Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Bloemfontein’

Alemanha 4 X 1 Inglaterra

Alemanha e Inglaterra se enfrentaram na cidade de Bloemfontein, no primeiro duelo de grandes da Copa do Mundo, valendo uma vaga para as quartas de final. O time do técnico Joachim Löw classificou-se em primeiro no grupo D. Já os comandados de Fabio Capello ficaram em segundo no grupo C, atrás dos Estados Unidos.

O jogo começou cadenciado, com as duas equipes tocando a bola e se estudando. O meio campo alemão trocava passes rápidos entre Schweinsteiger, Özil e Müller. Os ingleses se movimentavam bastante com Lampard, Gerrard e Rooney, que voltava para buscar o jogo. Mas nenhum dos times tinha ainda levado perigo ao gol adversário.

A situação mudou aos 20 minutos, quando o goleiro Neuer deu um chutão pra frente. A bola passou por todo o time inglês e chegou até Klose, que protegeu bem e se esticou todo para mandar, com a ponta do pé direito, para o fundo do gol de James. O gol deu confiança aos alemães, que partiram para o ataque. O segundo tento foi questão de tempo. Em uma ótima troca de passes pelo meio, Müller passou para Klose e avançou. O atacante devolveu perfeitamente e Müller cruzou para Podolski na esquerda. Ele ajeitou e bateu rasteiro, sem chances para o goleiro James. A impressão era que a Alemanha iria atropelar os ingleses.

No entanto, os súditos da rainha enfim reagiram. Lampard e Gerrard começaram a participar mais da partida e criavam mais opções de ataque. E aos 37, em cobrança de falta de Gerrard, o goleiro Neuer saiu mal e o zagueiro Upson tocou de cabeça para o gol vazio.

O gol fez bem aos ingleses, que passaram a pressionar. Gerrard avançava pela esquerda e Lampard trocava passes com Johnson pela direita. A Alemanha recuou e esperava o intervalo. Aí veio o lance mais emblemático do Mundial até aqui. Defoe dividiu uma bola na entrada da área e ela sobrou para Lampard que, com categoria, bateu por cima de Neuer e encobriu o goleiro. A bola acertou o travessão e caiu dentro do gol, para sair em seguida. O árbitro uruguaio Jorge Larrionda e o assistente Mauricio Espinosa não marcaram.

Este lance merece destaque devido ao que aconteceu 44 anos atrás, na final da Copa de 1966 entre os dois países. A partida estava empatada em 2×2 quando, na prorrogação, o inglês Hurst bateu pro gol, a bola tocou no travessão e depois em cima da linha. Mas naquela ocasião, a arbitragem deu o gol para os ingleses.

No segundo tempo, a Inglaterra partiu para o ataque. E a Alemanha apostou no contra-ataque, uma de suas principais armas neste Mundial. Logo aos seis minutos, Lampard acertou o travessão, em cobrança de falta. Os ingleses vinham com tudo e o gol parecia questão de tempo.

Mas o futebol tem seus caprichos e eles apareceram mais uma vez. Após cobrança de falta de Lampard parar na barreira, Müller lançou para Podolski e seguiu para o ataque. Podolski avançou pela esquerda e devolveu para Müller, que bateu forte para ampliar o placar. Apesar disso, os ingleses continuaram em busca do segundo gol. Mas outro contra-ataque alemão, aos 25, cravou de vez a faca no coração do ‘English Team’. Klose, ajudando a defesa, recuperou a bola e fez ótimo lançamento para Özil, que ganhou de Johnson na corrida e rolou para o meio. Müller, sempre ele, apareceu livre e definiu a vaga para a Alemanha.

Aí sim a Inglaterra sentiu o golpe. Os jogadores esperavam apenas o fim da partida, pois não havia mais o que fazer. Fim de jogo e classificação alemã garantida para a próxima fase. O time de Joachim Löw fez uma partida sensacional e passou por um rival difícil.

Já a Inglaterra decepcionou. Seus principais jogadores (Lampard, Gerrard e Rooney) não corresponderam à expectativa em torno de seu futebol. A Alemanha avança com um futebol bonito e eficiente e se credencia como um dos favoritos ao título. O gol inglês não marcado favoreceu os alemães, pois o empate naquele momento deixaria o jogo totalmente aberto. Mas a qualidade técnica superior da Alemanha ficou evidente e não pode ser ignorada, pois o melhor time venceu.

Argentina 3 X 1 México

Argentina e México se enfrentaram no estádio Soccer City, para definir quem encararia a Alemanha. Os argentinos venceram o grupo B com facilidade. Já os mexicanos conquistaram a vaga com o segundo lugar no grupo A.

A partida começou melhor para o time do técnico Javier Aguirre, que apostava na velocidade de Giovanni dos Santos, Bautista e Hernandez. Aos sete minutos, Salcido soltou uma bomba de longe, mas acertou a trave. Na sequência, Guardado fez boa jogada e chutou com efeito, mas a bola caprichosamente raspou a trave e foi pra fora.

As investidas mexicanas despertaram o craque argentino Lionel Messi, que apostava em sua velocidade para tentar o gol. Ele tentou encobrir o goleiro Pérez, sem sucesso. O México tinha o controle da partida e conseguia impedir os avanços de Messi e Tevez. Mas aí o apito amigo apareceu para alegrar os argentinos.

Messi lançou Tevez, que dividiu com o goleiro Pérez, e bola foi afastada. No rebote, o jogador do Barcelona bateu por cima e Tevez, impedido, tocou de cabeça e abriu o placar. O telão do estádio mostrou o lance e deixou clara a posição irregular do ex-corintiano. Os mexicanos partiram pra cima do árbitro, mas ele validou o gol.

E o domingo era mesmo dia de presente para a Argentina. Desta vez foi o zagueiro Osório que errou na entrada da área. A bola sobrou limpa para Higuaín driblar Pérez e marcar o segundo. O atacante é agora o artilheiro isolado da Copa do Mundo, com quatro gols.

A vantagem deu tranquilidade aos comandados de Maradona e deixou os mexicanos abatidos. A Argentina percebeu que poderia definir o confronto ainda no primeiro tempo e atacou ainda mais. Di Maria, aos 36, bateu cruzado e Pérez fez ótima defesa. Aos 40, Higuaín subiu livre e por pouco não marcou o terceiro.

Na volta do intervalo, Javier Aguirre tirou Bautista e colocou o atacante Pablo Barrera, na tentativa de diminuir o prejuízo. Mas a tática foi por água a baixo logo aos sete minutos, quando Tevez tentou o passe e Maza dividiu com ele. O argentino ficou com a sobra e soltou uma pancada da entrada da área. Golaço para definir a classificação da ‘Albiceleste’.

Com a vaga praticamente garantida, o México tentou ao menos fazer o gol de honra. Aos 24, Barrera chutou, mas Heinze tirou em cima da linha. Logo em seguida, o bom Hernandez recebeu na entrada da área, fez o giro e saiu na cara de Romero. O mexicano encheu o pé e diminuiu o placar.

Apesar do gol sofrido, a Argentina não se abalou. Messi, em partida apenas regular, tentava marcar o seu. E no final do jogo quase conseguiu. Ele recebeu pela direita e fez sua jogada mais típica: driblou em diagonal para a entrada da área e chutou forte, mas Pérez salvou.

Vitória boa do time de Maradona, que mostra deficiências na defesa, mas tem um ótimo ataque. Messi, Tevez e Higuaín podem dar ainda muito trabalho neste Mundial. Resta saber se a defesa argentina vai conseguir parar Klose, Podolski, Özil e Müller.

O México de despede com uma boa participação, como sempre, e mantém a média de chegar ao menos nas oitavas de final, algo que faz continuamente desde 1994. Assim como em 2006, Argentina e Alemanha jogam nas quartas de final da Copa do Mundo. Este grande duelo será no próximo sábado (3/7), na Cidade do Cabo, às 11h. Imperdível!

Read Full Post »

Estados Unidos 1 X 0 Argélia

Os norte-americanos começaram a partida contra a Argélia na segunda posição do grupo C. Dependendo apenas de suas próprias forças para chegar às oitavas de final, nenhum jogador dos Estados Unidos imaginava o sofrimento e a dramaticidade que o confronto contra a inexperiente seleção africana teria. Depois de tanto tentar durante os 90 minutos, os ‘Yankees‘ conseguiram o gol da classificação na bacia das almas e venceram por 1 a 0, terminando na primeira posição da chave. Assim, os Estados Unidos chegam às oitavas de final pela terceira vez em Copas do Mundo, as outras aconteceram em 1994 e 2002.

