Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Baile Funk’

O Flamengo se transformou numa bagunça geral. Depois de conquistar o título brasileiro de 2009, as coisas vão piorando dia-a-dia. Para falar a verdade, desde o ano passado a situação já era preocupante. Depois de repatriar o ídolo Adriano, a diretoria rubro-negra sabia o risco que estava correndo. Para contar com um jogador de nível europeu e de Seleção Brasileira, a alta cúpula flamenguista abriu mão do profissionalismo. Foi acordado que Adriano poderia faltar a treinos, chegar atrasado para resolver ‘questões particulares’ e até mesmo ter o privilégio de ser titular mesmo quando não rendesse o esperado, física e taticamente.

O ano de 2010 começou, Vágner Love chegou fazendo juras de amor ao clube, o técnico Andrade renovou seu contrato e a base campeã brasileira foi mantida. Tudo para buscar o tetracampeonato carioca, o bicampeonato brasileiro e, principalmente, a Copa Libertadores da América.

Aos poucos, o projeto maravilhoso começou a fracassar. Adriano, incontrolável nas noitadas e bebidas, continuou dando os mesmos trabalhos dos tempos de Internazionale e São Paulo. E o pior, os companheiros de equipe passaram a acompanhá-lo nas empreitadas noturnas. No caso mais famoso da falta de profissionalismo, a favela da Chatuba, na zona norte do Rio de Janeiro, foi o cenário. Vários jogadores do Flamengo, liderados pelo Imperador, subiram o morro para curtirem um baile funk. O final da história todos sabem. Jogadores tentando se defender publicamente, dirigentes submissos e o atacante flamenguista sumido por vários dias.

Dias depois, mais casos foram surgindo. O goleiro Bruno, em mais uma de suas frases infelizes, disse em entrevista que bater em mulher é algo normal, corriqueiro. Vágner Love foi visto sendo escoltado por traficantes procurados pela polícia em um morro carioca e depois precisou até se explicar na delegacia. Adriano, de novo, se meteu em encrenca ao descobrirem que o atacante comprou duas motos e repassou-as para um traficante amigo e para a mãe dele, que nem carteira de motorista tinha. Confusões e mais confusões. Todas amparadas pelos dirigentes rubro-negros.

E os reflexos dessa zona generalizada começaram a aparecer em campo. Primeiro o Flamengo conseguiu perder o fraco Campeonato Carioca para o limitado time do Botafogo. Na Libertadores, a situação também é delicada. Ontem venceu o Caracas por 3 a 2 no Maracanã e não depende apenas de suas forças para avançar às oitavas de final do torneio continental. Hoje à noite torcerá por uma combinação de resultados para obter a vaga, diga-se de passagem, como pior segundo colocado. Se conseguir a classificação, não terá vida fácil. Pegará o melhor time da primeira fase, possivelmente o Corinthians, decidindo o segundo jogo na casa do adversário.

Enquanto isso, o irreverente dirigente Marcos Braz, todos os dias dá declarações de que o culpado por tudo isso é o técnico Andrade. Ídolo do clube nos 80, Andrade é desrespeitado e menosprezado pelos cartolas. E o pior, vê tudo isso e continua calado.

Os culpados dessa zona rubro-negra são os dirigentes, inclua-se até mesmo a presidente Patrícia Amorim, por questões claras. A alta cúpula da Gávea sabia desde o início dos riscos de se ter um time com jogadores descompromissados e que se metem em confusões a todo instante. Eles bancaram e liberaram tudo isso. Só que agora estão sentindo na pele o peso disso tudo. A torcida está revoltada. E no futebol, quando isso acontece, é preciso achar culpados. A bola da vez é Andrade. É mais fácil colocar a culpa num técnico com menos experiência e que tem pinta de um cara bacana. Tão bacana ao ponto até de deixar o melhor jogador do Flamengo no banco de reservas por ter se desentendido com Marcos Braz. Petkovic é, de longe, mesmo com 37 anos, o melhor jogador da equipe neste momento. Ontem, por exemplo, as coisas só não foram piores, pois ele entrou na segunda etapa.

Depois da bronca da torcida ontem, Marcos Braz já voltou a dar declarações. Enfatizou que até sexta-feira, no máximo, mudará o comando técnico da equipe. Andrade sabe que será demitido, mesmo se o Flamengo consiga a vaga nas oitavas de final da Libertadores. Para o seu lugar, os mais cotados são Celso Roth e até mesmo Joel Santana, atual técnico do Botafogo. Patrícia Amorim deveria demitir o Marcos Braz, manter o Andrade e deixar na equipe apenas jogadores compromissados e que tenham o mínimo de profissionalismo. Do jeito que está, resultados positivos serão cada vez mais escassos. E a culpa é do pobre Andrade.

Que zona! Que bagunça! Esse é o atual futebol do Flamengo. A filosofia do ‘Império do Amor’ tomou conta do grupo. E agora será difícil mudar o conceito. Uma pena!

Read Full Post »