Carlos Zago) e nada deu certo. Vagner Love e Diego Souza, os dois principais jogadores do elenco, pegaram as coisas e abandonaram o time.

Os resultados dentro de campo demonstram o tamanho da bagunça. Em 2009, eliminação no Campeonato Paulista e na Copa Libertadores da América, vexame no Campeonato Brasileiro, torneio esse que o Palmeiras liderou por muito tempo e por crises internas conseguiu perder um título ganho. Nesse ano a sina continua a mesma. Campanha pífia no Paulistão e eliminação da Copa do Brasil para o Atlético-GO. O Campeonato Brasileiro já começou e nada foi feito para salvar o Verdão.

Com tantos exemplos de bagunças, crises, brigas e resultados ruins, é fácil chegar a conclusão de que a culpa disso tudo não é da comissão técnica desse ou daquele treinador. O problema está na direção do Palmeiras. Belluzzo parece não ter pulso firme para comandar um clube do tamanho e das tradições alviverdes. Enquanto jogador briga com técnico, outros abandonam o elenco e o presidente da principal patrocinadora diz que tem dó do atual elenco, o presidente palestrino vê tudo de braços cruzados. É preciso tomar atitudes, urgentemente.

Dia após dia o Palmeiras se torna um time menor. O pensamento de Belluzzo é contratar o vencedor Luis Felipe Scolari. Pode ser uma boa chance para mudar as coisas e partir para um rumo melhor. Entretanto, Felipão é um técnico de prestígio e que deve ter propostas de todos os cantos do mundo. Será que ele, vendo o jeito que as coisas estão no Palmeiras, aceitará assumir essa bronca? É pouco provável.

Mas o Palmeiras não pode depender de Felipão, de Belluzzo, de Diego Souza ou de Traffic. O clube tem uma história brilhante no futebol e por si só é um gigante. Os torcedores não merecem uma situação preocupante como esta vivida atualmente. E nesse grande circo alviverde, existe apenas um ‘palhaço’ que sofre: o goleiro Marcos.

Pobre Marcos…

Read Full Post »

O atacante Washington tem 35 anos e está no São Paulo desde o início de 2009. Em pouco menos de um ano e meio no clube, o jogador fez 44 gols em 80 partidas disputadas, uma média de 0,55 tentos por jogo. É uma média considerável se levarmos em conta os atuais centroavantes que jogam no país. Porém, Washington vive um dilema. A falta de mobilidade, a idade avançada, as constantes irritações e declarações inoportunas somadas ao lugar cativo no banco de reservas, vêm abalando o jogador nos últimos tempos.

O Tricolor contratou Washington depois que o atleta fez uma boa temporada pelo Fluminense, inclusive sendo decisivo na eliminação do time paulista da Copa Libertadores da América de 2008. O atacante chegou ao Morumbi com status de estrela e com a condição no time titular assegurada. Os gols continuaram saindo, mas os erros aumentaram muito também. Washington é aquele jogador que precisa que o time jogue para ele, atacante de área, bom no cabeceio e oportunista na cara do gol. No começo, Muricy Ramalho bem que tentou fazer a equipe jogar para Washington, mas os jogadores mudaram e até o treinador for alterado. O centroavante deixou de ser uma referência no elenco e outros jogadores foram contratados.

Mesmo sendo muito criticado, Washington conseguiu fazer um bom Campeonato Brasileiro no ano passado e foi artilheiro do São Paulo na competição. Devido a melhora no final da temporada, os dirigentes são paulinos renovaram seu contrato e o mantiveram no elenco.  O ano de 2010 prometia ser melhor para o atacante, já que Borges foi negociado com o Grêmio e o ânimo do jogador foi renovado. Entretanto, o pensamento do jogador e da diretoria não se concretizou ainda e está próximo de não acontecer definitivamente.

Ainda no Paulistão-10, Washington perdeu a vaga de titular em alguns jogos para Fernandinho e isso causou indignação no atleta. Nesta temporada, o atacante teve inúmeras oportunidades de se firmar novamente, mas seus incessantes erros foram determinantes para ficar no banco de reservas constantemente. A gota d’água aconteceu duas semanas atrás, quando o São Paulo, enfim, conseguiu contratar o atacante Fernandão, jogador campeão do mundo pelo Internacional, com espírito de liderança nas veias e mais completo que Washington. O novo jogador chegou ao Morumbi com prestígio e logo na primeira partida com a camisa do clube, fez o que Ricardo Gomes e a torcida esperavam de Washington.

Depois de várias reclamações públicas para jornalistas na beira do campo, Washington se tornou oficialmente reserva nesta semana e ontem só jogou desde o começo no Campeonato Brasileiro, pois o treinador mandou a campo um time quase todo reserva. Para variar, Washington nada conseguiu fazer, errou três gols fáceis de se marcar e foi substituído na segunda etapa. Vaiado pela torcida e já avisado por Ricardo Gomes que no São Paulo atual não se aceitarão mais críticas e reclamações de jogadores preteridos, o atacante não temeu sua condição no clube e ao término da partida fez o mesmo de sempre. Procurou os microfones e as câmeras e se disse desmotivado no Tricolor, afirmou ter inúmeras propostas de outros clubes e deixou no ar que seus dias no São Paulo estão contados. Fez tudo que Ricardo Gomes não queria que ninguém fizesse, muito menos ele.