Novamente a equipe do técnico Bob Bradley provou ter qualidades, assim como já havia demonstrado na Copa das Confederações, em 2009, e também nas outras partidas deste Mundial. Mas curiosamente, a primeira grande chance do jogo foi da equipe africana. Aos cinco minutos, Rafik Djebbour recebeu a bola na entrada da área e mandou uma bomba, que explodiu no travessão do goleiro Tim Howard. No minuto seguinte, os norte-americanos responderam com chute de Hercules Gomez, mas o goleiro M’Bolhi fez sua primeira boa defesa no jogo.

Melhor em campo, os Estados Unidos ficavam grande parte do tempo com a bola nos pés. Aos 19, aconteceu um lance polêmico. Num bate-rebate na entrada da área argelina, dois americanos foram derrubados, o árbitro aplicou a lei da vantagem e a bola sobrou para Gomez concluir e o goleiro defendeu. No rebote, a bola voltou para o pé do atacante e, com um chute torto, a pelota sobrou para Dempsey, que fez o gol. Porém, o juiz Frank De Bleeckere, da Bélgica, viu o assistente assinalar impedimento e invalidou o gol dos Estados Unidos. É óbvio que a decisão criou muita polêmica e reclamações.

Aos 34, Landon Donovan deu ótimo passe para Altidore, que invadiu a área e obrigou o goleiro a realizar outra defesa. No minuto seguinte, outro lance perigoso. O craque norte-americano tabelou com Bradley e tocou por cima na saída de M’Bolhi. A bola sobrou e Altidore e Donovan foram com tanta gana para o lance, que nenhum dos dois conseguiu concluir. Depois de ser pressionada por muito tempo, a Argélia saiu de trás e criou boas oportunidades nos minutos finais da primeira etapa, mas a falta de pontaria impediu que o gol saísse.

Na segunda etapa, a pressão dos Estados Unidos continuou. Aos 11, Altidore fez ótima jogada pela esquerda, deu um drible da vaca no adversário e rolou para Dempsey, que invadiu a área e chutou forte. A bola bateu na trave e sobrou para ele, que errou a conclusão novamente. Com a falta de pontaria dos centroavantes, o treinador dos ‘Yankees‘ colocou o brasileiro naturalizado norte-americano, Benny Feilhaber. Logo que entrou, o jovem fez linda jogada pela direita, passou por três marcadores e só parou com outra defesa do goleiro argelino. Aos 23, outra incrível chance desperdiçada. Dempsey cruzou e Edson Buddle cabeceou forte, mas M’Bolhi operou outro milagre e segurou a bola. Dez minutos depois, Michael Bradley cobrou falta e o goleiro argelino defendeu de novo. O jogo chegou aos 45 minutos e os Estados Unidos estavam se despedindo da Copa do Mundo, assim com a Argélia.

Quando o árbitro mostrou quatro minutos de acréscimo, o desespero invadiu os norte-americanos, que ainda quase sofreram um gol de cabeça, mas o goleiro Tim Howard defendeu e, rapidamente, ligou o contra-ataque. Donovan correu com a bola nos pés e deu para Altidore na direita. O atacante avançou, chutou rasteiro e o goleiro espalmou. No rebote, o próprio Donovan bateu e marcou o gol da classificação, aos 46 minutos da etapa final.

O jogo foi emocionante, com a Seleção Norte-Americana altamente superior, mas que esbarrou inúmeras vezes no bom goleiro da Argélia. Enquanto a seleção africana está eliminada, os norte-americanos além de obterem a vaga na próxima fase, ainda conseguiram se classificar na primeira posição do grupo C, já que fizeram dois gols a mais que a Inglaterra.

Eslovênia 0 X 1 Inglaterra

Os ingleses desembarcam na África do Sul prometendo boa campanha e sendo apontada como uma das favoritas ao título. Entretanto, com o fraco futebol apresentado nas duas rodadas iniciais, o que era confiança virou pessimismo e a classificação às oitavas de final ficou ameaçada. Para evitar o vexame, o ‘English Team‘ precisava vencer a Eslovênia, até então líder do grupo C. Com um desempenho um pouco superior, a Inglaterra venceu por 1 a 0 e terminou na segunda colocação da chave, carimbando o passaporte para a próxima fase.

O vencedor técnico Fabio Capello resolveu remodelar a escalação de sua equipe para não correr riscos. Tirou o zagueiro Carragher e deu a titularidade para Upson. Fez o mesmo com Milner no lugar de Lennon e com Defoe na vaga de Heskey. Porém, manteve Joe Cole, bom meia do Chelsea, no banco de reservas. De qualquer forma, o treinador fez seu time melhorar, já que desde o início do jogo os ingleses mandavam no meio campo e não davam espaços para os eslovenos. O chamado ‘dedo do técnico’ fez efeito aos 22 minutos, quando Milner avançou pela direita e cruzou a bola para a área. O atacante Jermain Defoe antecipou a zaga e mandou a bola para o fundo do gol, abrindo o placar.

Aos 29, quase a Inglaterra ampliou. Defoe chutou forte e goleiro Handanovic fez boa defesa. A bola sobrou no pé de Rooney, que entre três marcadores, achou o meia Gerrard, que bateu de primeira e obrigou o arqueiro a intervir novamente. Com a mudança de postura tática, os ingleses jogaram bem no primeiro tempo, com Rooney mais solto, trocando bons passes com Defoe e Gerrard.

O primeiro lance de perigo na segunda etapa veio aos 11 minutos, numa forte cabeçada de John Terry e ótima defesa de Handanovic. No minuto seguinte, Rooney recebeu a bola e, sozinho, na frente do goleiro, chutou-a na trave. Se o futebol apresentado pelo ‘English Team‘ não foi primoroso, também não deixou dúvidas quanto à superioridade ante a Eslovênia, que pouco fez durante a partida e não criou nenhuma chance real de gol.

Com o apito final do árbitro, os ingleses comemoraram a vaga nas oitavas de final e, até aquele momento, com o jogo entre Estados Unidos e Argélia empatado, os eslovenos estavam se classificando e ficaram dentro de campo esperando o jogo terminar. Com o gol norte-americano no último minuto, a Eslovênia foi eliminada da Copa do Mundo e alguns jogadores até choraram no gramado.

Austrália 2 X 1 Sérvia

O duelo decisivo entre a equipe da Oceania e os sérvios valia uma das vagas nas oitavas de final. Com o grupo D totalmente embolado, para a Sérvia bastava vencer, enquanto a Austrália precisava golear para avançar. Num jogo bom e bastante movimentado, os ‘Socceroos‘ venceram a Sérvia ‘apenas’ por 2 a 1 e as duas equipes morreram abraçadas, sendo eliminadas da Copa do Mundo.

A primeira chance do jogo saiu em uma jogada da Sérvia pela direita. Krasic avançou, entrou na área e chutou para boa defesa de Schwarzer. Aos 11, o mesmo Krasic desperdiçou outra chance. Em rápido contra-ataque, o jogador driblou o goleiro e incrivelmente chutou para fora. Mas aos 22 o que a Sérvia fez foi abusivo no quesito de perder gols. Em bola cruzada na área, Ivanovic recebeu e, sozinho, chutou forte, cara a cara com o goleiro da Austrália, que fez uma linda defesa e impediu o gol. Essas foram as principais oportunidades da primeira etapa, onde a Sérvia jogou bem e pecou demais nas finalizações. Os australianos fizeram uma apresentação tímida e se salvaram através das boas interceptações de Schwarzer.

Provando estar melhor em campo, a Sérvia voltou da mesma forma no segundo tempo, perdendo gols. Aos sete, Zigic fez linda jogada, dominou a bola na cabeça, se livrou do adversário e mandou a bola por cima da baliza. Como quem não faz toma, a Austrália começou a melhorar e levar mais perigo. Aos 13, Bresciano cobrou falta de muito longe e obrigou o goleiro Stojkovic a fazer boa defesa. Porém, aos 23 o goleiro sérvio não conseguiu evitar o pior. Wilkshire cruzou da direita e Tim Cahill, de cabeça, mandou a bola no canto, abrindo o placar. Quatro minutos depois, os ‘Socceroos‘ ampliaram. Brett Holman pegou a bola no meio, avançou um pouco e, de longe, chutou para marcar o segundo. Com o resultado, a Austrália precisava de mais dois gols para obter uma classificação heróica.

Entretanto, a equipe da Oceania perdeu poder ofensivo após abrir dois gols de diferença e a Sérvia cresceu no jogo. Aos 38, Tosic chutou de fora da área, o goleiro Schwarzer falhou e soltou a bola no pé de Pantelic, que só teve o trabalho de empurrar para a rede. Aos 41, o atacante australiano Josh Kennedy ainda jogou fora a chance de ampliar, errando a finalização na frente do goleiro adversário. A Sérvia cresceu no jogo e, se conseguisse o empate, obteria uma vaga às oitavas de final. Pressionou, tentou, avançou, mas na única chance real que teve para empatar, Pantelic isolou a bola na cara do goleiro e as chances acabaram.

