Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘All Whites’

Por: Erik Rodrigues*

Eslováquia 0 X 2 Paraguai

Eslováquia e Paraguai se enfrentaram pela segunda rodada do grupo F em busca da primeira vitória na Copa do Mundo, no estádio Free State, em Bloemfontein. Os paraguaios vinham de um bom empate na estreia contra a Itália. Os eslovacos também empataram na primeira rodada, com a Nova Zelândia. A novidade no time sul-americano era a escalação de mais um atacante, Roque Santa Cruz.

E a mudança surtiu efeito logo de cara, pois o time do técnico Gerardo Martino começou o primeiro tempo no ataque. Roque Santa Cruz arriscou da entrada da área, a bola desviou na zaga e o goleiro Mucha teve de se esforçar para fazer a defesa.

E este seria o panorama da primeira etapa, com domínio total dos paraguaios. A Eslováquia não arriscava e formava um paredão para evitar o gol do adversário. O Paraguai partia para cima com Riveros, Lucas Barrios e Nelson Valdez, mas a bola não entrava.

Até que aos 28 minutos, o zagueiro Skrtel falhou e a bola ficou com Barrios, que passou para Vera bater de primeira e abrir o placar. O gol fez justiça ao time que procurou mais o ataque. Mas os eslovacos acordaram e ao menos demonstravam mais vontade, mesmo errando muitos passes. Tanto que aos 37 minutos, a equipe da Europa conseguiu dar uma cabeçada ao gol, com Salata.

No segundo tempo, o Paraguai se acomodou com a vantagem e ficou esperando as chances de contra-ataque aparecerem. E não havia com o que se preocupar, pois a Eslováquia tinha como principal adversária sua própria dificuldade técnica. Mesmo em ritmo mais lento, os paraguaios chegavam com mais perigo e estavam próximos do segundo gol.

E ele veio aos 41, após confusão na área entre Da Silva e Cardozo. A bola sobrou para Riveros que, da entrada da área, chutou forte no canto direito, sem chances para o goleiro Mucha. Com o resultado, o Paraguai chegou a quatro pontos e só precisa de um empate contra a Nova Zelândia, no dia 24, em Polokwane, para ficar em primeiro no grupo. Já a Eslováquia precisa vencer a atual campeã do mundo, Itália, também na quinta-feira, em Joanesburgo.

Itália 1 X 1 Nova Zelândia

Também pelo grupo F, Itália e Nova Zelândia jogaram pela segunda rodada, em Nelspruit. Os italianos queriam se recuperar do empate na estreia contra o Paraguai. Já os neozelandeses vinham empolgados com o empate na partida inicial contra a Eslováquia, conquistado de forma emocionante no final do jogo.

A partida começou truncada, com o time da Nova Zelândia marcando forte e diminuindo os espaços. E no segundo ataque dos “All Whites”, a surpresa: após cobrança de falta no lado esquerdo, Reid desviou, Cannavaro ajeitou sem querer e Smeltz, impedido, abriu o placar.

O gol deixou os italianos atônitos, tanto no campo quanto nas arquibancadas. Daí em diante, o jogo foi ataque contra defesa. Porém, com um time sem inspiração e talentos individuais, a Itália insistia em uma única jogada, a bola aérea para seus atacantes.

Aos 16 minutos, a “Azzurra” teve boa chance com Chiellini, mas o zagueiro não soube aproveitar. Na base da pressão, Zambrotta e Montolivo arriscaram de fora da área, mas sem sucesso. Com quase todo o time na defesa, a Nova Zelândia chamava os italianos para seu campo e as chances de gol aumentavam.

Tanto que aos 28 minutos, Criscito cruzou para a área e o volante Smith puxou De Rossi pela camisa. Um lance polêmico, mas o árbitro marcou pênalti, convertido por Iaquinta. Com o empate, a Itália buscou a virada, sempre com bolas aéreas ou chutes de longe. Porém, o máximo que conseguiu foi consagrar o goleiro Paston.