Washington é experiente, já foi artilheiro do Campeonato Brasileiro duas vezes, goleador máximo da Copa do Brasil e até do Paulistão quando defendia a Ponte Preta. Mesmo parecendo um bom sujeito, o atacante tem sérios problemas atualmente.  Ele parece um jogador juvenil numa pelada de bairro, reclama constantemente dos companheiros, gesticula a todo instante e isso prejudica seu próprio desempenho.

Ricardo Gomes disse que conversará com o jogador para tentar motivá-lo novamente, coisa que dificilmente acontecerá. É nítido que Washington não gosta de ser reserva, não é um jogador de grupo. Por onde ele atuou, sempre foi titular absoluto e incontestável. No São Paulo não é assim e isso o irrita profundamente.

O destino de Washington pode ser as Laranjeiras ou até mesmo o Parque Antarctica, pois no Morumbi os seus dias estão contados.

Read Full Post »

A Copa do Brasil 2010 vai chegando à fase decisiva. Com os jogos disputados ontem e hoje, os confrontos das quartas-de-final estão definidos. E, diferente de outras edições, o torneio que leva o campeão para a Copa Libertadores do ano que vem, chega à reta final sem surpresas ou zebras. Todos os oito clubes que buscarão o título figuram na primeira divisão do Campeonato Brasileiro deste ano.

O Vasco foi o primeiro que se garantiu nas quartas, já que venceu o Corinthians-PR por 2 a 1. O adversário da equipe carioca é o Vitória, que se classificou ao empatar com o Goiás por 2 a 2. O Santos, por sua vez, perdeu para o Guarani por 3 a 2, mas como fez 8 a 1 na partida de ida, garantiu a vaga. O adversário dos ‘Meninos da Vila’ será o Atlético-MG do técnico Vanderlei Luxemburgo, que venceu o Sport por 2 a 0.

O Palmeiras obteve sua classificação ao empatar com o Atlético-PR por 1 a 1 e agora enfrentará o Atlético-GO nas quartas-de-final. O clube goiano, recém promovido à primeira divisão nacional, venceu os dois confrontos contra o Santa Cruz e carimbou a vaga. O Grêmio também vai disputar o título, já que eliminou o Avaí. O adversário da equipe gaúcha será o Fluminense, que passou pela Portuguesa com duas vitórias.

Das equipes postulantes ao título, apenas três já conquistaram o título nacional: Grêmio (1989, 1994, 1997 e 2001), Palmeiras (1998) e Fluminense (2007).

Veja os confrontos das quartas-de-final da Copa do Brasil:
Fluminense X Grêmio
Vitória X Vasco
Atlético-MG X Santos
Palmeiras X Atlético-GO

Read Full Post »

Corinthians e Palmeiras não conseguiram se classificar para a fase decisiva do Campeonato Paulista de 2010. E isso deve soar como um alerta para ambos. Como todos sabem, quem não consegue chegar às semifinais do torneio, desdenha da competição. Mas quem vence, comemora e tira proveito da situação.

O alviverde fez uma campanha pífia. Em 19 rodadas, o Palmeiras conseguiu somar apenas seis vitórias. Tropeçou dentro e fora de casa contra adversários sem expressão. Trocou de treinador no meio da competição e de nada adiantou. A torcida cobrou, insultou, fez protestos. Tudo em vão. O problema palmeirense vem de cima, da cúpula. A crise se instaurou e o Verdão conseguiu a proeza de fazer a pior campanha no Paulistão desde 1980, quando terminou a competição na 16ª colocação.

Não bastasse isso, possivelmente três dos principais jogadores do elenco podem deixar o clube. Diego Souza, descontente e com problemas de relacionamento no grupo, será vendido até o meio do ano. Cleiton Xavier também tem propostas e deve sair. Além disso, Marcos, grande ídolo palmeirense, pode pendurar as luvas antes do esperado. Uma situação delicada e muito perigosa.

O Palmeiras está nas oitavas-de-final da Copa do Brasil, competição que não priorizou em detrimento ao campeonato estadual. Só chegou nesse patamar por enfrentar equipes fraquíssimas e desestruturadas. Agora jogará contra o Atlético-PR e as coisas podem se complicar. Se avançar às quartas-de-final, não o vejo com chances de chegar ao título. Outras tantas equipes estão em melhores condições no momento.

A eliminação no Paulistão pode custar caro para o Palmeiras. Era a chance do time se firmar, ganhar corpo e mostrar sua força. Não conseguiu. A Copa do Brasil não é um torneio típico para experimentos e testes. É tudo ou nada, mata-mata. A situação mais perigosa é o Campeonato Brasileiro, que começará no próximo mês de maio. Se continuar atuando dessa forma, o Verdão tem grandes chances de lutar contra o rebaixamento. Ainda há tempo para mudar. É necessário uma reformulação no elenco e até mesmo na diretoria. Algo está errado, muito errado. O torcedor palmeirense não merece sofrer humilhação semelhante à vivida em 2002.