Gana 0 X 1 Alemanha

Os alemães tiveram um começo arrasador no Mundial. Golearam a Austrália por 4 a 0 e terminaram a primeira rodada como grande sensação entre as favoritas ao título. Porém, dias depois a Seleção Alemã foi surpreendida e perdeu por 1 a 0 para a Sérvia, algo que já colocou a qualidade do elenco em dúvida. Para a última rodada do grupo D, os bávaros precisavam ao menos empatar com Gana para se classificar. Com ataques rápidos e insinuantes, a Alemanha venceu por 1 a 0, terminou na primeira posição e segue firme em busca do tetracampeonato. Os africanos, mesmo com a derrota, também avançaram e irão representar o continente na próxima etapa da Copa do Mundo, assim como já acontecera em 2006.

O primeiro gol da partida por pouco não saiu aos oito minutos. Lucas Podolski avançou pela esquerda e chutou cruzado para o meio da área. A bola desviou no zagueiro de Gana e tocou na trave antes de sair. A equipe africana não estava totalmente defensiva, como é costumeiro quando seleções menores enfrentam os gigantes do futebol. Os ‘Black Stars‘ não tiveram receio e também atacavam os alemães.

O jogo era lá e cá, tanto que a Alemanha perdeu uma chance incrível, aos 24. O jovem Ozil recebeu ótimo lançamento de Cacau, avançou e, de cara com o goleiro Kingson, conseguiu chutar em cima dele. O troco de Gana veio no minuto seguinte. Ayew cobrou escanteio na medida e o atacante Gyan desviou de cabeça, mas Lahm salvou a bola em cima da linha. A última oportunidade alemã na primeira etapa aconteceu aos 40 minutos. Schweinsteiger cobrou falta de longe, os vários jogadores que estavam dentro da área atrapalharam o goleiro ganense, que espalmou a bola nos pés de Ozil. O alemão chutou, mas a bola saiu por cima da meta.

No começo do segundo tempo, os africanos quase abriram o placar com Asamoah, que chutou em cima de do goleiro Neuer. Assim, o castigo veio aos 14. Müller fez boa jogada pela direita e tocou para Ozil, que ajeitou e, de esquerda, mandou um foguete para o gol. O goleiro Kingson nada pôde fazer e a Alemanha ficou em vantagem no placar. Assim, os bávaros ditaram o ritmo da partida e trocaram passes para o tempo passar. Gana ainda teve chance de empatar, mas a pontaria de seus jogadores continuou péssima e o gol não saiu.

O resultado foi benéfico para as duas equipes. A Alemanha terminou na liderança do grupo D com seis pontos (duas vitórias e uma derrota) e foi seguida por Gana, que obteve quatro pontos (uma vitória, um empate e uma derrota). Assim, os alemães vão fazer um clássico logo nas oitavas de final. A equipe do técnico Joachim Löw medirá forças com a Inglaterra, no próximo domingo (dia 27), em Bloemfontein, às 11h. Enquanto isso, os africanos enfrentarão os Estados Unidos, um dia antes, em Rustemburgo, às 15h30.

Read Full Post »

Portugal 7 X 0 Coreia do Norte

A Seleção Portuguesa fez o que se esperava do Brasil na estreia do Mundial. Enfrentou a equipe mais fraca do torneio, não titubeou e, mesmo encontrando dificuldades no início da partida, ganhou por 7 a 0 dos asiáticos. O grande destaque da partida foi o técnico Carlos Queiroz, que não gostou do empate sem gols contra os marfinenses no primeiro jogo e alterou quatro jogadores para o duelo desta segunda-feira. As substituições surtiram efeito, tanto que Tiago, Simão Sabrosa e Hugo Almeida, que ficaram no banco de reservas na estreia, marcaram quatro gols e contribuíram muito para a maior goleada desta Copa do Mundo.

A primeira chance real do jogo foi de Portugal. Aos seis minutos, Pedro Mendes subiu mais que a zaga norte-coreana e, de cabeça, mandou a bola na trave. Era apenas o prenúncio do que viria pela frente. Porém, aos 17 minutos a Coreia do Norte respondeu em boa jogada de Hong Yong-Jo, que obrigou o goleiro Eduardo a fazer boa defesa. Diferentemente do que fez contra o Brasil, os norte-coreanos eram mais ariscos. Perderam o medo de ficar somente na defesa e chegaram mais vezes ao ataque, mas isso deixava o setor defensivo bastante desguarnecido.

Debaixo de muita chuva, os portugueses começaram a trabalhar mais a bola e o resultado foi instantâneo. Aos 28 minutos, Tiago deu passe precioso para Raúl Meirelles, que, emendou de primeira na saída do goleiro, e abriu o placar. Os gajos ainda tiveram outras chances, mas o placar ficou assim mesmo na primeira etapa.

No segundo tempo o show começou. Aos sete, Raúl Meirelles rolou para Simão, que chutou no meio das pernas do goleiro e fez o segundo. Dois minutos depois, Fábio Coentrão avançou e cruzou na cabeça de Hugo Almeida. Outro cinco minutos mais tarde e saiu o quarto gol. Cristiano Ronaldo fez boa jogada e deixou Tiago livre para marcar, de primeira. A Coreia do Norte estava entregue e mais gols ainda sairiam. Aos 35, o luso-brasileiro Liedson, que havia acabado de entrar, viu o zagueiro falhar e a bola sobrar livre em sua frente. O ex-corintiano encheu o pé e aumentou a goleada.

Aos 41, enfim, Cristiano Ronaldo conseguiu fazer o seu gol. Depois de ter tentado inúmeras vezes no jogo arriscando muitos chutes para o gol, o astro do Real Madrid contou com a sorte. Liedson ganhou da zaga e a bola sobrou para Cristiano Ronaldo, que tentou driblar o goleiro, ficou procurando a bola e, sem querer, ajeitou-a com a nuca e chutou para marcar o sexto. Ainda deu tempo de Fábio Coentrão dar mais uma assistência e Tiago marcar o seu segundo gol, o sétimo e último dos portugueses.

Com a vitória, a Seleção Portuguesa chegou aos quatro pontos e à vice-liderança do grupo G, atrás do Brasil, que tem seis. O próximo duelo será entre as duas equipes e a primeira colocação da chave estará em jogo. A partida acontecerá na sexta-feira (25/06), às 11h, em Durban. A seleção da Costa do Marfim, que ainda tem remotas chances de chegar as oitavas de final (precisa torcer pelo Brasil e ainda fazer muitos gols em seu jogo), encara a Coreia do Norte, em Nelspruit, no mesmo dia e horário.

Chile 1 X 0 Suíça

A vitória chilena não foi fácil. Mesmo com um homem a mais durante grande parte do jogo (Behrami foi expulso aos 30 minutos do primeiro tempo, depois de acertar o rosto de Vidal duas vezes), o Chile esbarrou na (quase) instransponível zaga suíça, que não sofria um gol há 559 minutos em Copas do Mundo, algo que, inclusive, fez o time europeu bater o recorde de tempo sem ser vazado em mundiais, antes pertencente a Itália, com 550 minutos de invencibilidade.

O jogo começou muito truncado e o árbitro Khalil Al Ghamdi, da Arábia Saudita, mostrou logo de cara toda a sua inexperiência. Desde o primeiro minuto, o juiz desandou a distribuir cartões amarelos. Os sul-americanos jogavam no ataque, enquanto os europeus apenas se defendiam. O jogo era chato pelo número excessivo de faltas cometidas pelas equipes. Assim, a etapa inicial foi violenta e com poucos lances de perigo.

Os últimos 45 minutos seriam decisivos para o Chile, que não conseguia fazer valer a superioridade numérica. Os comandados de Marcelo ‘El Loco’ Bielsa vieram determinados a conseguir ao menos um gol para não depender de resultado positivo contra a Espanha, na última rodada. Depois de tanto tentar, aos 29 minutos, Valdivia, que entrou no segundo tempo, encontrou Paredes no meio da defesa – em posição de impedimento -, o meia avançou, driblou o goleiro Benaglio, perdeu o ângulo para chutar e, então, cruzou e achou Mark Gonzalez livre para marcar de cabeça.

A partida não foi das melhores, tanto que o árbitro aplicou nove cartões amarelos (seis para o Chile e o restante para a Suíça) e um vermelho, anotou inúmeras faltas (19 cometidas pelos chilenos e 26 pelos suíços), além dos excessivos erros de passes (133 pela seleção sul-americana e 131 pelos europeus). A vitória deixou o Chile com seis pontos no grupo H, assumindo a liderança isolada. A Suíça, por sua vez, estacionou nos três pontos, mas ainda tem chances de chegar as oitavas de final.