Na segunda etapa, o técnico Marcello Lippi trocou o discreto Gilardino por Di Natale. E logo no início ele bateu de primeira, exigindo boa defesa de Paston. Camoranesi, que também entrou no time, ajudava no toque de bola do meio campo, mas sem muita objetividade.

O drama italiano continuou o mesmo. Os europeus pressionavam com bolas erguidas na área e chutes de longe, mas sem sucesso. A ameaça de um novo empate fazia com que os jogadores tentassem resolver as jogadas sozinhos. Mas a baixa qualidade técnica da equipe ficava evidente a cada minuto passado.

Em raro momento de ousadia, a Nova Zelândia foi ao ataque pela esquerda. O meio campo Wood driblou Cannavaro com facilidade e bateu cruzado, assustando o goleiro Marchetti e os torcedores italianos. Mas o empate persistiu até o final.

O resultado deixa o time de Marcello Lippi em situação complicada, com apenas dois pontos em dois jogos. Na próxima rodada, a Itália joga sua sobrevivência no Mundial contra a Eslováquia, dia 24, em Joanesburgo, e precisa da vitória. A Nova Zelândia, também com dois pontos, encara o líder Paraguai no mesmo dia, em Polokwane.

Brasil 3 X 1 Costa do Marfim

Brasil e Costa do Marfim entraram em campo pela segunda rodada do grupo G. Os brasileiros venceram a Coreia do Norte na estreia e queriam o triunfo para garantir uma vaga. Já os marfinenses buscavam os primeiros três pontos no torneio. A seleção “Canarinho” escalou os mesmos jogadores da última partida. No time do técnico Sven-Göran Eriksson, a novidade era o atacante Didier Drogba, que começou como titular.

Logo no início, Kaká  mostrou que estava a fim de jogo e tabelou com Robinho. A bola ficou com o jogador do Santos que, mesmo com Kaká e Luis Fabiano bem posicionados, arriscou de fora da área e levou perigo ao gol de Barry. No entanto, a Costa do Marfim dominou os 15 minutos seguintes, não dando espaço para o time brasileiro elaborar as jogadas ofensivas.

O domínio dos “Elefantes” não resultava em conclusões a gol. O jogo ficou devagar, com a equipe de Dunga se defendendo e tentando o contra-ataque. Mas os erros de passe de seus meio-campistas não permitiam que as jogadas evoluíssem.

Aí, entrou em cena o talento e a movimentação de Kaká, que tantos esperavam. Em jogada pelo meio, ele tocou para Luis Fabiano, que devolveu de calcanhar e avançou. O meia do Real Madrid segurou um pouco e, no momento certo, lançou o centroavante brasileiro. Mesmo sem muito ângulo, o “Fabuloso” encheu o pé e abriu o placar.

O gol não melhorou o desempenho do Brasil, que continuou errando passes na intermediária. A Costa do Marfim, de forma contida, partiu para o ataque. Mas aí, o setor mais sólido do time brasileiro apareceu. Lúcio, Juan e Maicon evitaram que os adversários conseguissem uma conclusão mais perigosa ao gol de Júlio César. E assim terminou o primeiro tempo.

Na segundo etapa, nada de alterações. O time africano apertou a marcação e, mais uma vez, o Brasil não conseguia sair jogando. Até que Luis Fabiano, em dia inspirado, fez uma jogada bem ao seu estilo. Em uma mistura de trombada e habilidade, o atacante encarou a defesa marfinense e, usando os braços, saiu na cara do gol e bateu de pé esquerdo no canto de Barry.

O tento parece ter dado tranquilidade ao time de Dunga, que começou a encontrar espaços para trocar passes. A Costa do Marfim acusou o golpe e continuou sem ameaçar a meta brasileira. E, aos 17 minutos, esta superioridade se converteu no terceiro gol. Kaká, que voltou com mais disposição e atacando pelo lado esquerdo (como em seus bons tempos de Milan), levou a bola até a linha de fundo e cruzou rasteiro para o meio da área. Elano se antecipou à marcação e tocou para o fundo do gol.