Já pelos lados do Parque São Jorge, a situação não é preocupante. O Corinthians lutou até a última rodada no Paulistão, mas ficou de fora, principalmente, pela derrota contra o Paulista em ‘casa’, na Arena Barueri. Não fosse esse resultado, certamente o Timão disputaria as semifinais. Mas o discurso da diretoria e dos atletas é o mesmo. A competição importante é a Libertadores. Afirmam e reafirmam que todo o projeto foi focado na conquista do título continental. Isso pode ser perigoso. Pois, se não vencerem o título, alegarão o quê? É óbvio que o alvinegro tem grandes chances de ser campeão, mas a Libertadores é uma competição traiçoeira, onde qualquer erro pode ser fatal. De qualquer forma, o Corinthians deve ir longe no torneio, mas com um elenco recheado de bons atletas, milionário e com duas grandes estrelas como Ronaldo e Roberto Carlos, mesmo que não sendo a prioridade, o Timão deixou a desejar no Paulistão. Que não decepcione também na competição prioritária.

Assim, a situação dos dois grandes rivais é diferente. Uma eliminação nem sempre tem o mesmo peso para duas equipes distintas. A palavra de ordem no Palmeiras é mudança, enquanto no Corinthians é esperança. Com o desenrolar dos jogos e competições, saberemos qual foi realmente o preço de uma eliminação precoce no Paulistão.

NOTA: Esse texto foi publicado no blog Jornalismo Esportivo: http://esportejornalismo.blogspot.com/2010/04/o-peso-da-eliminacao-no-paulistao.html

Read Full Post »

Oswaldo Giroldo Júnior.

37 anos. 17 anos de futebol profissional.

Depois de tantos anos de futebol, Juninho Paulista se despediu do esporte como atleta na noite desta quarta-feira. Revelado pelo Ituano, Telê Santana viu talento no garoto e o levou para o São Paulo no início dos anos 90. Pelo Tricolor, o jogador brilhou e começou a trilhar uma carreira vitoriosa. Nos tempos de São Paulo foram vários títulos como Libertadores da América, Supercopa, Mundial, Copa Conmebol, entre outros. Com o sucesso no Brasil, Juninho foi vendido para o inglês Middlesbrough, clube que defendeu por duas temporadas e conquistou a Copa da Liga Inglesa.

Pelo Atlético de Madrid, o jogador viveu seu período mais difícil, sofrendo uma grave lesão que o tirou da Copa do Mundo de 1998. Chegava a hora de Juninho voltar para o futebol brasileiro e brilhar no Rio de Janeiro. Primeiro com a camisa do Vasco, conquistando a Copa João Havelange de 2000 (Campeonato Brasileiro daquele ano) e a Copa Mercosul, após vitória épica contra o Palmeiras em pleno Palestra Itália. Juninho também jogou pelo Flamengo em duas oportunidades (entre elas o meio-campo atuou pelo irlandês Celtic e pelo Palmeiras), e na segunda passagem pela Gávea, Juninho sagrou-se campeão Carioca em 2007. Além disso, o jogador teve discreta passagem pelo Sydney FC, da Austrália, antes de retornar ao Ituano, em 2009. Pelo clube que o revelou, Juninho tornou-se também o presidente da equipe com o intuito de reestruturar o clube interiorano, saldar as dívidas e formar uma equipe vencedora.

Pela Seleção Brasileira, Juninho Paulista conquistou talvez seu maior título como atleta profissional, a Copa do Mundo de 2002. Na ocasião, o meio-campo era titular da equipe de Luis Felipe Scolari, mas ao longo da competição perdeu a posição para Kléberson. Nada que tire o mérito da conquista para este bom jogador.

Hoje, em partida decisiva contra a Portuguesa, no Canindé, Juninho Paulista se despediu do futebol. E diferentemente dos clubes em que atuou na carreira, dessa vez o meio-campo lutava contra o rebaixamento no Campeonato Paulista. Algo que o entristeceria como jogador e, principalmente, como dirigente. Porém, depois de estar perdendo por 2 a 0, Juninho marcou um bonito gol, o Ituano conseguiu empatar e, de forma heróica, virou o jogo com um gol de outro pentacampeão, Roque Júnior. A vitória salvou o Ituano do rebaixamento e fez Juninho terminar sua carreira em ‘grande’ estilo. Grande pela realidade atual do jogador. Grande pelas circunstâncias.

Grande por sua idade e por sua carreira no futebol. Ao final da partida, Juninho Paulista chorou copiosamente e foi abraçado por companheiros ainda no gramado. Uma cena marcante e que emocionou todos os amantes do futebol.

Juninho Paulista encerrou sua carreira em grande estilo, sim! E agora voltará todas as suas atenções para reerguer o clube do interior. Boa sorte para ele nessa nova empreitada e que tenha sucesso e dignidade como teve dentro de campo.

Read Full Post »

Older Posts »