Espanha 2 X 0 Honduras

Depois da decepção da estreia, a Espanha tinha obrigação de vencer o jogo contra Honduras para não se complicar no Mundial. Com uma disparidade técnica amplamente superior, os espanhóis tomaram conta do jogo, golearam nas estatísticas e venceram, só, por 2 a 0. Enquanto a ‘Fúria’ tem grandes chances de passar à próxima fase, só um milagre livrará os hondurenhos da eliminação na primeira fase.

Dominando o meio de campo, não demorou muito para a Espanha levar perigo. Aos sete minutos, David Villa viu o goleiro Valladares adiantado e tentou encobri-lo, mas a bola bateu na trave. O atacante espanhol não desistiu e, dez minutos depois, abriu o placar da partida. Villa recebeu a bola na esquerda, driblou dois marcadores, entrou na área e fintou outro zagueiro, antes de concluir com perfeição e a bola entrar no ângulo. Um golaço!

Enquanto Villa fazia seu papel, seu companheiro de ataque, Fernando Torres, ia perdendo gol atrás de gol. Em certos momentos, os erros cara a cara com o goleiro pareciam até eram motivados por desdém dos espanhóis para com os hondurenhos. O atacante do Liverpool teve pelo menos cinco chances claras de gol e, de todas as formas, de cabeça, de pé direito, de pé esquerdo, de dentro da pequena área e da marca do pênalti, ele conseguiu errar todos.

Se Torres falhava na hora H, Villa fazia o contrário. Aos cinco minutos da segunda etapa, o recém-contratado atacante do Barcelona, recebeu bom passe de Jesús Navas e, de fora da área, mandou uma bomba, que ainda desviou no zagueiro antes de entrar para o gol. Mas até Villa, que já tinha feito dois gols na partida, teve seu momento de Torres. Jesús Navas sofreu pênalti e Villa teve a chance de fazer seu hat-trick e se igualar com o argentino Higuaín na artilharia da Copa do Mundo, mas o espanhol desperdiçou a cobrança, chutando para fora.

Depois disso, a Espanha continuou perdendo inúmeros gols e perdeu a chance de aumentar seu saldo de gols, visando não correr riscos na última rodada. Para se ter uma ideia da superioridade da equipe de Vicente Del Bosque, os números retratam: a ‘Fúria’ deu 26 dribles contra 13 de Honduras; 12 escanteios contra três; 22 finalizações ante apenas nove; e 57% de posse de bola a favor dos espanhóis. Uma verdadeira goleada nos números, não nos gols anotados.

Com o resultado, a Espanha somou seus primeiro três pontos no Mundial e atingiu a segunda colocação no grupo H, atrás do Chile, que tem seis e na frente da Suíça, que soma os mesmo três pontos que os espanhóis, mas perde no saldo de gols. Honduras ainda não pontuou. No próximo dia 25 (sexta-feira), acontecem os dois últimos confrontos da chave: Chile X Espanha, em Pretória e Suíça X Honduras, em Bloemfontein, ambos às 15h30.

Read Full Post »

Por: Erik Rodrigues*

Eslováquia 0 X 2 Paraguai

Eslováquia e Paraguai se enfrentaram pela segunda rodada do grupo F em busca da primeira vitória na Copa do Mundo, no estádio Free State, em Bloemfontein. Os paraguaios vinham de um bom empate na estreia contra a Itália. Os eslovacos também empataram na primeira rodada, com a Nova Zelândia. A novidade no time sul-americano era a escalação de mais um atacante, Roque Santa Cruz.

E a mudança surtiu efeito logo de cara, pois o time do técnico Gerardo Martino começou o primeiro tempo no ataque. Roque Santa Cruz arriscou da entrada da área, a bola desviou na zaga e o goleiro Mucha teve de se esforçar para fazer a defesa.

E este seria o panorama da primeira etapa, com domínio total dos paraguaios. A Eslováquia não arriscava e formava um paredão para evitar o gol do adversário. O Paraguai partia para cima com Riveros, Lucas Barrios e Nelson Valdez, mas a bola não entrava.

Até que aos 28 minutos, o zagueiro Skrtel falhou e a bola ficou com Barrios, que passou para Vera bater de primeira e abrir o placar. O gol fez justiça ao time que procurou mais o ataque. Mas os eslovacos acordaram e ao menos demonstravam mais vontade, mesmo errando muitos passes. Tanto que aos 37 minutos, a equipe da Europa conseguiu dar uma cabeçada ao gol, com Salata.

No segundo tempo, o Paraguai se acomodou com a vantagem e ficou esperando as chances de contra-ataque aparecerem. E não havia com o que se preocupar, pois a Eslováquia tinha como principal adversária sua própria dificuldade técnica. Mesmo em ritmo mais lento, os paraguaios chegavam com mais perigo e estavam próximos do segundo gol.

E ele veio aos 41, após confusão na área entre Da Silva e Cardozo. A bola sobrou para Riveros que, da entrada da área, chutou forte no canto direito, sem chances para o goleiro Mucha. Com o resultado, o Paraguai chegou a quatro pontos e só precisa de um empate contra a Nova Zelândia, no dia 24, em Polokwane, para ficar em primeiro no grupo. Já a Eslováquia precisa vencer a atual campeã do mundo, Itália, também na quinta-feira, em Joanesburgo.

Itália 1 X 1 Nova Zelândia

Também pelo grupo F, Itália e Nova Zelândia jogaram pela segunda rodada, em Nelspruit. Os italianos queriam se recuperar do empate na estreia contra o Paraguai. Já os neozelandeses vinham empolgados com o empate na partida inicial contra a Eslováquia, conquistado de forma emocionante no final do jogo.

A partida começou truncada, com o time da Nova Zelândia marcando forte e diminuindo os espaços. E no segundo ataque dos “All Whites”, a surpresa: após cobrança de falta no lado esquerdo, Reid desviou, Cannavaro ajeitou sem querer e Smeltz, impedido, abriu o placar.

O gol deixou os italianos atônitos, tanto no campo quanto nas arquibancadas. Daí em diante, o jogo foi ataque contra defesa. Porém, com um time sem inspiração e talentos individuais, a Itália insistia em uma única jogada, a bola aérea para seus atacantes.

Aos 16 minutos, a “Azzurra” teve boa chance com Chiellini, mas o zagueiro não soube aproveitar. Na base da pressão, Zambrotta e Montolivo arriscaram de fora da área, mas sem sucesso. Com quase todo o time na defesa, a Nova Zelândia chamava os italianos para seu campo e as chances de gol aumentavam.

Tanto que aos 28 minutos, Criscito cruzou para a área e o volante Smith puxou De Rossi pela camisa. Um lance polêmico, mas o árbitro marcou pênalti, convertido por Iaquinta. Com o empate, a Itália buscou a virada, sempre com bolas aéreas ou chutes de longe. Porém, o máximo que conseguiu foi consagrar o goleiro Paston.

Na segunda etapa, o técnico Marcello Lippi trocou o discreto Gilardino por Di Natale. E logo no início ele bateu de primeira, exigindo boa defesa de Paston. Camoranesi, que também entrou no time, ajudava no toque de bola do meio campo, mas sem muita objetividade.

O drama italiano continuou o mesmo. Os europeus pressionavam com bolas erguidas na área e chutes de longe, mas sem sucesso. A ameaça de um novo empate fazia com que os jogadores tentassem resolver as jogadas sozinhos. Mas a baixa qualidade técnica da equipe ficava evidente a cada minuto passado.

Em raro momento de ousadia, a Nova Zelândia foi ao ataque pela esquerda. O meio campo Wood driblou Cannavaro com facilidade e bateu cruzado, assustando o goleiro Marchetti e os torcedores italianos. Mas o empate persistiu até o final.

O resultado deixa o time de Marcello Lippi em situação complicada, com apenas dois pontos em dois jogos. Na próxima rodada, a Itália joga sua sobrevivência no Mundial contra a Eslováquia, dia 24, em Joanesburgo, e precisa da vitória. A Nova Zelândia, também com dois pontos, encara o líder Paraguai no mesmo dia, em Polokwane.

Brasil 3 X 1 Costa do Marfim

Brasil e Costa do Marfim entraram em campo pela segunda rodada do grupo G. Os brasileiros venceram a Coreia do Norte na estreia e queriam o triunfo para garantir uma vaga. Já os marfinenses buscavam os primeiros três pontos no torneio. A seleção “Canarinho” escalou os mesmos jogadores da última partida. No time do técnico Sven-Göran Eriksson, a novidade era o atacante Didier Drogba, que começou como titular.