Aos 33 minutos, a Costa do Marfim diminuiu com seu principal jogador, Drogba. O badalado atacante foi, mais uma vez, anulado por Lúcio, assim como o zagueiro brasileiro tinha feito pelas oitavas de final da UEFA Champions League deste ano. Mas encontrou um buraco na defesa brasileira e deixou seu gol.

Os marfinenses então passaram a apelar para a agressão. Sem espaço para avançar com perigo, distribuíram pancadas em Kaká, Luis Fabiano, Michel Bastos e Elano (que sentiu uma dividida e fui substituído por Daniel Alves). Aqui vale o registro para a omissão do árbitro francês Stephane Lannoy. O juiz literalmente deixou “o pau quebrar” em campo. Yaya Touré e Keita batiam em quem aparecesse pela frente

O nervosismo tomou conta dos brasileiros, que passaram a revidar. Para se ter uma ideia da raiva brasileira, Kaká levou dois amarelos e foi expulso. Com isso, o meia está fora do próximo jogo. Depois da confusão, o Brasil tocou a bola e esperou o final da partida.

Com seis pontos em dois jogos, o Brasil está classificado para a próxima fase da Copa do Mundo e aguarda apenas para saber se ficará em primeiro ou segundo lugar. No próximo dia 25, em Durban, o time brasileiro joga contra Portugal. A Costa do Marfim enfrenta a Coreia do Norte, em Nelspruit, no mesmo dia.

* Erik Rodrigues é jornalista e são-paulino.

Anúncios

Read Full Post »

PAÍS: Itália
NOME DA CONFEDERAÇÃO: Federazione Italiana Giuoco Calcio
ANO DE FUNDAÇÃO: 1898
APELIDO: Azzurri
PARTICIPAÇÕES EM COPAS DO MUNDO:
16 (1934, 1938, 1950, 1954, 1962, 1966, 1970, 1974, 1978, 1982, 1986, 1990, 1994, 1998, 2002 e 2006)
RESULTADOS: A Seleção Italiana é a segunda maior vencedora da história das Copas do Mundo com quatro títulos mundiais (1934, 1938, 1982 e 2006). Além disso, os italianos foram vice-campeões em 1970 e 1994, nas duas vezes perdendo a decisão para o Brasil. Também chegaram às semifinais em 1978 e 1990.
COMO SE CLASSIFICOU PARA 2010: Líder do grupo 8 das eliminatórias europeias, a Itália conquistou a vaga no mundial com tranquilidade.
DESTAQUE DO TIME: Gianluigi Buffon (goleiro da Juventus, da Itália)
TREINADOR ATUAL: Marcello Lippi (Itália)
PERSPECTIVAS PARA O MUNDIAL:

– Como desprezar uma seleção tetracampeã mundial? É impossível. A Itália é a atual campeã da Copa do Mundo e irá à África do Sul para defender seu título e tentar igualar o número de conquistas do Brasil, maior campeão do torneio. Os italianos contam com um time experiente e com jogadores decisivos. Começando pelo goleiro Buffon, um dos grandes destaques do último mundial e um líder nato dentro do grupo. O defensor Fabio Cannavaro, mesmo aos 36 anos, faz da zaga italiana um dos pontos fortes da equipe. O meio-campo talvez seja o porto seguro da Itália com jogadores habilidosos e eficientes como Gennaro Gattuso, Andrea Pirlo e Danielle de Rossi. Mesmo sem contar com um grande jogador no ataque, os italianos devem se classificar com tranquilidade no grupo F e nos mata-matas sempre aparecem como favoritos.

−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−

PAÍS: Eslováquia
NOME DA CONFEDERAÇÃO: Slovenský Futbalový Zväz
ANO DE FUNDAÇÃO: 1938
APELIDO: Narodny Tim
PARTICIPAÇÕES EM COPAS DO MUNDO: 0
RESULTADOS: Nunca participou de uma Copa do Mundo.
COMO SE CLASSIFICOU PARA 2010: Os eslovacos conseguiram a vaga na Copa do Mundo ao lideraram o difícil grupo 3 das eliminatórias europeias. O passaporte foi carimbado na partida decisiva contra a Polônia, quando venceram por 1 a 0 e conquistaram o direito de debutar em um mundial.
DESTAQUE DO TIME: Marek Hamsik (meia do Napoli, da Itália)
TREINADOR ATUAL: Vladimír Weiss (Tchecoslováquia)
PERSPECTIVAS PARA O MUNDIAL:

– Conseguir se classificar para a Copa do Mundo de 2010 já foi uma vitória para os eslovacos. O elenco é jovem e inexperiente e esse fator pode pesar numa competição tão disputada. O grupo também não é favorável, já que conta com a experiente Itália e o raçudo Paraguai. A Seleção Eslovaca tem tudo para ser coadjuvante no grupo F.