Logo no início, Kaká  mostrou que estava a fim de jogo e tabelou com Robinho. A bola ficou com o jogador do Santos que, mesmo com Kaká e Luis Fabiano bem posicionados, arriscou de fora da área e levou perigo ao gol de Barry. No entanto, a Costa do Marfim dominou os 15 minutos seguintes, não dando espaço para o time brasileiro elaborar as jogadas ofensivas.

O domínio dos “Elefantes” não resultava em conclusões a gol. O jogo ficou devagar, com a equipe de Dunga se defendendo e tentando o contra-ataque. Mas os erros de passe de seus meio-campistas não permitiam que as jogadas evoluíssem.

Aí, entrou em cena o talento e a movimentação de Kaká, que tantos esperavam. Em jogada pelo meio, ele tocou para Luis Fabiano, que devolveu de calcanhar e avançou. O meia do Real Madrid segurou um pouco e, no momento certo, lançou o centroavante brasileiro. Mesmo sem muito ângulo, o “Fabuloso” encheu o pé e abriu o placar.

O gol não melhorou o desempenho do Brasil, que continuou errando passes na intermediária. A Costa do Marfim, de forma contida, partiu para o ataque. Mas aí, o setor mais sólido do time brasileiro apareceu. Lúcio, Juan e Maicon evitaram que os adversários conseguissem uma conclusão mais perigosa ao gol de Júlio César. E assim terminou o primeiro tempo.

Na segundo etapa, nada de alterações. O time africano apertou a marcação e, mais uma vez, o Brasil não conseguia sair jogando. Até que Luis Fabiano, em dia inspirado, fez uma jogada bem ao seu estilo. Em uma mistura de trombada e habilidade, o atacante encarou a defesa marfinense e, usando os braços, saiu na cara do gol e bateu de pé esquerdo no canto de Barry.

O tento parece ter dado tranquilidade ao time de Dunga, que começou a encontrar espaços para trocar passes. A Costa do Marfim acusou o golpe e continuou sem ameaçar a meta brasileira. E, aos 17 minutos, esta superioridade se converteu no terceiro gol. Kaká, que voltou com mais disposição e atacando pelo lado esquerdo (como em seus bons tempos de Milan), levou a bola até a linha de fundo e cruzou rasteiro para o meio da área. Elano se antecipou à marcação e tocou para o fundo do gol.

Aos 33 minutos, a Costa do Marfim diminuiu com seu principal jogador, Drogba. O badalado atacante foi, mais uma vez, anulado por Lúcio, assim como o zagueiro brasileiro tinha feito pelas oitavas de final da UEFA Champions League deste ano. Mas encontrou um buraco na defesa brasileira e deixou seu gol.

Os marfinenses então passaram a apelar para a agressão. Sem espaço para avançar com perigo, distribuíram pancadas em Kaká, Luis Fabiano, Michel Bastos e Elano (que sentiu uma dividida e fui substituído por Daniel Alves). Aqui vale o registro para a omissão do árbitro francês Stephane Lannoy. O juiz literalmente deixou “o pau quebrar” em campo. Yaya Touré e Keita batiam em quem aparecesse pela frente

O nervosismo tomou conta dos brasileiros, que passaram a revidar. Para se ter uma ideia da raiva brasileira, Kaká levou dois amarelos e foi expulso. Com isso, o meia está fora do próximo jogo. Depois da confusão, o Brasil tocou a bola e esperou o final da partida.

Com seis pontos em dois jogos, o Brasil está classificado para a próxima fase da Copa do Mundo e aguarda apenas para saber se ficará em primeiro ou segundo lugar. No próximo dia 25, em Durban, o time brasileiro joga contra Portugal. A Costa do Marfim enfrenta a Coreia do Norte, em Nelspruit, no mesmo dia.

* Erik Rodrigues é jornalista e são-paulino.

Read Full Post »

Argentina 4 X 1 Coreia do Sul

A vitória sobre a Nigéria na primeira rodada da Copa do Mundo deixou os argentinos com ‘sabor de quero mais’. O resultado por um gol de diferença contra uma seleção amplamente inferior fez Diego Maradona e seus comandados acreditarem que podiam mais. E, de fato, eles podem muito mais. Isso ficou provado no jogo de hoje, quando não precisaram se esforçar muito para golear a Coreia do Sul por 4 a 1 e praticamente selar uma vaga nas oitavas de final.

A Argentina não pôde contar com o meia Juan Verón, que está lesionado e foi poupado pela comissão técnica. Dessa forma, a única diferença em relação à estreia foi a escalação de Maxi Rodriguez no meio campo. Os sul-coreanos, que vinham de boa vitória ante a Grécia, logo perceberam que não poderiam fazer frente aos sul-americanos e ainda fizeram questão de ajudá-los. Aos 16 minutos, Messi cobrou falta na área e a bola tocou caprichosamente na canela do atacante Chu-young, traindo o goleiro Sung-ryong e abrindo o placar para a ‘Albiceleste’.

As duas equipes tiveram chance de marcar após a abertura do placar. Maxi Rodriguez isolou a bola e desperdiçou sua oportunidade, aos 17. Na sequência do lance, quem perdeu foi a Coreia do Sul. Sung-yueng viu o goleiro Romero adiantado e fuzilou, mas a bola passou por cima da baliza. Dez minutos depois, Tevez cobrou falta com perigo também. Aos 32 minutos, Messi rolou para Maxi Rodriguez que cruzou para a área, a bola desviou no zagueiro Burdisso e sobrou livre para Higuaín fazer de cabeça o segundo, contando com ajuda do goleiro.

Seis minutos mais tarde, Higuaín fez ótima jogada pela direita, arrancou e chutou cruzado, o arqueiro sul-coreano espalmou a bola para o meio da área e, no rebote, Di Maria encheu o pé e viu Sung-ryong operar outro milagre, evitando o terceiro tento. Aos 43, outra chance perdida. Messi, o melhor jogador do mundo, fez uma jogada de cinema, passou por quatro adversários e deu um leve toque, mas a bola passou rente a trave. Ainda deu tempo de a Coreia descontar. O goleiro deu um chutão despretensioso para frente, a zaga argentina bateu cabeça e Demichelis entregou a bola de bandeja no pé de Lee Chung-yong, que avançou e tocou na saída do arqueiro da Argentina.

Mesmo sem apresentar um futebol perfeito, os argentinos foram muito melhores que os adversários. Se tivessem calibrado a pontaria, poderiam ter feito mais gols na primeira etapa. O segundo tempo começou quente e logo aos seis minutos, duas chances foram perdidas pela ‘Albiceleste’. Primeiro Higuain finalizou em cima do goleiro sul-coreano, que fez ótima defesa novamente. Alguns segundos depois, Tevez arriscou da entrada da área e viu Sung-ryong defender outra.

Não fosse o arqueiro da Coreia do Sul, a equipe de Maradona teria feito pelo menos uns cinco gols até os 30 minutos do segundo tempo. Mas quem tem Messi, tem tudo. O craque do Barcelona deu uma arrancada típica dele, chutou e o goleiro defendeu, no rebote o camisa 10 tentou de novo e a bola bateu na trave, sobrando livre para Higuaín marcar o terceiro tento argentino na partida. Quatro minutos depois, Messi aprontou outra das suas. Cercado por quatro adversários, o meia achou uma brecha e encontrou Sérgio Agüero livre na esquerda. O genro de Maradona tocou de primeira para o meio da área e Higuaín só teve o trabalho de testar a bola para o fundo do gol e dar números finais ao jogo.

A vitória mostrou uma equipe entrosada e que chegará longe no Mundial. E Maradona mais uma vez provou ter estrela: peitou a opinião de muitos e bancou a escalação de Higuaín como titular, ao invés do badalado Milito, que segue na reserva. E não deu outra. Higuaín marcou três gols no jogo, fez algo que nem o técnico conseguiu com a camisa argentina – fazer um hat-trick na mesma partida – e ainda se isolou na artilharia da Copa do Mundo.

Grécia 2 X 1 Nigéria

O duelo dos ‘desesperados’ do grupo B foi emocionante. A Nigéria mostrou força no início, viu um de seus jogadores ser expulso em um lance ridículo e, a partir daí, tudo foi por água abaixo. A Grécia, que jamais tinha vencido um jogo em Copas do Mundo e nem marcado um gol sequer, se aproveitou da superioridade numérica e, de virada, venceu o jogo por 2 a 1.

A Seleção Grega foi duramente criticada após a estreia, quando foi derrotada pela Coreia do Sul e apresentou um futebol fraco e nada empolgante. Pelo visto, as críticas deram força para os jogadores e hoje, se não fizeram uma partida primorosa, jogaram com raça e transformaram o dia 17 de junho em uma data histórica para o futebol do país.

Entretanto, quem abriu o placar foi a Nigéria. Aos 16 minutos, o volante Uche cobrou falta para o meio da área, todo mundo ficou olhando, inclusive o goleiro, e a bola entrou direto para o gol. Tudo corria bem para os africanos. O domínio da partida e as melhores chances eram criadas pelos comandados do sueco Lars Lagerback. Até que, aos 33 minutos, o meia Kaita conseguiu a proeza de ser expulso fora de campo. Era lateral para os gregos e o lateral esquerdo Torosidis se preparava para cobrar, quando o nigeriano o chutou. Como o juiz estava próximo do lance, não hesitou e expulsou o jogador da Nigéria. Uma tolice sem tamanho, que pode custar a eliminação dos africanos do Mundial.

Daí para frente, a Grécia pôs ordem na casa e mandou no jogo. Aos 43, Salpingidis recebeu passe açucarado de Katsouranis e, de fora da área, encheu o pé. A bola desviou em Haruna e matou o goleiro Enyeama. Com o jogo empatado, o segundo tempo tinha tudo para ter uma Nigéria totalmente fechada e uma Grécia pressionando em busca da vitória. E não deu outra.

Sendo pressionado, os nigerianos acharam uma brecha e por muito pouco não fizeram o segundo gol. O goleiro Enyeama repôs a bola para o ataque, Yakubu não conseguiu passar pelo goleiro e a bola sobrou para Obasi, que, sem goleiro, conseguiu errar. Depois disso, tome pressão da equipe europeia novamente. Assim como fizera contra a Argentina, Enyeama se destacava com defesas incríveis, principalmente, uma feita aos 23 minutos, numa cabeçada de Samaras. Mas a vida do goleiro é tão ingrata que, num instante, todo o cenário foi alterado. Três minutos mais tarde, Tziolis chutou forte, Enyeama bateu roupa e a bola sobrou no pé de Torosidis, que só teve o trabalho de empurrar para o gol e virar o jogo para a Grécia.

O jogo foi bem movimentado e os gregos mereceram a vitória. Já a Nigéria, que foi muito prejudicada por um ato impensado de seu atleta, fez o que pode e ainda tem chances de avançar de fase. A situação do grupo é a seguinte: a Argentina tem seis pontos, Coreia do Sul e Grécia somam três (os asiáticos levam vantagem por terem marcado um gol a mais) e a Nigéria aparece na lanterna, sem pontuação. A última e decisiva rodada do grupo B será disputada no dia 22 (terça-feira). A Nigéria pega a Coreia do Sul em Durban, às 15h30 e a Grécia encara a Argentina em Polokwane, no mesmo horário.

França 0 X 2 México

O jogo disputado em Polokwane foi importante para evidenciar muitas coisas. A fácil vitória do México por 2 a 0 contra a França, mostrou que os mexicanos têm uma equipe bastante qualificada e que, mesmo ainda jovem, podem ter um futuro promissor, além de provar mais uma vez que a Seleção Francesa não é nada sem Zinedine Zidane.

A primeira etapa do confronto foi fraca tecnicamente e ninguém se destacou. Giovanni dos Santos era o melhor mexicano em campo, mas seus companheiros pareciam não entender suas jogadas, da mesma forma que ocorreu no jogo contra a África do Sul, na semana passada. A equipe do excêntrico técnico Raymond Domenech estava completamente perdida em campo. O treinador deixou Gourcuff e Henry (de novo) no banco de reservas e manteve jogadores inoperantes como Anelka e Govou entre os titulares.

Se o primeiro tempo não foi bom, a segunda etapa foi totalmente diferente. O técnico Javier Aguirre, sabendo que precisava da vitória para continuar sonhando, tirou o volante Efraín Juárez e colocou o atacante Javier Hernández. Não demorou muito para a substituição dar resultado. Veloz e habilidoso, Hernández recebeu a bola em posição duvidosa, driblou o goleiro Lloris e mandou para o fundo do gol, enlouquecendo a grande torcida mexicana no estádio Peter Mokaba. O gol fez justiça a quem queria jogo. Os franceses, dispersos e desunidos, pareciam não ver a hora de o jogo acabar.

Aos 33 minutos, o México deu o golpe de misericórdia. Pablo Barrera, que havia entrado há pouco no lugar do machucado Carlos Vela, avançou pela direita, fez grande jogada e foi derrubado por Abidal dentro da área. O juiz marcou pênalti e, na cobrança, o veterano atacante Blanco fez o segundo gol, fechando o caixão dos ‘Bleus’.

A vitória dos mexicanos foi justa e o técnico Javier Aguirre teve grande parcela nisto, já que foi audaz e fez o time jogar para frente em busca dos gols. Méritos para ele, já que agora o México chegou aos quatro pontos no grupo A, empatou com o Uruguai (só perde para os uruguaios no saldo) e tem tudo para conquistar uma vaga nas oitavas de final. Mexicanos e uruguaios farão o confronto latino na última rodada da chave e, se não quiserem correr riscos, têm tudo para fazer o chamado ‘jogo de compadres’, já que o empate classifica os dois. O jogo será disputado no dia 22 (terça-feira), em Rustemburgo, às 11h. No mesmo dia e no mesmo horário, França e África do Sul jogam suas últimas fichas em duelo que será jogado em Bloemfontein.

Read Full Post »

Honduras 0 X 1 Chile

O confronto latino-americano da Copa do Mundo foi bastante movimentado. O Chile venceu Honduras por 1 a 0 e ainda teve muitas chances de fazer mais gols, mostrando um futebol convincente e que fez história. A equipe dirigida por Marcelo ‘El Loco’ Bielsa quebrou um jejum que já durava 48 anos. A última vitória chilena em um Mundial aconteceu no longínquo ano de 1962, quando o país sediou o torneio e venceu a extinta Iugoslávia por 1 a 0 na disputa pelo terceiro lugar.

A Seleção Chilena mostrou potencial desde o começo do jogo, com bastante ousadia e rapidez de seus jogadores. O domínio dos sul-americanos era total, mas o erro crucial era o último passe. Mesmo sem levar perigo eminente ao goleiro Noel Valladares, o trio ofensivo do Chile (Valdivia, Beausejour e Alexis Sánchez) trocava bons passes pelos dois lados do campo e demonstravam bastante desenvoltura. Essa foi a tônica dos primeiros 30 minutos. O Chile atacava e os hondurenhos se defendiam. Até que, aos 34 minutos, os chilenos foram premiados pela insistência. Isla recebeu a bola na direita e cruzou rasteiro para Beausejour desviar para o gol e abrir o placar. Os comandados de ‘El Loco’ Bielsa continuaram dominando a partida, mas não conseguiram aumentar o resultado. A Seleção Hondurenha só levou perigo no último minuto do primeiro tempo. Em cobrança de falta, Nuñez chutou no meio do gol e obrigou o goleiro Claudio Bravo a mandar a bola para escanteio.

Diferente de tudo que havia acontecido na Copa do Mundo até aqui, o jogo era bom e com jogadas interessantes. O Chile queria mais e quase ampliou aos 16 minutos, quando Alexis Sánchez recebeu bom passe de Valdivia, avançou sozinho e chutou para fora, perdendo uma boa chance. Três minutos mais tarde outra investida perigosa. Em bola alçada na área, o defensor Vidal escorou de cabeça para o meio e Ponce, sozinho, cabeceou obrigado o arqueiro Valladares a fazer uma grande defesa.

O jogo terminou 1 a 0, mas o amplo domínio do Chile só não rendeu mais gols por dois motivos: a falta de pontaria dos chilenos e a ótima atuação do goleiro Valladares, de Honduras. A superioridade técnica de ‘La Roja’ foi explicada nos números do jogo: 56% de posse de bola e 20 finalizações ao gol. O time da América Central não deve passar da primeira fase, enquanto a equipe de ‘El Loco’ Bielsa tem grandes possibilidades de fazer uma boa campanha no Mundial.

Espanha 0 X 1 Suíça

Estava tudo pronto para o show da Espanha no Mundial. Título da Eurocopa em 2008 e campanha irrepreensível nas eliminatórias europeias, com dez vitórias em dez jogos disputados. Tudo credenciava a ‘Fúria’ como grande candidata ao título em 2010. Depois de inúmeros fracassos na história das Copas do Mundo, especialistas alertavam que a hora da Espanha era essa. Mas no continente africano, zebras são animas comuns e que estão por todos os lados. E a tal da zebra veio pintada de vermelho e branco, nas cores da Suíça, que montou um ferrolho, conseguiu conter o ímpeto da equipe de Vicente Del Bosque e ainda conseguiu marcar o gol que deu a vitória e recolocou todo o fantasma dos vexames em cima dos espanhóis.