−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−

PAÍS: Nova Zelândia
NOME DA CONFEDERAÇÃO: New Zealand Football
ANO DE FUNDAÇÃO: 1891
APELIDO: All Whites
PARTICIPAÇÕES EM COPAS DO MUNDO: 1 (1982)
RESULTADOS: No único mundial que disputou, os neozelandeses não passaram da primeira fase, já que perderam os três jogos e sofreram 12 gols.
COMO SE CLASSIFICOU PARA 2010: Como esperado, a Nova Zelândia liderou tranquilamente as eliminatórias da Oceania e, por isso, se qualificaram para disputar a repescagem contra o Bahrein, quinto colocado nas eliminatórias asiáticas. No jogo decisivo, os neozelandeses venceram por 1 a 0 e carimbaram o passaporte para a África do Sul.
DESTAQUE DO TIME: Ryan Nielsen (zagueiro do Blackburn, da Inglaterra)
TREINADOR ATUAL: Ricki Herbert (Nova Zelândia)
PERSPECTIVAS PARA O MUNDIAL:

– Sem tradição no futebol, a vida da Nova Zelândia na Copa do Mundo não será fácil. Com jogadores altos, a grande esperança no mundial são as jogadas aéreas com os atacantes Chris Wood e Rory Fallon. O zagueiro Ryan Nielsen é o grande astro do futebol neozelandês e sua experiência no futebol europeu pode ajudar o grupo a não se tornar um saco de pancadas no grupo F.

−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−−

PAÍS: Paraguai
NOME DA CONFEDERAÇÃO: Asociación Paraguaya de Fútbol
ANO DE FUNDAÇÃO: 1906
APELIDO: La Albirroja
PARTICIPAÇÕES EM COPAS DO MUNDO: 7 (1930, 1950, 1958, 1986, 1998, 2002 e 2006)
RESULTADOS: O Paraguai jamais conseguiu realizar uma campanha convincente em um mundial de futebol. O mais longe que chegou foi nas oitavas-de-final em três oportunidades (1986, 1998 e 2002).
COMO SE CLASSIFICOU PARA 2010: Os paraguaios chegaram a liderar as eliminatórias sul-americanas por um bom período, mas no final perderam o fôlego e terminaram na 3ª posição, atrás do Brasil e Chile.
DESTAQUE DO TIME: Roque Santa Cruz (atacante do Manchester City, da Inglaterra)
TREINADOR ATUAL: Gerardo Martino (Argentina)
PERSPECTIVAS PARA O MUNDIAL:

– A Seleção Paraguaia entra na Copa do Mundo como segunda força do grupo F. Mesmo não tendo obtido resultado satisfatórios em outros mundiais, os paraguaios sempre formaram equipes fortes e com muita garra. O atual elenco tem como ponto positivo a força defensiva. Os destaques da equipe são os goleiros Justo Villar e Aldo Bobadilla; os defensores Morel Rodríguez, Julio César Cáceres e Aureliano Torres; além dos meio-campistas Edgar Barreto, Jonathan Santana, Enrique Vera e Eduardo Ledesma. O ataque também é qualificado com Roque Santa Cruz, Nelson Haedo, Lucas Barrios e Óscar Cardozo. O que joga contra os paraguaios na África do Sul é o lado psicológico do grupo, já que não poderão contar com o atacante Salvador Cabañas, que ainda se recupera do triste incidente quando foi baleado na Cidade do México. Se superarem esse baque, podem sonhar com as quartas-de-final.

Read Full Post »