Estranhamente, o treinador espanhol decidiu poupar duas de suas estrelas da companhia: Fernando Torres e Césc Fabregas. Ambos começaram a partida no banco de reservas e fizeram a equipe europeia perder muito na qualidade ofensiva. Mesmo assim, o domínio do jogo foi todo da Espanha. A primeira chance real aconteceu aos 23 minutos, quando Iniesta tocou a bola para Piqué, que cortou o zagueiro e chutou em cima do goleiro suíço. A Suíça, por sua vez, deu seu primeiro chute ao gol somente aos 25 minutos, mas não levou perigo ao goleiro Iker Casillas. A ‘Fúria’ parecia querer jogar bonito, caprichar muitos nos lances, algo que tornava as jogadas pouco objetivas. Aos 43, outra chance foi desperdiçada. Iniesta, que fez uma boa partida, tocou na esquerda para David Villa, que limpou o zagueiro e tocou por cobertura, mas a bola nem chegou a sair pela linha de fundo.

Sem conseguir o gol, os jogadores espanhóis pareciam nervosos. Tentavam, tentavam e quando não esbarravam nos próprios erros, eram parados pela alta zaga da Suíça, que inclusive, foi eliminada do Mundial em 2006 sem tomar um gol sequer e, como passou ilesa no jogo de hoje, já está a mais de sete horas e meia sem ser vazada em jogos de Copa do Mundo.

Jogando com todo mundo atrás, a Suíça conseguiu a proeza e abriu o placar aos seis minutos. Num rápido contra-ataque, Derdyiok dividiu a bola com o goleiro Casillas e a bola sobrou para Gelson Fernandes fazer o gol. Um duro golpe nos comandados de Vicente Del Bosque, que a partir daí, intensificaram a pressão.

David Villa arriscou aos 12 e aos 15 e errou nas duas oportunidades. O próprio atacante fez outra jogada aos 17 e tocou de lado, Iniesta bateu de primeira sem levar perigo. Com a Suíça toda retrancada, o treinador espanhol resolveu colocar Fernando ‘El Niño’ Torres em campo. No primeiro lance do atacante do Liverpool, ele recebeu a bola na entrada da área, girou e chutou para fora. Aos 24, Torres levou perigo novamente, mas o goleiro Benaglio mandou a bola para escanteio. Na cobrança, Xavi tocou rasteira e Xabi Alonso mandou um foguete que explodiu na trave, criando a melhor chance da Espanha no jogo.  Ficou nítida a melhora da equipe com a entrada de Fernando Torres. Com ele em campo, as chances aumentaram nos minutos seguintes. Aos 26, Jesús Navas fez boa jogada pela direita, driblou o zagueiro e chutou para o gol, obrigando Benaglio a fazer outra defesa.

O jogo era disputado somente no campo de defesa dos suíços e a Espanha apertava. Na única vez que a Suíça saiu de trás, levou perigo outra vez. Aos 29, Derdyiok puxou o contra-ataque, driblou dois marcadores e chutou na trave. Com tanta pressão ofensiva, os espanhóis se descuidavam na zaga. Mas nem a ampla posse de bola da Espanha (63%) e as 24 conclusões a gol (a Suíça teve apenas oito), fizeram valer o favoritismo da ‘Fúria’. A Suíça se preocupou apenas em defender – e bem, diga-se de passagem – e nas únicas vezes que foi a frente acabou com o jogo.

Com isso, chilenos e suíços lideram o grupo H com três pontos cada. Espanha e Honduras estão na lanterna sem nenhum ponto. Os líderes se enfrentam no próximo dia 21/06 (segunda-feira), em Porto Elizabeth, às 11h. No mesmo dia, espanhóis e hondurenhos buscarão os primeiros pontos no Mundial, em jogo disputado em Joanesburgo, às 15h30.

África do Sul 0 X 3 Uruguai

No futebol, muito se diz que a camisa de determinado clube ou seleção pesa. E isso pode ser enquadrado ao Uruguai. A camisa celeste parece pesar uma tonelada e, mesmo adormecida por tanto tempo, provou hoje que tradição é algo que deve ser relevado no esporte. Mesmo enfrentando os empolgados donos da casa e as milhares de vuvuzelas, o Uruguai se impôs, mudou sua formação tática e com um bom futebol, venceu os Bafana Bafana por 3 a 0. As barulhentas cornetas silenciaram-se, assim como acontecera em 1950, quando os uruguaios calaram mais de 200 mil torcedores no Maracanã, episódio conhecido como ‘Maracanazzo’. Parece que eles são especialistas em jogar água no chope do anfitrião, e devem ser mesmo, afinal, hoje causaram o ‘Vuvuzelazzo’.

No primeiro jogo do Uruguai, o MFC alertou que um talento como Diego Forlán não poderia jogar sozinho no ataque, tentando decidir tudo sozinho. O técnico Oscár Tabarez parece ter lido o blog e, para a partida de hoje, mudou radicalmente a estratégia de jogo. Colocou Forlán mais recuado, como um falso terceiro homem de ataque e, lá na frente, escalou a dupla Luís Suarez e Edison Cavani. O Uruguai venceu o jogo pela escalação. Um time com bons talentos não pode jogar tão recuado e defensivo. A mudança surtiu efeito logo nos primeiros minutos do confronto.

Aos 24 minutos, Forlán recebeu a bola no meio, girou e, de longe, chutou forte. A bola desviou no capitão Mokoena e enganou o goleiro Khune, que nada pode fazer a não ser olhar o primeiro gol uruguaio. As chances perigosas eram todas criadas pela ‘Celeste’. O time sul-africano parecia nervoso e tentava usar a velocidade para conseguir o empate, mas a bem postada zaga do Uruguai impedia todas as vezes.

O meio de campo era amplamente dominado pelos uruguaios. Forlán e seus companheiros trocavam passes e chegavam facilmente à área adversária. E dessa forma o primeiro tempo terminou. A equipe de Carlos Alberto Parreira precisava melhorar muito para a segunda etapa.

O segundo tempo começou da mesma forma e ficou assim até aos 34 minutos, quando Forlán enfiou a bola para Luís Suarez – em posição duvidosa – que, tentou driblar o goleiro e foi derrubado. O juiz marcou o pênalti e expulsou Khune, gerando aflição no estádio. Forlán bateu e converteu a penalidade, ampliando a vantagem e se isolando na artilharia do Mundial, com dois gols. Nos minutos finais, ainda deu tempo do atacante dar mais um precioso passe para Suarez, que cruzou para o meio da área e deixou Álvaro Pereira livre para marcar o terceiro tento.

O Uruguai fez uma bela apresentação. Sem sustos, dominou todo o jogo e ganhou de forma incontestável. A vitória deixou a ‘Celeste’ em boa situação no grupo A com quatro pontos, precisando apenas empatar o último confronto para obter uma vaga nas oitavas de final. A África do Sul, por sua vez, está com a vida bem complicada na chave. Com apenas um ponto em dois jogos, os Bafana Bafana torcerão para que o confronto entre França e México termine empatado amanhã, pois assim as chances de avançar não serão tão remotas. As duas equipes voltam a campo na próxima terça-feira (22/06). O Uruguai encara o México em Rustemburgo, às 11h, enquanto a África do Sul pega a França em Bloemfontein, no mesmo horário.

Read Full Post »

Nova Zelândia 1 X 1 Eslováquia

Mais um jogo fraco no Mundial da África do Sul. Neozelandeses e eslovacos já foram para a Copa do Mundo como meros coadjuvantes e, pelo que foi visto hoje, não se esforçarão em nada para tentar mudar este panorama. A Nova Zelândia, que joga o torneio pela segunda vez na história (a outra aconteceu em 1982), jogou água no chope dos eslovacos no final da partida e pela baixa qualidade técnica de ambos, o empate por 1 a 1 ficou de bom tamanho.

O jogo foi tão sonolento que o primeiro lance de perigo aconteceu somente aos 27 minutos. Os eslovacos Weiss e Sestak tabelaram na entrada da área, mas a conclusão do atacante Sestak saiu pela linha de fundo. Cinco minutos mais tarde foi a vez do goleiro da Nova Zelândia, Mark Paston, fazer uma presepada com a bola nos pés e entregar de bandeja para o adversário, que também se enrolou com a pelota e desperdiçou outra chance. A Eslováquia ao menos tentava abrir o placar e criou outra chance aos 35 com o meia Leo Bertos em avançada pela direita. A Nova Zelândia só assustou aos 37 minutos, quando o atacante Smeltz tabelou com Killen e, de dentro da área, bateu de primeira rente a trave.

A segunda etapa começou um pouco mais movimentada, já que logo aos 4 minutos, depois de boa jogada pela direita, Sestak cruzou e o atacante Vittek mandou de cabeça para o fundo do gol, abrindo o placar para a Eslováquia. Os eslovacos perderam a chance de ampliar o marcador aos 23, quando desceram num rápido contra-ataque e o atacante Vittek ficou cara a cara com o goleiro, mas foi interceptado. A Nova Zelândia, por sua vez, só levava perigo nas bolas aéreas, fazendo valer a média de altura de 1,86 de seus jogadores. Aos 42 minutos, Smeltz subiu mais que a zaga adversária e cabeceou para fora, numa boa chance. Cinco minutos mais tarde, já nos acréscimos do jogo, veio o castigo para a Eslováquia. Smeltz cruzou a bola para a área e o zagueiro Reid marcou o gol de empate, dando números finais à partida.

O empate entre Nova Zelândia e Eslováquia embolou ainda mais o grupo F da Copa do Mundo. As duas equipes se juntaram a Itália e Paraguai e agora os quatro times somam um ponto. A segunda rodada do grupo acontece no próximo domingo (20/06), quando os eslovacos enfrentam o Paraguai em Bloemfontein, às 8h30 (horário de Brasília) e Itália e Nova Zelândia jogam em Nelspruit, às 11h.

Costa do Marfim 0 X 0 Portugal

O jogo mais esperado desta terça-feira também não foi dos melhores. Entretanto, pela qualidade dos jogadores, era óbvio que marfinenses e portugueses não fariam um jogo ruim como Nova Zelândia e Eslováquia fizeram. O duelo entre as estrelas Cristiano Ronaldo e Didier Drogba não aconteceu, ao menos na primeira etapa, já que o marfinense foi poupado por ainda não estar 100% fisicamente. A Seleção Portuguesa não conseguiu se sobressair através da genialidade de Cristiano Ronaldo e foi freada pela força física e a disciplina tática imposta pela equipe de Sven-Göran Eriksson, treinador da Costa do Marfim. O empate por 0 a 0 foi justo pelo o que as equipes fizeram no gramado do estádio Nelson Mandela Bay.

Logo no começo da partida, Cristiano Ronaldo levantou os torcedores. O português recebeu uma bola no meio, deu um drible curto no adversário e, de direita, mandou uma bomba que explodiu na trave do goleiro Barry. O cartão de visitas do astro poderia ter assustado a Costa do Marfim, mas o que se viu depois disso foi o contrário. Tiené, Touré, Eboué e Demel não deram espaços para Cristiano Ronaldo. Marcaram em cima e levaram a melhor na maioria dos lances. Aos 13 minutos, os marfinenses levaram perigo pela primeira vez, numa falta cobrada pelo zagueiro Tiené. Tiote também deu um chute perigoso na meta defendida pelo goleiro Eduardo e esses foram os principais lances da primeira etapa.

O segundo tempo foi mais corrido e as duas equipes resolveram se arriscar mais. Gervinho, que teve boa atuação, chegou à linha de fundo pela esquerda do campo e quase abriu o placar no primeiro minuto. Portugal respondeu onze minutos mais tarde, em cabeçada de Liedson e boa defesa de Barry. O estádio entrou em êxtase aos 19 minutos, quando Drogba saiu do banco de reservas e entrou no lugar de Kalou. O atacante do Chelsea é muito mais que apenas um ídolo dos marfinenses. Drogba é visto como o principal jogador de todo o continente africano na atualidade e, por esse motivo, foi festejado como uma grande estrela costuma ser. Pouco participativo em campo, o atacante da Costa do Marfim viu a seleção lusitana perder outra chance de abrir o placar aos 34 minutos, em cobrança de falta de Cristiano Ronaldo, que passou por cima do gol. Mas Drogba também teve sua chance, aos 45 minutos, quando recebeu passe dentro da área e, desequilibrado, chutou para fora na saída do goleiro.

O jogo acabou 0 a 0 e o principal destaque efetivamente foi o sistema tático da Costa do Marfim. Sven-Goran Eriksson assumiu a equipe recentemente e soube usar muito bem a qualidade do time africano. As linhas de defesa e do meio anularam Cristiano Ronaldo, Liedson, Deco e toda a companhia dirigida pelo técnico Carlos Queiroz. As duas seleções demonstraram força, mas precisam melhorar bastante para aspirar uma boa colocação no final do torneio.

Brasil 2 X 1 Coreia do Norte

A tão esperada estreia brasileira no Mundial aconteceu hoje e, nenhum espetáculo foi visto, mas novamente o estilo Dunga foi apresentado, o chamado futebol de resultado. Todos esperavam ver uma seleção fraca, tanto que a Coreia do Norte é a pior colocada no ranking da FIFA entre os 32 países que disputam o Mundial. Mas os norte-coreanos provaram que não serão o saco de pancadas da Copa do Mundo. Fizeram o Brasil suar – e muito – para conseguir a vitória por 2 a 1, resultado esse que deu a liderança do grupo G para a Seleção Brasileira.

Os jogadores brasileiros estavam visivelmente nervosos no início do duelo, algo absolutamente normal para uma estreia de Copa do Mundo. Porém, o Brasil respeitou muito a esforçada seleção norte-coreana, tanto que o primeiro chute a gol só saiu aos 12 minutos, em uma conclusão fraca de Elano. Sete minutos depois, Luís Fabiano roubou a bola no meio de campo, avançou e deu na medida para Robinho, que iludiu o marcador e chutou para o gol, também sem perigo. A Seleção Brasileira ainda estava em marcha lenta, pouco inspirada e barrando sempre na retranca do adversário.

O primeiro tempo acabou e os jogadores decepcionaram a torcida brasileira, que esperava um show da seleção com muitos gols. Os norte-coreanos fizeram muito mais do que deles se esperava. Conseguiram conter o ímpeto da equipe mais vencedora do futebol mundial e ainda se arriscaram no ataque, mesmo que sem perigo.

Robinho foi o melhor do Brasil no primeiro tempo. Se não foi um primor, ao menos buscou o jogo e deixou seus companheiros em boas condições. Na segunda etapa, a mesma situação aconteceu e já que ninguém resolvia, o craque do Santos tentou resolver sozinho, aos sete minutos, mas o chute foi sem direção e passou longe da meta do goleiro asiático. Dois minutos depois, enfim, o Brasil abriu o placar. O volante-brucutu Felipe Mello fez uma boa inversão da esquerda para a direita e encontrou Elano, que dominou, esperou Maicon passar e lançou para o lateral, que entrou na área em velocidade e mandou uma bomba para o gol, enganando o goleiro Ri Myong-Guk, que se preparava para intervir um possível cruzamento e viu a bola entrar entre seu corpo e a trave.

Com a vantagem no placar, a Seleção Brasileira se empolgou e foi em busca de mais gols. Michel Bastos chutou forte aos 15 minutos e quase ampliou. Três minutos depois, Robinho lançou a bola, Luís Fabiano matou no peito, fintou o zagueiro e mandou de pé esquerdo para fora. Provando querer jogo, Robinho recebeu a bola no meio de campo, partiu para cima e deu um precioso passe entre os adversários, encontrando seu ex-companheiro de Santos, Elano, livre para marcar o segundo gol brasileiro, aos 26 minutos.

O segundo tento amenizou o ímpeto brasileiro e a Coreia do Norte foi para o tudo ou nada. Somente aos 37 minutos o goleiro Júlio César pegou na bola, num cruzamento erguido na área e defendido sem problemas pelo arqueiro brasileiro. Com o resultado praticamente garantido, Dunga colocou Nilmar, Daniel Alves e Ramires no jogo. E aos 39, Nilmar quase marcou o seu, em conclusão fraca para o gol. Mas o que menos se esperava aconteceu aos 43 minutos, quando a defesa do Brasil ficou apenas olhando o norte-coreano Ji Yun-Nam entrar na área e fuzilar para fazer o gol dos asiáticos.

O jogo terminou 2 a 1, o Brasil não passou sufoco em nenhum momento, mas ficou devendo muito futebol. Kaká, a principal esperança brasileira no Mundial, não foi bem e visivelmente ainda está aquém de sua melhor condição física. Não sei se haverá tempo para o meia se recuperar e isso é preocupante para as pretensões brasileiras no torneio. Mesmo jogando de forma pragmática, a Seleção Brasileira foi amplamente superior, tanto que teve 63% de posse de bola e finalizou dez vezes contra apenas três do adversário. Dunga precisa melhorar muito essa equipe, já que os dois próximos jogos serão contra equipes mais qualificadas que a Coreia do Norte.

Com os resultados desta terça-feira, o grupo G tem o Brasil na liderança com três pontos, Portugal e Costa do Marfim empatados com um ponto e os norte-coreanos figuram na lanterna. A Seleção Brasileira disputa a segunda partida no próximo domingo (20/06) contra a Costa do Marfim em Joanesburgo, às 15h30. No dia seguinte, a Coreia do Norte encara Portugal na Cidade do Cabo, às 8h30.

Reveja os melhores momentos e os gols da partida:

Read Full Post »

Older Posts »